Menu
2021-03-26T19:09:05-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
mercados na semana

Com pressão fiscal, dólar sobe 4,6% na semana e chega a R$ 5,74; Ibovespa cai 1,2%

Pressão por auxílio emergencial em valores maiores e aprovação do Orçamento para 2021 com mais emendas parlamentares elevam percepção de risco; bolsa brasileira sobe com apoio das commodities

26 de março de 2021
18:04 - atualizado às 19:09
Dólar real câmbio
Imagem: Shutterstock

A percepção de risco fiscal voltou a pesar sobre os negócios locais durante esta semana, levando o dólar a escalar 4,67%, fechando esta sexta-feira (26) a R$ 5,7413. No mesmo período, o Ibovespa caiu 1,24%, apesar do avanço hoje.

A cereja do bolo para o temor do mercado com as contas públicas foi a aprovação do Orçamento para 2021 no Congresso, que elevou para um total de R$ 48,8 bilhões as emendas parlamentares para uso em obras em redutos eleitorais.

Com isso, para cumprir o teto de gastos terá de feito um bloqueio de ao menos R$ 30 bilhões este ano, afetando os gastos não obrigatórios — que incluem investimentos — e impondo risco de shutdown no segundo semestre.

A aprovação do Orçamento botou pressão sobre o dólar, que avançou 1,25% só nesta sexta-feira. No dia anterior, a cotação subiu influenciada pela notícia de que ao menos 16 estados estariam pressionando o Congresso por um auxílio emergencial maior do que a proposta aprovada.

A moeda americana é ainda favorecida no mundo todo por conta da percepção de que os Estados Unidos podem ter uma recuperação mais rápida do que de outras regiões, segundo Roberto Padovani, economista-chefe do banco BV.

No Brasil, o Ibovespa subiu 0,91% nesta sexta, a 114,780 pontos, apoiado no avanço das commodities no exterior. Durante a tarde, o principal índice da bolsa chegou a operar no vermelho, com um baixo volume de negociação por conta dos feriados antecipados em São Paulo.

Feriado, auxílio e vacina

A prefeitura da cidade onde opera a bolsa brasileira antecipou cinco feriados, com início nesta sexta, para tentar conter o avanço da pandemia em um momento de sucessivos recordes no número de mortes.

Por outro lado, de São Paulo veio a notícia de que o Instituto Butantã iniciará a fase clínica de testes de uma vacina desenvolvida no Brasil. A produção de um imunizante nacional — que traria maior controle sobre a produção para o país — chegou a contribuir positivamente com o mercado nesta sexta.

Enquanto isso, nos EUA o presidente Joe Biden prometeu aumentar o ritmo de vacinação — o país imunizaria 200 milhões de pessoas ainda nos primeiros 100 dias da gestão do atual mandatário, segundo a nova meta do governo.

No país, o mercado iniciou o dia mais otimista também por conta da inflação (PCE, na sigla em inglês), que avançou 0,1% — afastando os temores de uma disparada dos preços.

Ao final do dia, o índice Dow Jones teve ganhos de 1,39%, o S&P 500 avançou 1,66% e o Nasdaq subiu 1,24% — com destaque para os bancos, que tiveram restrições relaxadas, e as companhias ligadas ao petróleo.

Na Europa, o índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,91%, com ganhos de 0,85% na semana. Já no Oriente Médio, o destaque é o canal de Suez, que segue bloqueado por um navio que encalhou no local.

O espaço é a principal rota para o escoamento de petróleo do Oriente Médio. O impasse pressiona os preços de barril de petróleo e influencia as ações de empresas do setor petrolífero.

No Brasil, os papéis da Petrobras (PETR4) subiram 1,21% nesta sexta, a R$ 23,40, mas não chegaram nas maiores altas do Ibovespa da semana.

O maior avanço do período foi do Carrefour, que comprou o BIG. Na outra ponta, ficaram principalmente os papéis de empresas que devem ser mais afetadas por um prolongamento da pandemia.

Confira as maiores altas da semana:

CÓDIGOAÇÃOVALOR (R$)VARIAÇÃO
CRFB3Carrefour Brasil ON           22,20 15,50%
PCAR3GPA ON           31,41 10,95%
MRFG3Marfrig ON           16,82 5,39%
UGPA3Ultrapar ON           20,85 5,20%
BRAP4Bradespar PN           65,45 3,74%

Confira as maiores baixas da semana:

CÓDIGOAÇÃOVALOR (R$)VARIAÇÃO
AZUL4Azul PN           37,25 -11,29%
MGLU3Magazine Luiza ON           19,97 -10,41%
EMBR3Embraer ON           13,20 -9,03%
COGN3Cogna ON             3,82 -8,17%
SULA11SulAmérica units           36,36 -8,07%

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

ESTRADA DO FUTURO

A equação do e-commerce: onde estamos investindo quando o assunto é varejo

O varejo é grande demais para exista um tipo de “vencedor leva tudo”. Na geração de demanda é a mesma coisa. Todos estão crescendo como derivada de uma tendência maior, que é o desenvolvimento do e-commerce

CRIPTOMOEDA

Bitcoin ultrapassa US$ 60 mil antes de abertura de capital da Coinbase Global

Criptomoeda teve alta de 4,87%, a quatro dias de IPO da maior corretora de moedas digitais dos EUA

pandemia

Mortes por Covid-19 cresceram 468% no Brasil entre janeiro e março, alerta Fiocruz

Para os novos casos, o aumento foi de 701%; Sul e Centro-Oeste tendem a cenário mais crítico nas próximas semanas.

IPCA DE MARÇO

Inflação vai a 0,93% e mercado vê risco de estourar meta

Taxa acumulada passou a 6,10% no mês passado, reforçando temor de que inflação oficial termine o ano acima do teto da meta, de 5,25%.

congresso X executivo

Orçamento tem guerra de pareceres

Câmara e Senado se armaram com notas técnicas para mostrar que o presidente Jair Bolsonaro pode sancionar o Orçamento sem vetos a emendas; Ministério da Economia já prepara próprio embasamento jurídico.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies