Menu
Matheus Spiess
Insights Assimétricos
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
2021-01-26T07:45:46-03:00
Insights Assimétricos

Alocação entre classes: o jeito certo de ganhar dinheiro

Saber em que tipo de ativo você deve estar, como ações, renda fixa ou fundos imobiliários, é mais importante do que ter um ação ou um título de crédito específico

26 de janeiro de 2021
5:59 - atualizado às 7:45
Diversificação ativos mercados moedas
Imagem: Shutterstock

O ano de 2021 começou bem, apesar dos indicadores terem entrado recentemente em uma parcial congestão dos mercados globais logo após a posse de Biden. Aqui no Brasil, especificamente, devido aos nossos riscos fiscais, os ativos de risco ficaram ainda mais pressionados.

Contudo, há motivos para otimismo.

Em primeiro lugar, temos a perspectiva de alcançarmos a imunidade coletiva derivada das campanhas de imunização já em meados de 2021 nos países que vacinarem mais rapidamente suas populações. Isso, inclusive, está levando os investidores a olhar além do vale para a normalização econômica.

É certo que o Produto Interno Bruto (PIB) ainda estará pressionado no curto prazo — São Paulo, por exemplo, acabou de decretar novas quarentenas —, mas o efeito é relativamente mais modesto frente ao início de 2020, pois os setores afetados já estão praticamente paralisados. Por definição, quando um setor está quase parado, sua contribuição negativa potencial para o PIB também é próxima de zero.

Ao mesmo tempo, os governos e os bancos centrais observam tal movimento como uma oportunidade para estender suas medidas de apoio (estímulos fiscais e monetários). Nesse sentido, deveríamos agora esperar que a inflação se manifestasse.

Para ilustrar o motivo disso, note abaixo a poupança dos EUA. Assim que a economia se reativar, essa demanda represada vai desaguar pela economia, ao passo em que a economia retoma a normalidade.

Fonte(s): Bloomberg e Julius Baer

Em outras palavras, uma segunda consequência das novas medidas para restringir a mobilidade e impor o distanciamento físico é que as famílias aumentarão ainda mais suas poupanças involuntárias, uma vez que não podem gastar sua renda da maneira que normalmente fariam.

Com isso, o ambiente é favorável para ativos de risco, pelo menos até que a plena recuperação econômica seja definitivamente assegurada — investidores querem mesmo é saber qual é a proporção adequada desse risco. 

Você sabia que mais de 80% dos retornos de seu portfólio vem da alocação entre classes de ativos?

Isso mesmo.

Se você estiver bem posicionado nas diferentes classes possíveis de se investir, já tem mais de meio caminho andado para ter um portfólio saudável.

Mas o que quero dizer com isso?

Basicamente, saber em que tipo de ativo você deve estar, como ações, renda fixa ou fundos imobiliários, é mais importante do que ter uma ação ou um título de crédito específico. 

Quando diversificamos entre diferentes classes de ativos, nós reduzimos nosso risco relativo do portfólio, aumentando potencialmente o retorno da carteira em questão. É o tão chamado de benefício da diversificação — se uma classe vai mal, outra vai bem.

Se é verdade que diversificação é positiva para classes de ativos, também o é para o interior da classe em si. Por exemplo, quando investimos na categoria de ações, não podemos investir em uma só companhia. Negativo. Temos que separar nosso tão suado dinheiro em diferentes companhias, setores e países de atuação.

Com isso, conseguimos prover mais estabilidade para a carteira, de modo a aprimorar o que chamamos de relação risco-retorno do portfólio. Claro, com cada posicionamento entre classes, podemos ter alvos menos e mais arrojados, tudo depende de seu perfil de investidor.

Se você for mais tolerante a risco e já tiver um pouco mais de conhecimento e experiência, poderia tentar uma alocação mais arrojada. Já se você for mais conservador em relação aos riscos de mercados, poderia explorar um tipo de carteira menos sofisticada.

Não tem certo e errado, na resposta, tudo depende de como você se sentir confortável e de como seu portfólio for organizado — é necessário diligência quando montamos as classes de ativos e as posições específicas. 

Abaixo, vemos diferentes portfólios para diferentes perfis, do risco baixo (à esquerda) ao elevado (à esquerda). Notamos que quanto maior o risco esperado da carteira, maior também será a perspectiva de retorno. 

Fonte(s): Julius Baer

Outro fator determinante, é seu horizonte temporal e seu momento de vida. Diferentes janelas de tempo demandam diferentes portfólios indicados, assim como diferentes idades e níveis de renda demandam modelos alternativos a serem seguidos também.

Vale dizer que as estratégias mais consistentes reagem melhor em horizontes mais dilatados de tempo. Investimento é um projeto de muitos anos — Warren Buffett não é um senhor de idade por coincidência.

Fonte(s): Dadaviz

Há um efeito riqueza positivo graças à recuperação dos ativos financeiros. Como resultado, o consumo de serviços deve passar por um “mini boom” quando a Covid-19 for finalmente refreada, ou seja, a partir do segundo ou, mais provavelmente, do terceiro trimestre.

O contexto é positivo para se carregar um pouco mais de risco, responsavelmente, nas carteiras — nunca ter apenas risco e sempre ter proteções paralelamente (clássicas e sofisticadas).

Tudo isso, claro, feito sob o devido dimensionamento das posições, conforme seu perfil de risco, e a devida diversificação de carteira, com as respectivas proteções associadas.

Acredito que uma das pessoas que mais entende sobre a locação atualmente para a carteira do investidor de varejo brasileiro esteja na Empiricus. Trata-se de Felipe Miranda, estrategista-chefe e sócio fundador da maior casa de análise independente do Brasil.

Em sua série best seller Palavra do Estrategista, Felipe apresenta suas melhores ideias de alocação e para ativos específicos também. Quem quiser se posicionar positivamente no ano que se inicia, ainda dá tempo, basta ler o que o Felipe tem a dizer.

Leia também:

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Calendário completo

Banco Central: veja as datas das reuniões do Copom em 2022

O Copom é o órgão do BC responsável por definir, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies