2022-07-07T17:21:21-03:00
Lucia Camargo Nunes
QUAL OPÇÃO ESCOLHER?

Carro a combustão ou eletrificado: confira qual vale mais a pena para o seu bolso

Comparamos versões híbridas e elétricas de seus similares a gasolina, flex ou diesel. Os resultados podem te surpreender

9 de julho de 2022
9:30 - atualizado às 17:21
Toyota Corolla Carro Veículo Automotivo
Toyota Corolla Cross flex (branco) e híbrido (vermelho): vendas em alta, com ótima aceitação ao eletrificado, que se diferencia pelo logo da marca em azul - Imagem: Divulgação

Um recente anúncio de uma montadora brasileira mostra que o carro eletrificado é um caminho sem volta.

Após fechar a fábrica em Jacareí (SP) para reformas e adaptar a planta para receber linhas de híbridos e elétricos a partir de 2025, a Caoa Chery, que também produz veículos em Anápolis (GO), anunciou que todo o line-up de veículos seria eletrificado.

Ou seja, a linha de carros passa a ter opções térmicas (flex ou gasolina) e eletrificadas (híbridos leves, híbridos plug-in e elétricos).

Enquanto algumas montadoras e importadoras preferem lançar elétricos e híbridos em doses homeopáticas, adicionando aos poucos as novidades (Toyota, Nissan e Renault, por exemplo), há outras eletrificando todos os veículos — caso de JAC, Volvo e Lexus, que não vendem mais no Brasil modelos apenas a gasolina.

A estratégia da Caoa Chery é justamente não dar um passo inalcançável. Ao oferecer opções eletrificadas e flex ou só a gasolina, a montadora consegue avaliar essa demanda e atender melhor os consumidores.

Pequena diferença de preço coloca o híbrido, mesmo sendo leve, em vantagem - Imagem: Divulgação

Versões de elétrico e híbrido junto com o térmico

Dentro dos portfólios, as marcas também decidem se trazem um carro exclusivamente elétrico ou híbrido, ou se estendem a oferta como uma nova versão àquela linha já existente.

Vamos citar o caso da Toyota: um RAV-4 só existe na versão híbrida enquanto o Corolla Cross pode ser adquirido com motor flex ou híbrido flex. Ou ainda no caso da Peugeot, com o e-208 que se soma às demais versões térmicas do hatch.

Outros nascem puramente elétricos, como o novo BMW ix e o Porsche Taycan.

Nesta reportagem, vamos comparar os carros que possuem versões a combustão com similares eletrificados e colocar na ponta do lápis o preço, o consumo e a autonomia.

No caso dos veículos flex, considerarmos o consumo quando abastecidos com gasolina, já que com o combustível fóssil os números são mais favoráveis.

Para ficarem mais equilibradas, as comparações são feitas com os modelos mais próximos em potência e torque — por exemplo, no caso do Peugeot 208, foi escolhida a versão 1.6 e não a 1.0. Confira a seguir:

Modelos elétricos x versões similares térmicas


Modelo

Propulsão

Autonomia

Consumo
(cidade/estrada)

Potência/
torque

Preço
mínimo
*
Renault Kwid
E-Tech
elétrico298 km--  65 cv / 11,5 kgfmR$ 146.990
Renault Kwidflex589 km15,5 km/l68 cv /
9,4 kgfm
R$ 64.690
Peugeot 208 e-GTelétrico340 km--136 cv / 26,5 kgfmR$ 276.990
Peugeot 208 flex564 km12 km/l120 cv / 15,7 kgfmR$ 94.990
Mini Cooper
S E 3P (BEV) Exclusive
elétrico234 km--184 cv / 27,5  kgfmR$ 248.590
Mini Cooper S 3P Exclusivegasolina453 km11,7 km/l192 cv /  28,5 kgfmR$ 228.290
Citroën e-Jumpyelétrico330 km--136 cv / 26,5 kgfmR$ 329.990
Citroën Jumpyturbodiesel704 km10,2 km/l120 cv/
30 kgfm
R$ 161.990
Peugeot e-Expert elétrico330 km--136 cv / 26,5 kgfmR$ 329.990
Peugeot Expertturbodiesel704 km10,2 km/l120 cv/
30 kgfm
R$ 161.990
Fiat e-Scudoelétrico330 km--136 cv / 26,5 kgfmR$ 329.990
Fiat Scudoturbodiesel800 km12,4 km/l120 cv/
30 kgfm
R$ 187.490
Fonte: Montadoras
*Os preços, sujeitos a alteração, são baseados em Brasília e podem variar conforme o ICMS de cada estado

Elétrico ou térmico, qual carro vale mais a pena?

Os carros puramente elétricos tendem a ser mais caros que os similares a gasolina, flex ou diesel, mas é preciso fazer contas.

Primeiramente, se considerar que as recargas são — ainda — gratuitas em wallbox (unidade de carregamento) de eletropostos públicos, o que ocorre na grande maioria, o custo será nulo.

Se o dono do carro abastecer em casa, o custo com a energia chega a ser 25% do que se gasta com gasolina. Se tiver placas de energia solar em casa, o custo de recarga será de 7% em relação à gasolina.

Outra vantagem econômica do carro elétrico é a manutenção: sem filtros, lubricantes, velas, cabos, sistema de escape e tantos outros, as revisões são muito mais em conta. Afinal, de uma média de 2.400 peças de um modelo a combustão, o elétrico é reduzido a 250.

Por ser mais eficiente e aproveitar melhor a energia, o carro 100% elétrico também sofre menos desgastes.

Na comparação de um Peugeot 208, por exemplo, após rodar 60 mil quilômetros, seu dono terá desembolsado cerca R$ 5 mil em revisão. Já a do similar elétrico custará R$ 2.100.

Se for considerar apenas o bolso, devido ao alto custo do elétrico, ainda vale mais a pena levar os modelos térmicos de Peugeot 208 e Renault Kwid e as versões comerciais dos furgões de Peugeot, Citroën e Fiat.

Mas é curioso ver o caso do Mini Cooper: por uma diferença de R$ 20 mil já é possível pensar em todos os benefícios de um carro elétrico na garagem.

Híbridos x versões similares térmicas


Modelo

Motor

Autonomia

Consumo
(cidade/estrada)

Potência combinada/
torque

Preço
mínimo
*
BMW 330e M SportHíbrido plug-in e gasolina952 km (cidade) e 1.072 (estrada)25,3 km/l292 cv / 42,8 kgfm
R$ 379.950
BMW 320i GPflex 708 km12 km/l 184 cv /
30,5 kgfm
R$ 300.950
BMW X3 xDrive30e X Linehíbrido plug-in e gasolina 1.517 km30,3 km/l292 cv / 42,8 kgfmR$ 399.950
BMW X3 M40igasolina559 km8,6 km/l387 cv /  50,9 kgfmR$ 589.950
Mini Cooper S E Countryman ALL4 (PHEV) Exclusivehíbrido plug-in e gasolina57 km (só elétrico)
490 km (combinado)

23,6 km/l
224 cv /  39,3 kgfmR$ 272.990
Mini JCW Countryman ALL4gasolina532 km10,4 km/l192 cv /  28,6 kgfmR$ 347.290
Jeep Compass 4xehíbrido gasolina44 km (só elétrico)
927 km (combinado)

25,4 km/l
240 cv /   27,5 kgfmR$ 349.990
Jeep Compass
TD 350
turbodiesel711 km11,8 km/l170 cv /  35,7 kgfmR$ 220.490
Toyota Corolla Hybrid híbrido flex662 km13,1 km/l122 cv / 16,6 kgfmR$ 187.090
Toyota Corolla Altis flex637 km12,7 km/l177 cv / 21,4 kgfmR$ 175.390
Toyota Corolla Cross Hybrid XRVhíbrido flex556 km15,4 km/l122 cv / 16,6 kgfmR$ 196.290
Toyota Corolla Cross XREflex571 km12,1 km/l177 cv / 21,4 kgfmR$ 171.290
Caoa Chery Tiggo 5X Pro 1.5T flex Hybrid
híbrido leve flex

816 km

16,2 km/l

160 cv / 25,5 kgfm

R$ 169.990
Caoa Chery Tiggo 5x Proflex546 km10,7 km/l150 cv / 21,4 kgfmR$ 154.490
Caoa Chery Tiggo 7 Pro 1.5T flex Hybridhíbrido leve flex
800 km

15,7 km/l
160 cv / 25,5 kgfm
R$ 199.990
Caoa Chery Tiggo 7 Progasolina551 km10,8 km/l187 cv/ 28 kgfmR$ 193.790
Caoa Chery Tiggo 8 Pro 1.5T Hybrid Plug-inhíbrido  plug-in gasolina77 km (só elétrico)/
810 km (combinado)

42,7 km/l

317 cv / 56,6 kgfm

R$ 269.990
Caoa Chery Tiggo 8gasolina563 km11 km/l187 cv /
28 kgfm
R$ 210.990
Fonte: Montadoras
*Os preços, sujeitos a alteração, são baseados em Brasília e podem variar conforme o ICMS de cada estado

Híbrido ou a combustão, qual carro vale mais a pena?

Os exemplos de carros híbridos são mais numerosos no mercado brasileiro e não é à toa. Primeiramente porque no Brasil, o custo de importação eleva bastante o valor dos elétricos, já que todos eles vêm de fora — nenhum tem produção nacional.

Há também uma explicação “cultural” à maior oferta de híbridos. Além do preço mais acessível em relação aos elétricos, a falta de estrutura em eletrocarga preocupa pessoas interessadas em gastar menos com combustível e evitar a poluição.

Por isso, para muitos brasileiros, faz mais sentido comprar um híbrido, que tem preço mais acessível e melhor consumo e esperar mais alguns anos (e mais confiança) para ter um 100% elétrico.

Hoje, a tecnologia híbrida oferecida por aqui tem três formatos: híbrido leve, híbrido e híbrido plug-in. Vamos explicar cada um.

Versões híbrida e gasolina do Mini Countryman: raro caso que a eletrificada custa bem menos - Imagem: Divulgação

Híbrido leve estende a autonomia do carro

O híbrido leve é chamado também de extensor de autonomia. Ele funciona assim: um gerador/motor BSG substitui o alternador e o sistema recupera a energia cinética gerada nas frenagens. Essa energia é armazenada em uma bateria 48V e utilizada para auxiliar e aumentar o torque e a potência vindos do motor a combustão quando solicitados.

Na prática, o carro tem um ganho por volta de 15% no consumo.

Os novos Caoa Chery Tiggo 5x e Tiggo 7 são exemplos de modelos que usam essa tecnologia. Por isso, os ganhos de potência e torque não são tão elevados, embora haja uma expressiva economia de combustível. As diferenças de preço desses modelos podem compensar o menor consumo.

Já o sistema da Toyota mais evoluído é o híbrido, que possui um propulsor elétrico que trabalha em conjunto com o motor a combustão.

Nesse tipo, não há recarga na tomada nem o motorista decide qual sistema opera, já que ele é automático. A bateria é recarregada pela energia na regeneração das frenagens.

Os motores da Toyota são distintos: enquanto o híbrido utiliza a opção flex 1.8, a outra versão utiliza um flex 2.0 bem mais potente.

No caso do Corolla sedã, a diferença de preço do híbrido (R$ 12 mil) pode valer a pena se o motorista rodar mais na cidade (onde ele é mais econômico) e não fizer questão de mais potência.

Nessas mesmas condições, o SUV Corolla Cross híbrido custa R$ 25 mil a mais.

Veja também: Do salário mínimo ao milhão? O passo a passo para conquistar a liberdade financeira

A evolução da espécie

Os híbridos plug-in são mais evoluídos ainda que o híbrido leve e o híbrido convencional porque as baterias lhe dão mais alcance.

No geral, esses veículos utilizam dois motores elétricos para tracionar e permitem que o motorista escolha se roda apenas no elétrico ou na gasolina (ainda não temos um híbrido plug-in flex). No modo elétrico, é possível atingir autonomia de até 80 quilômetros, conforme o modelo.

Embora também tenham sistema de regeneração, as baterias requerem carga pela tomada. Mas o motorista não fica na “mão”. Se a carga zerar, o motor a gasolina o leva até onde for preciso ou, pelo menos, será mais fácil e rápido reabastecê-lo.

Se antes as opções plug-in no mercado brasileiro eram restritas a Volvo, Porsche e BMW, hoje passamos a ter mais alternativas acessíveis, como o Jeep Compass e o Caoa Chery Tiggo 8.

No caso do Jeep, é mais vantajoso apostar no híbrido aquele motorista que roda bastante e quer compensar no consumo. São R$ 130 mil que separam a versão híbrida que faz média de 25 quilômetros por litro (km/l) de gasolina em relação à turbodiesel, mais acessível e que faz quase 12 km/l.

A diferença é bem menor no Tiggo 8: por R$ 59 mil a mais, o híbrido promete média acima de 40 km/l e muito mais potência e torque — o SUV vem equipado com motor 1.5 a gasolina que opera com outros dois elétricos.

No consumo combinado, a Caoa Chery promete autonomia de 810 km antes de reabastecê-lo com gasolina ou eletricidade.

Exceções de carros híbridos mais baratos que similares a gasolina

Neste comparativo, chamam a atenção dois exemplos de carros que são mais baratos nas versões híbridas do que nas movidas a gasolina.

Embora mais potente, o BMW X3 M40 i “beberrão” custa R$ 190 mil a mais que o modelo híbrido plug-in mais próximo, o X3 xDrive30e X-Line.

Além disso, o eletrificado chega a oferecer três vezes mais autonomia em relação ao modelo somente a gasolina. O interessado pode ficar naquele dilema entre emoção e razão.

Outro exemplo é o Mini Cooper Countryman. A versão híbrida é mais potente, mais econômica e mais barata: R$ 273 mil. O similar a gasolina custa R$ 347.290 e bebe o dobro. Neste caso, não há dúvidas que levar o híbrido é o melhor negócio.   

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de lucro acima de 9% em swing trade com a Helbor (HBOR3); confira a recomendação

9 de agosto de 2022 - 8:26

Identifiquei uma oportunidade de swing trade – compra dos papéis da Helbor (HBOR3). Saiba mais detalhes

O melhor do Seu Dinheiro

Os sons do silêncio nas bolsas: Saiba como interpretar os ruídos dos mercados que mexem com os seus investimentos hoje

9 de agosto de 2022 - 8:24

De olhos e ouvidos atentos aos dados da inflação, investidores os juntarão ao quebra-cabeças da ata da última reunião do Copom

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Todos os olhos e ouvidos do Ibovespa voltados para a inflação de hoje enquanto as bolsas internacionais aguardam os dados dos EUA

9 de agosto de 2022 - 7:43

Os índices internacionais aguardam os números de inflação dos EUA, que só devem ser conhecidos na quarta-feira

Balanço

BTG Pactual (BPAC11) tem lucro de R$ 2,175 bilhões no 2T22 e renova recorde

9 de agosto de 2022 - 7:26

Lucro líquido recorrente de R$ 2,175 bilhões do BTG no segundo trimestre representa um avanço de 26,5% em relação ao mesmo período de 2021

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Um mundo tomado pela inflação: entenda ao que é preciso prestar atenção para saber se os preços vão finalmente parar de subir

9 de agosto de 2022 - 6:10

O processo de normalização dos preços será fundamental para que consigamos ter maior previsibilidade quanto ao futuro dos ativos de risco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies