Menu
2021-04-02T08:07:16-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
acusações pesadas

Presidente do conselho do Banco do Brasil deixa cargo fazendo acusações contra Bolsonaro

Em carta de demissão, Hélio Magalhães diz que tomou a decisão diante do descaso do presidente com o banco, outras estatais e seus administradores

2 de abril de 2021
8:07
Agência do Banco do Brasil em São Paulo
Agência do Banco do Brasil em São Paulo - Imagem: Shutterstock

O Banco do Brasil (BBAS3) confirmou na quinta-feira (1º) à noite que o presidente do conselho de administração, Hélio Magalhães, e o conselheiro independente, José Guimarães Monforte, renunciaram aos cargos no colegiado.

Ambos fazem parte de um grupo de conselheiros descontentes com a maneira como o presidente Jair Bolsonaro realizou a troca do comando do banco. Bolsonaro escolheu Fausto Ribeiro para o lugar de André Brandão, com quem teve atritos por conta do programa de reestruturação que estava sendo tocado pelo então presidente do Banco do Brasil, que incluía demissões e fechamento de agências.

Em sua carta de demissão, obtida pelo site "G1", Magalhães disse que tomou a decisão diante “descaso com que o acionista majoritário [governo federal] vem tratando” o Banco do Brasil e “outras importantes estatais de capital aberto e seus principais administradores”.

Desrespeito à governança

Os conselheiros independentes do Banco do Brasil vinham expressando contrariedade à interferência de Bolsonaro desde que começaram a surgir as primeiras informações de que ele queria demitir Brandão.

Na quarta-feira (31), durante reunião extraordinária do conselho de administração, Magalhães e Monforte, junto com Luiz Serafim Spinola Santos e Paulo Roberto Evangelista de Lima consignaram uma manifestação contrária à troca na ata da reunião.

Eles reconheceram a competência do presidente da República em trocar o presidente do banco, mas afirmaram que “existem legislação e interpretações mais avançadas para o tema, cuja aplicação, em não sendo possível no caso concreto, deve, contudo, ser perseguida pelos guardiões das boas práticas de governança corporativa”.

Para eles, o Banco do Brasil é uma instituição bicentenária e não se constrói uma história secular “sem uma governança sólida e muito menos sem a liderança de profissionais experientes, capazes, inovadores, dinâmicos, inspiradores, corajosos e estratégicos”.

Os conselheiros destacaram ainda que a meritocracia é um “valor intrínseco” do banco, refletida nos documentos que tratam da política de indicação e sucessão dos líderes, e que Ribeiro “não percorreu ainda todas as etapas de funções gerenciais” em seus 33 anos de carreira no Banco do Brasil.

Além dos conselheiros

A indicação do novo presidente do Banco do Brasil também foi criticada por membros do Comitê de Pessoas, Remuneração e Elegibilidade (Corem), que aprovou na quarta-feira a indicação de Ribeiro.

Em manifestação em separado de seus votos, os membros do comitê Cibele Castro, Luiz Serafim Spinola Santos e Paulo Roberto Evangelista de Lima alertam que "a atuação deste Comitê, no particular, não deveria ser o de exclusivamente verificar a conformidade do processo, o atendimento aos requisitos legais 'objetivos' e a ausência de vedações, mas também o de apreciar 'requisitos subjetivos'".

* Com informações da Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

ampliação de sortimentos

Lojas Americanas compra Imaginarium e prevê aumentar marcas próprias

Companhia anunciou aquisição do Grupo Uni.co, mas não revelou valores; com negócio, Americanas avança sobre varejo especializado em franquias

FECHAMENTO

Mercado olha desconfiado para Orçamento e Ibovespa acompanha queda do exterior; dólar fica estável

Com a agenda de indicadores esvaziada e a véspera de feriado trazendo uma maior cautela ao cenário, os investidores acabaram optando pela cautela

Prioridade na Casa

Câmara aprova requerimento de urgência sobre projeto de privatização dos Correios

A medida permite que a proposta “fure” a fila de votação de projetos e pode agilizar o processo de desestatização

produção em baixa

Netflix decepciona em novos assinantes, mas nega impacto da concorrência

Papéis da empresa negociados na Nasdaq caíam mais de 10% no after market; pandemia impactou em novas produções, com reflexo no balanço da companhia

Desencontro acadêmico perdoado

Eike Batista é absolvido pela CVM em processo sobre ‘inconsistências’ no currículo

A farsa do fundador do Grupo X, que se apresentava com diferentes credenciais para cada uma das empresas, foi descoberta após sua prisão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies