Menu
2021-06-28T08:07:51-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
segredos da bolsa

Dados do desemprego no Brasil e nos EUA devem movimentar a semana na bolsa; Confira destaques

O cenário interno deve contar com desdobramentos da CPI da Covid, o que coloca pressão no governo federal e deve dificultar o avanço das reformas

28 de junho de 2021
8:07
desemprego estados unidos coronavírus dólar
Imagem: Shutterstock

A semana começa com as principais bolsas mundiais de olho em uma possível nova onda de covd-19. A chamada variante delta do coronavírus foi considerada a mais “transmissível” pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e ligou um alerta sobre todo o mundo para a eficácia da vacina contra novas variantes.

Até o momento, os imunizantes se provaram capazes de proteger contra casos graves de covid-19, mesmo contra a nova variante. Entretanto, especialistas em saúde afirmam que a pandemia precisa ser controlada em todo o mundo para que não surja uma variante resistente à vacina.

No plano econômico, a semana deve ser marcada por dados do emprego, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos. Na quarta-feira (30) o IBGE deve divulgar a PNAD Contínua, que deve trazer um novo panorama do emprego para o país. 

Apesar dos dados do PIB e outros indicadores apontarem que a economia brasileira caminha para uma retomada mais intensa das atividades, o desemprego ainda é um desafio. Na última leitura, o IBGE registrou 14 milhões de desempregados, aproximadamente 14,7% da população.

Na terra do Tio Sam

Mas outra taxa de desemprego deve estar no radar dos investidores brasileiros e do mundo. A partir de quinta-feira (1º) devem ser divulgados dados referentes ao emprego nos Estados Unidos, com os pedidos de auxílio desemprego no mesmo dia e o relatório de empregos (payroll) na sexta-feira (02).

Até lá, os dirigentes do Federal Reserve devem fazer uma série de discursos ao longo da semana e reiterar o compromisso da instituição financeira em manter a taxa de desemprego baixa. Essas ações estão diretamente ligadas à política monetária do Fed, que incluem alterar a taxa de juros e retirar estímulos da economia. 

O Fed já anunciou que deve manter seus planos de retirada de estímulos e aumento da taxa de juros em 2023, mas outros líderes da instituição deram sinais de que o BC americano começou a debater uma alteração desse plano antes da hora. 

Brasil na chapa quente

A CPI da Covid pode frustrar os planos do governo federal de aprovar o pacote de reformas estruturais e seguir com a agenda liberal. Depois do depoimento bombástico da última sexta-feira (25), a Comissão ganhou novo fôlego e mira em crime de prevaricação do presidente da República, Jair Bolsonaro. 

De acordo com especialistas em política, o bloco de partidos chamado Centrão deve “dobrar a aposta” para dar o apoio necessário para aprovação das reformas. 

A reforma tributária, por exemplo, já está recebendo duras críticas pela taxação de lucros e dividendos e diminuição da faixa que pega o Imposto de Renda. E a reforma administrativa deve encontrar desafios, tendo em vista as últimas denúncias de funcionários públicos concursados contra o governo. 

Para compor o difícil cenário nacional, a crise hídrica e possível crise energética se avizinha do país. A Aneel manteve a bandeira vermelha, mais cara para taxação da conta de luz, para este mês.

Joe Biden

As reformas de Joe Biden também devem movimentar os negócios no panorama externo. O pacote de infraestrutura foi visto com bons olhos pelos legisladores americanos, o que deve dar novo fôlego ao presidente americano no Congresso.

O valor final do projeto é um pouco menor do que o proposto no início, mas soma uma boa quantia de US$ 1,2 trilhão, destinado para área de infraestrutura. A maior parte da verba vai para a revitalização e construção de pontes, estradas e outros grandes projetos, mas também há recursos para trens, portos, aeroportos e veículos elétricos.

O pacote destinará ainda US$ 73 bilhões para infraestrutura energética, US$ 55 bilhões a melhorias no sistema de saneamento básico, US$ 65 bilhões à universalização do acesso à banda larga e US$ 21 bilhões para recuperação do meio ambiente.

Bolsas pelo mundo

Os principais índices asiáticos encerraram o dia em queda, à espera de dados locais e divulgação de indicadores macroeconômicos dos EUA. No panorama doméstico, o índice do gerente de compras (PMI) da China e do Japão devem movimentar os negócios, enquanto nos Estados Unidos, dados de emprego e folha de pagamento (payroll) devem compor o panorama externo. 

E as bolsas europeias caem nesta manhã, com temores envolvendo a variante delta do coronavírus, após a OMS anunciar que ela é considerada “a mais transmissível” desde o início da pandemia. Além disso, os dados locais devem movimentar os negócios, com comentários dos dirigentes do Banco Central Europeu (BCE) e do Federal Reserve marcados para esta semana. 

Por fim, os futuros de Nova York operam de maneira mista, à espera das falas dos dirigentes do Fed e dados locais que devem ser divulgados esta semana.  

Agenda semanal

Segunda-feira (28)

  • Banco Central: Boletim Focus semanal (8h25)
  • Banco Central: Concessão de crédito livre em maio (9h30)
  • Tesouro Nacional: Relatório mensal da dívida pública federal de maio (14h30)
  • Banco Central: Roberto Campos Neto, presidente do BC, participa de seminário sobre Open Banking (15h)

Terça-feira (29)

  • FGV: IGP-M, sondagem de serviços e comércio de junho (8h)
  • IBGE: Índice de Preços ao Produtor da indústria de transformação em maio (9h)
  • Estados Unidos: Índice de confiança do consumidor de junho (11h)
  • Tesouro Nacional: Resultado primário do governo central de maio (14h30)

Quarta-feira (30)

  • Zona do Euro: CPI e Núcleo do CPI (inflação, na sigla em inglês) preliminar de junho (6h)
  • IBGE: PNAD Contínua divulga taxa de desemprego até abril (9h30)
  • Banco Central: Setor público consolidado em maio (9h30)
  • Estados Unidos: Relatório sobre a criação de empregos no setor privado em junho (9h15)
  • Brasil: Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) divulga dados conjunturais de maio (14h)
  • Estados Unidos: Diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, participa de divulgação de panorama econômico dos EUA (sem horário)

Quinta-feira (1º)

  • Estados Unidos: Pedidos de auxílio desemprego (9h30)
  • Ministério da Economia: Balança comercial mensal de junho (15h)
  • Áustria: Opep+ realiza reunião ministerial (sem horário)

Sexta-feira (02)

  • IBGE: Pesquisa Industrial Mensal de maio (9h)
  • Estados Unidos: Balança comercial, relatório de empregos (payroll), taxa de desemprego e salário médio por hora (9h30)
  • Estados Unidos: Encomendas à indústria de maio (11h)
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

SEXTOU COM O RUY

Big Bang, a teoria: As leis da Física e a tributação dos dividendos

As empresas são organismos vivos, que precisam se adaptar às mudanças para sobreviver, como na recente proposta de tributação de dividendos

dinheiro no caixa

Petrobras vende participação em companhias de energia por R$ 160 milhões

Estatal assinou contratos para a venda de suas participações de 20% na Termelétrica Potiguar (TEP) e de 40% na Companhia Energética Manauara (CEM) para a Global Participações Energia S.A. (GPE)

seu dinheiro na sua noite

Mais micro, menos macro: quando os balanços são o destaque na bolsa

Como investidores, sabemos que os mercados estão sujeitos às mudanças no cenário macroeconômico – e, no caso do Brasil e outros países emergentes, os pregões são particularmente suscetíveis também ao noticiário político. Mas, no fim do dia, a bolsa reflete o desempenho das companhias que ali são negociadas. Nas temporadas de balanços trimestrais, analistas e […]

cardápio do dia

Fleury, EcoRodovias e Localiza: os balanços que mexem com o mercado nesta sexta

Companhias registram forte aumento no lucro, confirmando tendência entre empresas do Ibovespa

Fechamento do dia

Bolsa, dólar e juros fecham o dia no vermelho, com balanços no radar e Wall Street em alta

Em movimento raro, bolsa, dólar e juros fecharam o dia no vermelho. É que enquanto o apetite por risco reinava no exterior, os balanços levaram o Ibovespa a um movimento de correção

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies