Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-26T08:09:14-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
De olho na Bolsa

Esquenta dos mercados: Crise hídrica deve pressionar a bolsa hoje; exterior opera com cautela antes do Simpósio de Jackson Hole

No radar, Paulo Guedes, Ministro da Economia, e Onyx Lorenzoni, do Trabalho e Previdência, têm participação em eventos hoje

26 de agosto de 2021
7:49 - atualizado às 8:09
torneira pingando, mostra a seca em uma determinada região
Nas últimas gotas: sistema cantareira opera próximo a menos de um quarto da capacidade total - Imagem: Shutterstock

No pregão desta quinta-feira (26) o investidor terá uma série de desdobramentos do cenário político e as falas de importantes membros do ministério da Economia, incluindo o próprio ministro Paulo Guedes. O Ibovespa ainda deve lidar com dados do Caged, seguidos pela fala do ministro do Trabalho e Previdência e novos estudos sobre a crise hídrica hoje.

Brasil na corda bamba

O cenário político deu uma leve trégua nos últimos dias, o que permitiu a bolsa brasileira subir sem maiores ruídos do Palácio do Planalto. Como “otimismo cauteloso” tomou conta dos mercados ontem e o Ibovespa conseguiu encerrar a sessão em alta de 0,50%, aos 120.817 pontos. Com a perspectiva de uma Selic mais elevada, o dólar à vista recuou 0,97%, aos R$ 5,2113. 

A crise hídrica voltou ao radar do investidor e deve ser um fator de risco para a bolsa hoje. A falta de chuvas impacta diretamente a conta de luz e pode atrasar a retomada econômica com o avanço dos preços. De acordo com projeções feitas pelo jornal O Estado de São Paulo, o valor a cada 100 kW pode sair de R$ 9,49 para algo entre R$ 15 e R$ 20.

Esse aumento deve pressionar ainda mais a inflação, que já está nos patamares mais elevados dos últimos anos e já ultrapassou o teto da meta do ano, de 5,75%. 

Fique de olho hoje

O investidor deve acompanhar a divulgação de dados do emprego, medidos pelo Caged. A geração líquida de vagas pode movimentar os negócios, mas a fala do ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, deve chamar ainda mais a atenção.

A pasta do Trabalho foi retirada do Superministério de Paulo Guedes. O ministro da economia deve participar de audiência na Comissão Temporária da Covid-19 e de um evento da XP, mais tarde. 

Exterior marcado pela cautela

O Simpósio de Jackson Hole deve acontecer no último pregão da semana, mas seus reflexos nas bolsas pelo mundo já se fazem presentes. O foco da reunião é o presidente do Banco Central americano, Jerome Powell, que deve dar maiores explicações sobre o tapering, a retirada de estímulos da economia. 

A inflação dos Estados Unidos avança e pressiona a curva de juros com a injeção de dinheiro na economia. As intenções do Federal Reserve eram boas, visando aumentar as vagas de emprego. Entretanto, desde as últimas reuniões, o Fed notou que a situação do desemprego dos EUA se manteve quase estável. 

Mesmo assim, os estímulos à economia norte-americana mantiveram os mercados pelo mundo aquecidos. A retirada de todo esse dinheiro das praças deve afetar as negociações e a cautela mantém os índices pressionados. 

Fique de olho hoje

O Banco Central Europeu (BCE) deve divulgar a ata de sua última reunião ainda na manhã de hoje. Já nos Estados Unidos, o destaque vai para os pedidos de auxílio-desemprego, divulgados pelo Departamento de Trabalho dos EUA.

Por fim, a segunda leitura do PIB do 2º trimestre também deve movimentar os negócios. É esperado que o indicador avance 6,7% na base anual, em comparação à primeira leitura de 6,5%, de acordo com as projeções dos especialistas do Broadcast. 

Bolsas pelo mundo

Os principais índices asiáticos encerraram o pregão em baixa na manhã desta quinta-feira após o BC da Coreia do Sul elevar os juros e se tornar o primeiro grande BC da região a retirar os estímulos da economia. Os investidores seguem em compasso de espera antes do discurso de Jerome Powell em Jackson Hole. 

De maneira semelhante, as bolsas europeias também operam no vermelho agora pela manhã, digerindo dados regionais do sentimento de consumidor da Alemanha. O simpósio de Jackson Hole também segue aumentando a aversão ao risco. 

E depois de renovar as máximas históricas no pregão de ontem, os futuros de Nova York operam de maneira mista, próximos da estabilidade.

Agenda do dia

  • FGV: Confiança da construção de agosto (8h)
  • Estados Unidos: Pedidos de auxílio desemprego (9h30)
  • Estados Unidos: 2ª leitura do PIB do 2º trimestre (9h30)
  • Caged: Geração líquida de vagas em julho (10h)
  • Banco Central: Boletim Regional de atividade econômica do 2º tri (10h)
  • Ministério da Economia: Ministro da Economia, Paulo Guedes, participa de audiência na Comissão Temporária da Covid-19 (10h)
  • Trabalho e Previdência: Ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, participa de coletiva sobre o Caged de julho (10h30)
  • Suprema Corte: STF retoma julgamento da autonomia do Banco Central (14h)
  • Ministério da Economia: Ministro da Economia, Paulo Guedes, participa de painel na Expert XP (15h30)
  • Trabalho e Previdência: Broadcast Live com o ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni (16h)
  • Divulgação dos votos do CMN após as 18h
  • Presidente dos EUA, Joe Biden, recebe na Casa Branca o primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Crise dos chips

Sem carro zero no mercado, preço de usados sobe até 20% e vendas disparam – carro usado chega a custar mais que um novo

Mercado enfrenta escassez de semicondutores, demanda alta por veículos e prazos longos para a entrega

sem escassez

Fábrica da Tesla em Xangai deve terminar setembro com 300 mil carros produzidos em 2021

Marca será atingida mesmo em meio a uma escassez global de semicondutores, disseram duas fontes da montadora à Reuters

Fim da pandemia

CEO da Pfizer prevê que voltaremos à vida normal dentro de um ano, mesmo com novas variantes do coronavírus

Albert Bourla acredita que vacinação contra a covid-19 se tornarão anuais, para cobrir novas variantes, e que vacinas durarão um ano

ainda não acabou

Controladores da Alliar (AALR3) contratam XP para vender o negócio, diz jornal

Empresa de diagnósticos foi alvo, recentemente, de disputa pelo controle pela Rede D’Or e fundos ligados ao empresário Nelson Tanure

Mais recursos

Democratas aprovam pacote de US$ 3,5 tri no Comitê de Orçamento da Câmara dos EUA

Recursos serão destinados à rede de segurança social e programas relacionados a mudanças climáticas. Obtenção de quase unanimidade para aprovação no Congresso é desafio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies