Menu
2021-06-03T18:29:28-03:00
Larissa Vitória
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Mercados no feriado

Prévia para amanhã? Bolsas de NY fecham em queda e ativos brasileiros sentem o baque no exterior

Nem mesmo os dados mais animadores da economia americana foram capazes de impedir que os mercados acionários terminassem o dia no vermelho

3 de junho de 2021
18:21 - atualizado às 18:29
The,Us,Dollar,Against,The,Background,Of,A,Declining,Chart.
Imagem: Shutterstock

Dormir sem ser assombrada pelo fantasma do despertador, ler alguns capítulos de um bom livro, pedir uma pizza e maratonar alguma série antes de voltar para a cama. Essa é a programação perfeita de um feriado para mim.

Em outros tempos, acrescentaria uma visita à família e amigos ou uma ida ao parque também. Porém, com a pandemia ainda a todo vapor, me contento apenas em garantir que seja um dia tranquilo. 

Assim como eu, com as negociações locais fechadas, os mercados brasileiros tiveram um calmo feriado de Corpus Christi nesta quinta-feira (3). Porém, os investidores que voltaram suas atenções para o exterior viram que, lá fora, o dia passou longe da tranquilidade.

As bolsas dos Estados Unidos e Europa operaram majoritariamente em queda ao longo do pregão e nem mesmo os dados mais animadores da economia americana foram capazes de impedir que os mercados acionários terminassem o dia no vermelho.

Dados econômicos de lado

O Departamento do Trabalho dos EUA divulgou que 385 mil novos pedidos de seguro-desemprego foram registrados na semana encerrada em 29 de maio — é a primeira vez que o indicador fica abaixo de 400 mil desde o início da pandemia.

O índice de atividade do setor de serviços dos EUA também trouxe perspectivas otimistas para a retomada econômica e ficou em 70,4 em maio, o maior nível desde o início da série histórica do indicador, iniciada em 2009.

Mas o Dow Jones, que chegou a ensaiar altas tímidas mais cedo, recuou 0,07% ao final da sessão, enquanto o S&P 500 caiu 0,36%. O Nasdaq, que concentra empresas de tecnologia, foi quem mais sentiu os efeitos da aversão ao risco, com queda de 1,03%.

Os novos atritos comerciais entre EUA e China podem ter ajudado a azedar o humor dos mercados. Segundo a Bloomberg, o presidente Joe Biden planeja aumentar a lista de restrições às companhias chinesas, mirando nas empresas com alguma conexão às forças armadas do gigante asiático.

Além disso, os investidores aguardam ansiosamente pelo relatório de empregos norte-americano (payroll), que será divulgado amanhã e pode modificar os rumos da política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA).

E o Brasil com isso?

Resta saber se o pessimismo continuará reinando amanhã e prejudicará os mercados locais. É de se esperar que, com o retorno das negociações por aqui, os papéis negociados na B3 sofram algum ajuste referente ao comportamento dos ativos internacionais.

Vale lembrar que o Ibovespa, principal índice acionário do Brasil, vem alcançando marcas históricas nos últimos dias. Ontem (2) o índice teve alta de 1,04%, aos 129.601,44 pontos — sua sexta sessão consecutiva de ganhos e o quarto dia seguido de recordes de fechamento.

O EWZ, principal fundo de índice (ETF) de ações do país em Nova York — e que, em linhas gerais, replica a carteira do Ibovespa —, recuou 0,95% hoje.

Ativos brasileiros sofrem

Além do índice, veja também como foi o desempenho dos principais recibos de ações (ADRs) de companhias brasileiras nas bolsas americanas:

  • Petrobras (PBR): -0,18%;
  • Vale (VALE): -1,19%;
  • Gerdau (GGB): -2,12%;
  • CSN (SID): -2,18%;
  • Itaú Unibanco (ITUB): -0,16%;
  • Bradesco (BBD): -1,21%;
  • Ambev (ABEV): -0,52%.

Europa e Ásia

O contexto mais cauteloso também foi verificado nos mercados da Europa, que fecharam majoritariamente em baixa — destaque para a bolsa de Londres, que teve perdas mais firmes:

  • Alemanha (DAX): +0,19%;
  • Reino Unido (FTSE 100): -0,61%;
  • França (CAC 40): -0,21%;
  • Espanha (IBEX 35): -0,42%;
  • Itália (FTSE MIB): +0,29%
  • Euro Stoxx 600: -0,12%.

Os mercados asiáticos mostraram desempenhos mistos: no Japão, o índice Nikkei 225 fechou em alta de 0,35% e, na Coreia do Sul, o KOSPI avançou 0,72%. Na China, a bolsa de Xangai recuou 0,36%.

Commodities, câmbio e outros mercados

Entre as commodities, o petróleo reverteu a tendência dos últimos dias e fechou em leve baixa: o Brent para agosto caiu 0,06%, a US$ 71,31, enquanto o WTI para julho recua 0,03%, a US$ 68,81.

No câmbio, o dólar se valoriza em escala global: o índice DXY, que mede o desempenho da moeda americana em relação a uma cesta com as principais divisas do mundo, sobe 0,66%; a tendência é a mesma em comparação com as moedas de países emergentes.

E, falando em emergentes: o EEM, principal ETF desse tipo de mercado em Nova York, caiu 1,07% — mais um sinal de que, ao menos por hoje, os investidores globais não estão com apetite ao risco.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

levantamento

Estatais descumprem critérios do marco do saneamento

GO Associados calculou que as companhias públicas do Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Maranhão, Amazonas, Pará, Piauí, Roraima, Rondônia e Amapá não atendem a todos os critérios da “etapa 1” do decreto – que prevê o cumprimento de índices mínimos dos indicadores econômicos-financeiros

questionamentos em brasília

Novo marco de saneamento é alvo de ofensiva no Supremo e no Congresso

No Supremo, mais de 20 empresas estatais que prestam hoje serviços no setor querem a volta da possibilidade de fechar os chamados “contratos de programa”, diretamente com as Prefeituras e sem licitação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies