Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-11T08:31:39-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
Esquenta dos Mercados

Pré-mercado: Vendas no varejo devem avançar pelo terceiro mês seguido e animar a bolsa, mas Brasília deve pesar com teto de gastos e ‘regra de ouro’

E o Ibovespa deve seguir de olho na temporada de balanços, com importantes empresas divulgando seus dados do segundo trimestre após o fechamento de ontem

11 de agosto de 2021
8:08 - atualizado às 8:31
varejo, vendas no, vendas no varejo, varejo, varejo ampliado
Imagem: Shutterstock

O Ibovespa deve seguir sentindo o peso dos debates em Brasília no pregão desta quarta-feira (11). A PEC do voto impresso foi derrotada na madrugada de hoje na Câmara dos Deputados e o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), afirma que o assunto está “encerrado”.

Com a proposta fora do caminho dos debates, o foco deve ficar para a sessão que deve debater a reforma do Imposto de Renda, marcada para hoje, na Câmara. No campo dos indicadores, o IBGE deve divulgar os dados de vendas no varejo de junho.

De acordo com as projeções do Broadcast, o varejo deve caminhar para a terceira alta seguida, com um aumento de 0,70% na mediana das expectativas. Na base interanual, a mediana fica em 9,0%. 

Juntamente com esses dados, as atenções estão voltadas para os balanços da semana. Após o fechamento de ontem (10), Marfrig, BR Distribuidora entre outras empresas divulgaram os dados do segundo trimestre

Confira o que mais deve ser destaque no pregão de hoje:

Teto de gastos e regra de ouro

Os debates envolvendo a PEC dos Precatórios, apresentada no fim da manhã da última terça-feira (10), devem seguir movimentando a bolsa brasileira. Os investidores estão de olho no respeito (ou não) ao teto de gastos, medida que limita o aumento de gastos do governo à inflação. 

Também deve seguir no radar outra medida que coloca as contas públicas em xeque: a mudança da “regra de ouro”. Essa regra impede que o governo tome dívidas para bancar despesas correntes, como salários de servidores e benefícios sociais. De acordo com a equipe econômica, a mudança tem como objetivo “gerar mais agilidade na disponibilização de recursos para o financiamento de políticas públicas, contribuindo para a melhor gestão de gastos”.

Os investidores devem ficar de olho também nos debates envolvendo a reforma do Imposto de Renda, marcada para a tarde desta quarta-feira na Câmara dos Deputados. O ministro da Economia, Paulo Guedes, enfrenta resistência do setor empresarial devido a proposta de redução da alíquota do IR de 25% para 12,5%, que seria compensada por um aumento da taxação sobre lucros e dividendos de 20%. 

Ajuda de US$ 1 trilhão

Na tarde de ontem (10), o Senado norte-americano aprovou o pacote de estímulos à infraestrutura de US$ 1 trilhão do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. O projeto ainda deve passar pela Câmara dos Representantes, mas a aprovação por parte dos partidos Republicano e Democrata é um marco positivo para a proposta.

E, pelo tamanho do pacote, os efeitos devem ser refletidos em todo o mundo. A Câmara deve manter os US$ 1 trilhão do pacote, o que pode influenciar diretamente na alta dos preços e dos juros.

Por falar em preços, hoje deve ser divulgado o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos. A expectativa é de que os preços avancem 0,4% em julho e 4,3% na comparação anual, de acordo com as projeções do Broadcast.

A perspectiva de aprovação de um recheado pacote de auxílio voltado à infraestrutura também fez os títulos do Tesouro norte-americano dispararem na manhã de hoje. Os Treasuries de longo prazo (10, 20 e 30 anos) passam por uma valorização de até 2% por volta das 7h30. 

Bolsas pelo mundo

Os principais índices asiáticos encerraram o pregão desta quarta-feira sem direção única. O destaque especial vai para o setor de bebidas alcoólicas da China, que recuou após críticas de um fiscal à “cultura da bebida” no país. Depois das ameaças ao setor de tecnologia, os investidores se mantêm atentos a qualquer nova possibilidade de regulamentação por parte do Gigante Asiático. 

Já as bolsas da Europa operam em alta após dados locais da Alemanha injetarem ânimo nos negócios. A inflação alemã veio em linha com o esperado pelo mercado e se sobrepôs ao medo do avanço da variante delta, que segue no radar. 

Por fim, os futuros de Nova York operam sem direção definida, de olho no pacote de infraestrutura de Joe Biden e à espera dos índices de inflação ao consumidor (CPI, em inglês), dos Estados Unidos. 

Agenda do dia

  • IBGE: Vendas no varejo de junho (9h)
  • Estados Unidos: CPI e Núcleo do CPI (preços ao consumidor, em inglês) de julho (9h30)
  • Câmara faz sessão para votar a reforma do Imposto de Renda

Balanços do dia

  • B3 (após o fechamento)
  • Eletrobras (após o fechamento)
  • Equatorial Energia (após o fechamento) 
  • Hapvida (após o fechamento)
  • Inter (após o fechamento)
  • JBS (após o fechamento)
  • Locaweb (após o fechamento)
  • MRV Engenharia (após o fechamento)
  • Suzano (após o fechamento)
  • Ultrapar (após o fechamento)
  • Via (após o fechamento)
  • Yduqs (após o fechamento)

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

DESTAQUE DO DIA

Minério de ferro despenca mais 8% e siderúrgicas e Vale acompanham queda

A redução da produção de aço vem trazendo seguidas perdas para o minério de ferro.

O que mexe com o preço do bitcoin (BTC) hoje: falas de Ray Dalio e da gestora que previu alta das ações da Tesla movimentam o dia

Otimismo com bitcoin a US$ 500 mil e preocupação com a regulamentação: quem vencerá o cabo de guerra das criptomoedas

Parceria digital

Assaí (ASAI3) faz parceria com Cornershop, aplicativo de compras online

A plataforma foi criada para que consumidores comprem produtos de supermercados locais com entregas rápidas ou programadas

Exile on Wall Street

O que faz as empresas falharem? Conheça as cinco “assassinas silenciosas” que podem impactar nos seus investimentos

O verdadeiro início da derrocada de uma empresa não pode ser devidamente noticiado pelas finanças ou pelas operações, mas somente dentro do núcleo de cultura corporativa

CAPTAÇÕES BILIONÁRIAS

Localiza, Unidas e Movida vão a mercado em busca de R$ 5 bilhões com emissões de debêntures

Locadoras de veículos se recuperaram rapidamente da crise da covid-19 e buscam recompor o caixa em meio à escassez de componentes no setor automotivo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies