💸 Você pode receber R$ 120 para investir; veja como solicitar o depósito aqui

Cotações por TradingView
2021-03-24T19:30:31-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
segue o líder

Novo rei do varejo alimentar: o que os analistas acharam da compra do Big pelo Carrefour

Compra das operações do Walmart no Brasil fortalece as operações do Carrefour e foi realizada a um bom preço, considerando as sinergias esperadas

24 de março de 2021
12:45 - atualizado às 19:30
Logo do Carrefour
Carrefour - Imagem: Shutterstock

O mercado foi surpreendido na manhã desta quarta-feira (24) com a notícia de que o Carrefour Brasil (CRFB3) fechou um acordo para adquirir o Grupo Big, antiga operação da varejista americana Walmart no país.

A surpresa, porém, foi muito bem recebida, como se pôde ver nas ações da varejista, que fecharam em alta de 12,77%, a R$ 21,73, a maior alta do Ibovespa no dia.

A maioria dos analistas ainda está se debruçando sobre os detalhes da aquisição, mas alguns já divulgaram as primeiras impressões e, por enquanto, elas são positivas. Ao adquirir o terceiro maior nome do mercado, eles afirmam que o Carrefour se torna o principal player do varejo de alimentos.

O UBS BB destacou que a incorporação do Big fará com que o Carrefour Brasil aumente em 80% o número de lojas no país, dobrando em hipermercados, multiplicando por três a quantidade de supermercados e elevando em 25% as unidades de atacarejo, além de entrar no segmento de clube de compras com o Sam’s Club, mercado pouco explorado no país. O resultado será um incremento da ordem de 32% da receita.

A expansão operacional também foi destacada por Sergio Oba, editor da Empiricus. Para ele, a aquisição do Big torna a operação brasileira praticamente do mesmo tamanho que a da França, com vendas brutas de cerca de R$ 100 bilhões.

“A conversão das lojas da rede adquirida – Maxxi em Atacadão e a operação do Sam’s Club – adicionam exposição ao canal de cash and carry (atacarejo) que vem sendo (e deve se manter) destaque nos próximos anos”, disse ele.

Custo relativamente baixo

Outro ponto destacado foram os R$ 7,5 bilhões acertados pelo Carrefour para concretizar a operação, com 70% sendo repassado em dinheiro e o restante por meio de emissão de novas ações.

O valor, de acordo com o UBS, pressupõe um múltiplo EV/Ebitda – que indica quanto tempo levaria para o lucro operacional pagar o investimento feito – de 3,6 vezes, após os ganhos de sinergia. Para o banco, o valor é “atraente” considerando que a aquisição do Big coloca o Carrefour “numa posição estratégica muito forte, ao ser claramente o líder do mercado”.

“Embora não seja uma aquisição pequena, para nós, o acordo é feito a múltiplos atraentes, com enorme sinergia, e fortalece significativamente a posição competitiva (da empresa)", diz trecho do relatório assinado pelos analistas Sreedhar Mahamkali, Samantha Osborne e Gustavo Piras Oliveira.

A questão da sinergia do acordo foi bastante comentada pelos analistas. O Carrefour informou que a operação resultará em ganhos significativos desde o primeiro ano, aumentando gradualmente para representar uma contribuição adicional líquida ao Ebitda de R$ 1,7 bilhão anualmente, três anos após a conclusão da operação. 

Esta foi uma questão considerada importante pela Genial Investimentos, assim como os ativos imobiliários, que valem cerca de R$ 7 bilhões, justificando o valor pago, que equivalente a 8,3 vezes o Ebitda do Big, “um pouco mais caro que o Carrefour, atualmente negociado a 7,1 vezes”.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

INDÚSTRIA 4.0

Weg abocanha fatia restante na startup Mvisia, de olho na Indústria 4.0; o que isso significa para as ações WEGE3?

1 de dezembro de 2022 - 10:08

Depois de adquirir 51% da startup em 2020, a Weg comprou a participação remanescente na empresa especializada em sistemas de inteligência artificial para visão computacional

NOS EMBALOS DE QUARTA À TARDE

Obrigado, Fed! Bitcoin (BTC) atinge os US$ 17 mil com Fed e mercado de criptomoedas tem dia de ânimo — mas o saldo de novembro foi negativo

1 de dezembro de 2022 - 9:27

Novembro não é o único culpado pelo fraco desempenho do bitcoin em 2022, sendo o quarto pior mês do ano com uma queda de 16,1%

ELITE DA BOLSA

Primeira prévia do Ibovespa indica uma ação “desclassificada” para a próxima carteira

1 de dezembro de 2022 - 9:01

Ibovespa passará a contar com 91 ações entre janeiro e abril, de acordo com a primeira prévia da carteira do índice; veja quem deve sair

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Day trade na B3: Oportunidade de lucro acima de 11% com ações da Alpargatas (ALPA4); confira a recomendação

1 de dezembro de 2022 - 8:16

Identifiquei uma oportunidade de swing trade baseada na análise quant – compra dos papéis da Alpargatas (ALPA4). Veja os detalhes

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Um pouco de normalidade: De olho na Petrobras e no PIB, investimentos em novembro, Copa do Mundo e outras notícias que mexem com seu bolso

1 de dezembro de 2022 - 8:15

No campo dos indicadores, os participantes do mercado estão de olho nos números do PIB no terceiro trimestre e a balança comercial brasileira em novembro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies