Menu
2021-05-29T17:43:38-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Governo enfraquecido?

Atos contra o governo marcam o dia das principais cidades do país

Entre as demandas dos manifestantes estão a saída de Jair Bolsonaro, vacinação em massa e o aumento do valor do auxílio emergencial destinado às famílias mais pobres.

29 de maio de 2021
14:19 - atualizado às 17:43
BRASÍLIA – MANIFESTAÇÃO CONTRA O GOVERNO
Protesto contra o governo Bolsonaro na Esplanada do Ministério na cidade de Brasília, neste sábado (29). - Imagem: RICARDO JAYME/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO

Com o Brasil próximo de cruzar a marca dos 460 mil mortos pela covid-19 e longe de controlar a pandemia, movimentos de oposição se articulam neste sábado (29) e organizam manifestações em diversas cidades do país. Segundo a Frente Brasil sem Medo, mais de 170 cidades devem registrar alguma mobilização. Todas as capitais participaram.

Os atos são uma resposta contra as aglomerações promovidas por apoiadores do presidente nas últimas semanas e cobram não só a saída de Bolsonaro e abertura de um processo de impeachment como também políticas de vacinação em massa e o aumento do valor do auxílio emergencial destinado às famílias mais pobres.

Organizadas principalmente por centrais sindicais e movimentos sociais, a expectativa é que pelo menos 200 cidades registrem atos contra o governo de Jair Bolsonaro. Brasília, Belo Horizonte, Recife, Palmas, Porto Velho, Salvados, São Luís, João Pessoa, Aracaju, Teresina, Campo Grande, Goiânia e Florianópolis são algumas das capitais que já se registraram manifestações.

Na convocação, que ocorreu principalmente nas redes sociais, a instrução era para que os participantes utilizassem máscaras que garantam uma alta proteção (pff2/n95) e álcool em gel e tentem manter um distânciamento mínimo. Mesmo entre a oposição, os atos não foram uma unanimidade, dado a situação sanitária que o país se encontra.

Em São Paulo, o ato tever início às 16h, na Avenida Paulista, e, segundo os organizadores, reuniu pelo menos 40 mil pessoas. No Rio de Janeiro, o ato aconteceu pela manhã e circulou pelo centro da cidade.

Nas redes sociais, é possível encontrar imagem de confronto entre manifestantes e a polícia em Recife. O ato ocorreu na parte da manhã e a reação da polícia aconteceu durante a dispersão, mesmo que o protesto tenha se mantido pacífico durante todo o trajeto.

*Conteúdo em atualização

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

levantamento

Estatais descumprem critérios do marco do saneamento

GO Associados calculou que as companhias públicas do Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Maranhão, Amazonas, Pará, Piauí, Roraima, Rondônia e Amapá não atendem a todos os critérios da “etapa 1” do decreto – que prevê o cumprimento de índices mínimos dos indicadores econômicos-financeiros

questionamentos em brasília

Novo marco de saneamento é alvo de ofensiva no Supremo e no Congresso

No Supremo, mais de 20 empresas estatais que prestam hoje serviços no setor querem a volta da possibilidade de fechar os chamados “contratos de programa”, diretamente com as Prefeituras e sem licitação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies