Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-10-28T18:48:31-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Um brinde

A Ambev (ABEV3) nunca vendeu tanta cerveja como no 3º trimestre. E as ações dispararam na bolsa

A gigante de bebidas registrou lucro líquido de R$ 3,6 bilhões no terceiro trimestre, alta de 50% e acima do esperado pelo mercado. Hora de comprar a ação?

28 de outubro de 2021
11:31 - atualizado às 18:48
Budweiser, cerveja do portfólio da Ambev
Budweiser, cerveja do portfólio da Ambev - Imagem: Shutterstock

O brasileiro voltou às ruas — e aos bares — com o avanço da vacinação e do relaxamento das medidas de isolamento. Essa é uma ótima notícia para a Ambev (ABEV3), e se reflete nos resultados da cervejaria divulgados na manhã desta quinta-feira.

A gigante de bebidas registrou lucro líquido (atribuído à companhia) de R$ 3,6 bilhões no terceiro trimestre. O resultado ficou acima do esperado pelos analistas e representa um avanço de 50% em relação ao mesmo período do ano passado.

A reação do mercado pode ser resumida no desempenho das ações no pregão desta quinta-feira da B3. ABEV3 disparou 9,40%, para R$ 16,65 — a maior alta do Ibovespa.

A empresa nunca vendeu tanta cerveja em um terceiro trimestre. O volume comercializado cresceu 7,7% em relação ao mesmo período do ano passado e ficou 20,8% acima do registrado no mesmo período de 2019.

Oito dos dez principais mercados da Ambev já crescem acima dos níveis pré-pandemia. No Brasil, a venda de cervejas avançou 7,5% em relação ao terceiro trimestre de 2020.

Foi um crescimento acima média da indústria pelo quinto trimestre consecutivo. Ou seja, a Ambev vem conseguindo superar a arquirrival Heineken, a única que conseguiu tirar o sono da companhia nos últimos anos.

Tanto as marcas tradicionais como as novas e do segmento premium tiveram bom desempenho. As vendas de Skol, Brahma e Antarctica cresceram acima do terceiro trimestre do ano passado e de 2019. Já as marcas novas seguem representando 20% da receita da Ambev no país.

Ambev no digital

A Ambev também segue firme nas iniciativas do lado digital. A plataforma BEES, que atende bares e restaurantes, alcançou 85% dos clientes ativos da companhia.

O Zé Delivery atendeu mais de 15 milhões de pedidos, estável no trimestre, mas ainda assim um desempenho positivo se levarmos em conta o processo de reabertura da economia.

Outro destaque foi a Donus, a empresa de serviços financeiros (fintech) da Ambev, cujo volume de transações triplicou no trimestre, com o dobro da base de clientes em relação ao fim de junho.

Margens da Ambev no gargalo

Com o avanço nas vendas, a receita líquida da Ambev alcançou R$ 18,5 bilhões, uma alta de 18,5% na comparação com o terceiro trimestre do ano passado.

Parte desse aumento, contudo, teve como contrapartida margens mais apertadas, com uma queda 32,5% para 29,6%, uma das menores da história da Ambev, em consequência do aumento das despesas no período. Parte dos custos da empresa é dolarizada e vinculada às cotações das commodities.

O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) aumentou 7,8%, para R$ 5,5 bilhões.

Hora de comprar ABEV3?

Os analistas que acompanham a Ambev foram praticamente só elogios ao resultado, inclusive aqueles que não recomendam a compra das ações.

O Credit Suisse destacou a execução de vendas de alto nível da companhia e recorreram a Mark Twain para elogiar o balanço. “Eles não sabiam que era impossível, então fizeram”, escreveram, em relatório a clientes.

Para o Morgan Stanley, a Ambev deve enfrentar um ano mais difícil em 2022. “Mas vemos risco de alta em nossas premissas de volume neste momento.”

Confira a seguir a recomendação e o preço-alvo para as ações ABEV3:

  • BofA Securities: underperform (venda), com preço-alvo de R$ 15,50
  • Citi: neutra, com preço-alvo de R$ 17,00
  • Credit Suisse: compra, com preço-alvo de R$ 18,50
  • Goldman Sachs: venda, com preço-alvo de R$ 13,00
  • Morgan Stanley: underweight (venda), com preço-alvo de R$ 13,00
  • XP: compra, com preço-alvo de R$ 20,00

Leia também:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

NOVATA NA FINAL

Não estranhe: patrocinadora da final entre Palmeiras e Flamengo é a nova corretora de criptomoedas do Brasil; conheça Crypto.bom

A exchange resolveu investir no segmento de esportes e patrocina Fórmula 1, NBA e até o campeonato europeu

Raio-X

Análise: Por que a alta da inflação pode ameaçar o pacote de infraestrutura de Joe Biden?

O presidente americano tem ambiciosos planos pela frente, mas a alta da inflação e gargalos estruturais da economia podem alterar o rumo

A SEMANA EM GRÁFICOS

Covid-19 pressiona aéreas, turismo, Ibovespa e bitcoin, mas inflação avança no mundo: entenda a última semana com estes gráficos

As companhias aéreas sofreram perdas significativas na bolsa esta semana e nem o bitcoin (BTC) conseguiu se salvar

O MELHOR DA SEMANA

Piora da covid no mundo e criptomoedas além do bitcoin (BTC): 5 assuntos mais lidos no Seu Dinheiro esta semana

O mercado já trabalhava amplamente com a visão do verdadeiro normal. Mas os mercados globais voltaram a entrar em pânico com a covid-19

PAPO CRIPTO #007

Tecnologia que criou o bitcoin (BTC) pode reduzir custo de captação de recursos em quase 70%, diz chefe de ativos digitais do BTG

“Empresas pequenas e médias têm menor possibilidade de acesso ao mercado de capitais, muito por causa dos custos envolvidos”, comenta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies