Menu
2021-05-31T15:45:04-03:00
Estadão Conteúdo
Privatizações à vista

Guedes diz esperar leilões bastante concorridos para Correios e Eletrobras

Durante Fórum de Investimentos, ministro também defendeu a vacinação em massa para que pessoas possam voltar a trabalhar com segurança

31 de maio de 2021
14:46 - atualizado às 15:45
Eletrobras
Imagem: Shutterstock

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse esperar "leilões bastante concorridos" para a privatização dos Correios e Eletrobras.

A declaração foi dada durante o Fórum de Investimentos Brasil 2021 (BIF), um evento internacional sobre atração de investimentos estrangeiros para o Brasil - organizado pela Apex-Brasil, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e governo federal.

Guedes afirmou que o programa de privatização brasileiro foi retomado. "Antes, vendiam subsidiárias, agora, estamos vendendo Correios e Eletrobras. Esperamos sucesso garantido com privatizações de Correios e Eletrobras, como ocorreu na Vale", comentou.

E acrescentou: "Com privatizações, vamos disparar imediatamente investimentos em áreas sociais críticas, como saneamento."

Defendeu vacinação em massa

Guedes voltou a defender a imunização em massa como a principal estratégia para a retomada da atividade no Brasil. "A vacinação em massa é principal política econômica que podemos fazer agora. E de Saúde também", afirmou.

O ministro defendeu a vacinação da população como forma de retomar a volta segura ao mercado de trabalho. Um pouco antes, no mesmo evento, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, previu que até o fim do ano toda a população brasileira estará imunizada.

Guedes lembrou que o governo e o mercado estão revendo as projeções de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 2021.

"A economia brasileira está de novo em uma rota surpreendente. Está dando indicações de que pode crescer bem acima dos 3,4% este ano. As revisões do mercado para crescimento estão acima de 4% e há quem preveja 5%".

Afinando a qualidade

Somando-se às ações do governo para implementar a privatização dos Correios, o Ministério das Comunicações definiu índices de qualidade que a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) deverá observar na prestação de serviços básicos.

A portaria está publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira, 31.

O ato estabelece as diretrizes para a universalização dos serviços de atendimento e de distribuição postais, os prazos de entrega para os objetos integrantes dos serviços postais básicos - como carta, encomenda não urgente e telegrama - e os respectivos índices de qualidade que os Correios deverão cumprir.

Dentre outras determinações, o ato diz que a ECT deverá assegurar que toda localidade, em nível de município, esteja contemplada com, no mínimo, um canal de atendimento até 31 de dezembro de 2021.

Acordos liberados

Pelo texto, os Correios poderão fazer parcerias com órgãos e entidades públicos e privados, visando, dentre outros objetivos, à realização do atendimento, além disso a empresa deverá manter a população local devidamente informada sobre as reais condições de atendimento.

A estatal também "deverá realizar avaliação anual do desempenho dos canais de atendimento, estratificado por tipo de canal, de modo a aferir a contribuição efetiva desses canais para a universalização dos serviços de atendimento postal básicos, e apresentar relatório dos respectivos resultados ao MCOM (Ministério das Comunicações) até 31 de março de cada ano".

A privatização dos Correios ainda depende da aprovação de projeto de lei de autoria do Executivo que permite à iniciativa privada prestar serviços que hoje apenas os Correios podem operar.

Ainda em abril, quando também a estatal entrou para o PND, o projeto de lei teve regime de urgência aprovado pelo plenário da Câmara, o que permite acelerar a análise do texto, mas ainda não há definição sobre a data de votação do mérito do projeto.

O BNDES, que é responsável pela estruturação do processo, já afirmou que a meta é publicar o edital para a privatização dos Correios até o fim deste ano, para levar a estatal a leilão em janeiro ou fevereiro de 2022.

No entanto, estudos finais sobre a operação também dependem da aprovação do projeto. Até setembro, a previsão do governo é definir um valor mínimo para a venda da estatal.

As disposições da portaria publicada nesta segunda-feira entram em vigor nesta terça-feira, 1º de junho.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Maquininhas internacionais

De malas prontas: presidente da Getnet revela planos para o início das operações na Europa em 2022

A empresa se tornou peça-chave nos planos do espanhol Santander de criar uma plataforma global de pagamentos

Renda variável

Na batalha das corretoras, Rico vai zerar taxa em operações com opções

A medida busca tornar a corretora mais competitiva e reforçar a atuação do grupo no ramo da renda variável

Concursos públicos

De olho nos concurseiros, Yduqs anuncia aquisição da plataforma de EaD Qconcursos

Plataforma de cursos preparatórios para concursos públicos tem 412 mil alunos pagantes e mira mercado potencial de 17 milhões de pessoas; valor da operação não foi divulgado

Mostrando as garras

Dirigente do Fed fala em alta de juros em 2022 e admite postura mais agressiva contra inflação

Em entrevista à CNBC, Bullard disse que o Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) adotou uma posição mais dura no encontro deste mês

Entrando no pet shop

O plano da BRF: colocar comida na sua mesa e ração no potinho do seu pet

A BRF comprou o grupo Hercosul, produtor e distribuidor de ração para cães e gatos, entrando no mercado pet. Entenda o racional da operação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies