Menu
2021-08-23T15:19:46-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
segredos da bolsa

Esquenta dos mercados: semana começa olho na crise política, mas exterior deve segurar Ibovespa

No radar, ficam a participação do presidente do BC em evento da XP, PMI dos EUA e outros destaques aqui e no exterior

23 de agosto de 2021
7:50 - atualizado às 15:19
Bolsonaro
Imagem: Marcos Corrêa/PR

A semana começa com a perspectiva de recuperação para as principais bolsas pelo mundo. O movimento de retomada deve contaminar o Ibovespa, que precisará lidar com o conturbado cenário nacional nesta segunda-feira (23).

Brasil: cada enxadada, uma minhoca

Na última sexta-feira (20), o presidente da República Jair Bolsonaro aprofundou a crise entre os poderes com um pedido de impeachment do ministro do STF, Alexandre de Moraes. O documento foi enviado após o fechamento da bolsa brasileira, que encerrou o pregão em alta de 0,76%, aos 116.040 pontos

Os reflexos da tensão entre os poderes pressionam a curva de juros no longo prazo. Além disso, a reforma do Imposto de Renda segue paralisada e sem acordo, enquanto a PEC dos precatórios é vista com maus olhos pelo mercado como uma desculpa para encontrar um espaço no Orçamento para o programa Auxílio Brasil, antigo Bolsa Família

No radar, Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, participa de evento da XP na próxima terça-feira (24). Na quarta-feira (25) devem ser divulgados os dados da inflação, medida pelo IPCA-15. 

O último pregão da semana deve contar com os dados do Caged sobre geração de empregos no Brasil, na sexta-feira (27).

Exterior: tomando fôlego

A crise do Afeganistão parece ter sido superada pelos mercados, mas o preço do barril de petróleo segue pressionado. O medo de que a variante delta volte a fechar as economias e limite a retomada econômica também começa a preocupar os investidores.

Na agenda do exterior, o mundo deve conhecer o desempenho da atividade econômica dos EUA, medido pelo índice de gerente de compras (PMI, em inglês) que deve ser divulgado ainda hoje. E nos Estados Unidos, a segunda leitura do PIB deve movimentar os negócios nesta quinta-feira (26).

E no último dia da semana, os dados de inflação dos EUA, medida pelos preços ao consumidor (PCE, em inglês) também devem agitar os índices pelo mundo. O Banco Central norte-americano já dá fortes sinais de que deve começar a retirada de estímulos da economia (movimento conhecido como tapering) ainda no final deste ano.

Também acontece, ainda esta semana, o Simpósio de Jackson Hole em formato virtual. A reunião conta com os dirigentes de Banco Central de todo o mundo e deve debater temas importantes, como o impacto da pandemia e os estímulos à economia dos países. O evento acontecerá na sexta-feira (27).

Bolsas pelo mundo

Os principais índices asiáticos encerraram o pregão em alta na manhã desta segunda-feira (23). Após as perdas recentes, as bolsas da região foram impulsionadas pelo desempenho positivo de Nova York no final da semana passada. 

De maneira semelhante, as bolsas europeias se recuperam hoje e passam a operar com ganhos. O índice do gerente de compras da Zona do Euro impulsionou os avanços das principais praças da Europa. 

Por fim, os futuros de Nova York avançam, em recuperação após semana de queda. Nas próximas horas, os investidores devem conhecer o índice do gerente de compras dos Estados Unidos. 

Agenda do dia

Segunda-feira (23)

  • Banco Central: Fluxo cambial semanal (8h25)
  • Estados Unidos: Índice de atividade nacional de jlho (9h30)
  • Estados Unidos: PMI composto de agosto (preliminar), PMI industrial e PMI de serviços (10h45)

Terça-feira (24)

  • Alemanha: Segunda leitura do PIB (3h)
  • FGV: IPC-S Capitais (8h)
  • Estados Unidos: Estoques de petróleo (17h30)
  • Banco Central: Presidente do BC, Roberto Campos Neto, participa de evento da Expert XP (18h)

Quarta-feira (25)

  • IBGE: IPCA-15 de agosto (9h)
  • Banco Central: Conta corrente e IDP de julho (9h30)
  • Estados Unidos: Encomenda de bens duráveis de julho (9h30)
  • Tesouro: Relatório da dívida pública federal de julho (sem horário)

Quinta-feira (26)

  • Alemanha: BCE publica a ata de sua última reunião de política monetária (8h30)
  • Estados Unidos: Pedidos de auxílio desemprego (9h30)
  • Estados Unidos: PIB do segundo trimestre (9h30)
  • Estados Unidos: Presidente dos EUA, Joe Biden, recebe na Casa Branca o primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett (sem horário)

Sexta-feira (27)

  • FGV: Sondagem da indústria de agosto (8h)
  • IBGE: índice de preços ao produtor de julho (9h)
  • Estados Unidos: Nota de crédito de julho, renda pessoal e gastos com consumo (PCE) e Núcleo do PCE, a inflação dos EUA (9h30)
  • Estados Unidos: Índice de sentimento do consumidor em agosto (11h)
  • Federal Reserve: BC americano realiza Simpósio de Jackson Hole em formato virtual (sem horário)
  • Caged: Geração de emprego formal de julho (sem horário)
  • Aneel: Bandeira tarifária de setembro (sem horário)

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

ainda não acabou

Controladores da Alliar (AALR3) contratam XP para vender o negócio, diz jornal

Empresa de diagnósticos foi alvo, recentemente, de disputa pelo controle pela Rede D’Or e fundos ligados ao empresário Nelson Tanure

Mais recursos

Democratas aprovam pacote de US$ 3,5 tri no Comitê de Orçamento da Câmara dos EUA

Recursos serão destinados à rede de segurança social e programas relacionados a mudanças climáticas. Obtenção de quase unanimidade para aprovação no Congresso é desafio

Clube do livro

“Era para termos entrado no Primeiro Mundo há 30 anos”, escreve Gustavo Franco em seu novo livro “Lições Amargas”; leia a resenha completa

O ex-presidente do Banco Central tece críticas ao Brasil e sua estagnação prolongada e apresenta uma “história provisória da atualidade”

ESPECIAL DE ANIVERSÁRIO

Onde investir para os próximos 3 anos: 3 indicações para chegar, com consistência, ao primeiro milhão

E não se esqueça: é essencial começar o quanto antes, fazer aportes constantes e diversificar os investimentos

IPO adiado

Bluefit: nem desconto de 20% garante estreia da rede de academias na bolsa

Inicialmente estimado em R$ 600 milhões, IPO da rede de academias de baixo custo agora deverá ter o valor reduzido e envolver apenas investidores institucionais, como fundos e fundações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies