Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-02-06T17:07:34-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
fechamento do dia

Ibovespa contraria expectativas iniciais e cai após fala de Bolsonaro; dólar vai a R$ 5,44

Medo de ingerência política na Petrobras pesa, após fala de Bolsonaro, enquanto bolsa americana reage positivamente aos sinais de que a economia está mais forte do que o esperado

4 de fevereiro de 2021
19:33 - atualizado às 17:07
Ibovespa mercados em queda
Imagem: Shutterstock

Como todo bom filme, o pregão desta quinta-feira (04) contou com plot twists e uma boa dose de expectativas subvertidas. 

As bolsas internacionais também seguiram esse ritmo. Enquanto no Brasil o mercado esperava um pregão que desse sequência nas altas dos últimos três dias, lá fora o fôlego parecia mais limitado. No entanto, depois de algumas horas e uma breve declaração do presidente Jair Bolsonaro, que ressuscitou fantasmas nem tão antigos assim, as expectativas se inverteram e os investidores ganharam um pregão muito mais volátil do que conseguiriam imaginar. 

#Empolgou

Antes do presidente Jair Bolsonaro dar um empurrãozinho (para baixo) no Ibovespa, os investidores estavam em clima de festa. Ontem, Lira e Pacheco reafirmaram um compromisso com o teto fiscal e com as reformas. O governo federal também se movimentou, enviando ao Legislativo uma lista de projetos prioritários da agenda, que, dentre outras pautas, conta com a MP que propõe a privatização da Eletrobras.

Não só as eleições legislativas e a movimentação da equipe econômica em Brasília, com a sua lista de 35 prioridades para 2021, continuavam sendo um fator positivo que trouxe um sorriso de orelha a orelha para os agentes financeiros, mas também tivemos novidades positivas sobre empresas muito relevantes para o desempenho do Ibovespa.

Logo cedo só se falava em Vale — empresa que representa 11,6% do Ibovespa — e Bradesco — cujas ações ordinárias e preferenciais possuem um peso de 6,09%. E se falava bem. 

Na noite de quarta-feira, o Bradesco divulgou os seus números. O bancão apresentou o seu melhor trimestre histórico, embora tenha apresentado um recuo de 24,8% no lucro na base anual. 

Já a Vale teve duas razões para celebrar. Mesmo com a queda de 0,5% na produção de minério de ferro em 2020, a mineradora espera atingir a sua meta em 2022. Hoje pela manhã, a companhia anunciou um  acordo definitivo entre a companhia e o governo de Minas Gerais sobre Brumadinho. Segundo a Vale, o acordo levará a uma despesa adicional de R$ 19,8 bilhões no exercício de 2020.

Os investidores também olharam com bons olhos para o fato de o governo federal finalmente ter acordado e estar correndo atrás de adquirir vacinas para imunizar a população contra a covid-19.

O governo brasileiro negocia 30 milhões de doses da vacina Sputnik V, fabricada pela Rússia, e conversa também com a Índia, outro país que desenvolveu o seu próprio imunizante. Para facilitar a aquisição das doses, a Anvisa simplificou o processo para conceder o aval de utilização, derrubando a obrigatoriedade da existência de testes de fase três no país. Se a negociação caminhar, o imunizante deve estar disponível já em fevereiro.

Mas nem mesmo essa cesta de gatilhos positivos foram suficientes para sustentar a festa na Faria Lima. 

Enquanto o Bradesco celebrava, Itaú e Santander, que divulgaram os seus números no começo do semana, ainda repercutiam de forma negativa os resultados. Representando quase 7% do Ibovespa, o setor ajudou a puxar para baixo o desempenho da bolsa. 

No caso da Vale, a notícia do acordo já vinha sendo precificada nos últimos dias, o que levou a mineradora a ceder a uma trajetória de realização de lucros. Depois de subir mais de 2,7%, a companhia fechou o dia em queda superior a 1,2%, em um bom exemplo da máxima “sobe no boato e cai no fato”. 

No mundo invertido

Na segunda parte do pregão, no entanto, o peso atuou contra o Ibovespa e a conta ficou no colo das ações da Petrobras — juntos, os papéis ordinários (PETR3) e preferenciais (PETR4) da companhia correspondem a cerca de 10,3% da composição do índice.  

A queda não teve nenhuma relação com os números de produção divulgados recentemente e sim com uma leitura negativa de que uma possível intervenção estatal na gasolina e no diesel pode estar no horizonte. Como em grande parte das vezes, o responsável pelos ruídos que azedaram o humor dos investidores foi o próprio presidente da República, Jair Bolsonaro. 

No fim da manhã, Bolsonaro agradeceu aos caminhoneiros pela não adesão à greve que vinha sendo prometida para o começo do mês e disse que o tema dos combustíveis é uma 

Intervenção nos preços é sempre um assunto muito delicado nos mercados e qualquer sinal de ingerência política que pode levar a uma intervenção nas estatais desencadeia uma reação negativa. E foi exatamente isso que aconteceu. 

Não demorou muito para as ações ordinárias e preferenciais da Petrobras reagirem. Na mínima, os papéis recuaram respectivamente 1,88% e 2,22%, levando o Ibovespa a inverter o sinal e passar a operar com grande volatilidade. No pior momento do dia, o índice recuou 0,67%, encostando nos 118 mil pontos. 

Ariane Benedito, economista da CM Capital, explica que o mercado do petróleo aquecido no exterior, impulsionado por relatórios da Opep que mostram o cumprimento do corte de produção prometido e uma melhora nos estoques nos Estados Unidos, fez com que a queda fosse marginal ao fim do dia — os dois papéis da petroleira brasileira encerraram a sessão com recuo de 0,10%. 

Já o Ibovespa voltou para a casa dos 119 mil pontos, recuando 0,39%, a 119.260,82 pontos, depois de três dias de alta. Na semana, a valorização do principal índice da B3 segue superior a 3,6%. 

Benedito vê com bons olhos o desempenho desta quinta-feira. Segundo a economista, o disparo nas primeiras horas do pregão romperam a resistência técnica dos 120 mil pontos, então seria natural um recuo mais próximo do suporte dos 115 mil pontos e vê como “saudável” o saldo do dia, com a bolsa voltando ao patamar “que realmente deveria estar”. 

Economia forte, moeda forte

Hoje, logo pela manhã, a divulgação de que os Estados Unidos registraram menos novos pedidos de auxílio-desemprego do que o esperado deu fôlego extra para as bolsas americanas. Na contramão do visto no Ibovespa, os negócios começaram mornos em Wall Street e ganharam força ao longo do dia. 

A confluência de notícias positivas - mostrando força da atividade americana e bons números da temporada de balanços - levou o Nasdaq a atingir um novo recorde. Ao fim do dia, o S&P 500 avançou 1,09%, o Dow Jones subiu 1,08% e o Nasdaq liderou os ganhos, com uma valorização de 1,23%. 

No começo do dia, o foco estava nas negociações entre democratas e republicanos em torno do pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão. Mas sinais de recuperação da atividade falaram mais alto. 

O país registrou uma queda nos pedidos de auxílio-desemprego muito maior do que a projetada. Segundo o Departamento do Trabalho do país, foram 779 mil pedidos, contra os 830 mil previstos. Ontem, o relatório de emprego do setor privado já havia mostrado uma recuperação mais expressiva da economia americana. A economista da CM Capital também destaca as encomendas industriais no país, que também avançaram acima do projetado e indicam um aumento da atividade. 

Com a visão de uma economia mais forte, a tendência de uma forte desvalorização da moeda deu uma amenizada, com a divisa subindo em escala global, também apoiada na leitura de que as coisas devem se recuperar mais rapidamente do que na Europa. O índice DXY, parâmetro que mede o dólar em relação aos principais pares, atingiu o maior nível desde dezembro de 2020.

No entanto, Reginaldo Galhardo, gerente de Câmbio da Treviso Corretora de Câmbio, indica que fatores internos também tiveram participação na valorização de 1,47%, que levou a moeda a R$ 5,4493. 

Depois do alívio dos últimos dias com o aparente avanço dos projetos do governo e um alinhamento com o Congresso, o fantasma do auxílio emergencial segue insistente e volta a elevar a tensão do mercado. Ainda que a rediscussão do benefício social não esteja na pauta entregue pelo governo com as prioridades, o tema uma hora ou outra deve voltar à mesa, pressionando o teto de gastos e a equipe econômica. “Nós aguardávamos um céu de brigadeiro com as eleições, mas junto veio a tempestade. E com isso os investidores correm para se proteger: piora o mercado, vamos rumo aos R$ 5,50, melhora o ambiente, vamos para os R$ 5,30”, ressalta Galhardo. 

Refletindo a movimentação do câmbio, o mercado de juros futuros reverteu parte da queda das últimas semanas e fechou em alta. Confira as taxas de hoje:

  • Janeiro/2022: de 3,34% para 3,37%
  • Janeiro/2023: de 4,79% para 4,87%
  • Janeiro/2025: de 6,19% para 6,31%
  • Janeiro/2027: de 6,90% para 6,99%

Sobe e desce

Não teve para ningúem! Até o fim do pregão o Bradesco continuou refletindo de forma positiva os seus números do quarto trimestre de 2020. Além do bancão, vale a pena destacar as ações da Braskem, que seguem surfando uma onda positiva após a companhia ter informado que retomará sua atividade em Maceió.

Fora do Ibovespa, interessante destacar o desempenho das ações da estreante Intelbras, que subiram mais de 20% no primeiro dia de negociações. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
BBDC3Bradesco ONR$ 22,86 3,07%
CVCB3CVC ONR$ 20,11 3,02%
BBDC4Bradesco PNR$ 26,01 3,01%
BRKM5Braskem PNAR$ 29,71 2,91%
BPAC11BTG Pactual unitsR$ 109,46 2,81%

Na ponta contrária, B2W e ações que vinham com bom desempenho nas últimas semanas foram o destaque negativo, no que os analistas chamaram de um movimento de rotação de carteira. Confira as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
BTOW3B2W ONR$ 86,34 -4,48%
WEGE3Weg ONR$ 85,57 -3,50%
JHSF3JHSF ONR$ 7,63 -3,17%
SBSP3Sabesp ONR$ 40,45 -3,07%
YDUQ3Yduqs ONR$ 33,40 -2,88%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies