Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Ideias para investir R$ 10 mil (ou US$ 1,8 mil): ativos antifrágeis no exterior - Seu Dinheiro
Menu
Matheus Spiess
Insights Assimétricos
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
2020-09-30T14:28:19-03:00
Especial SD 2 anos

Ideias para investir R$ 10 mil (ou US$ 1,8 mil): ativos antifrágeis no exterior

Algo frágil se desmorona diante da adversidade, enquanto algo robusto apenas se preserva. Algo antifrágil, por sua vez, ganharia valor perante um ambiente difícil

28 de setembro de 2020
5:29 - atualizado às 14:28
Imagem conceitual traz o globo terrestre ao lado de pilhas de dinheiro
Imagem: Shutterstock

Partindo do princípio que o investidor já é dotado de uma reserva de emergência (de três a 12 meses de seus gastos mensais), podemos pensar em arquitetar uma parcela patrimonial voltada para ativos tidos como antifrágeis.

Explico-me.

A antifragilidade é um conceito cunhado por Nassim Taleb, um dos principais nortes intelectuais aqui na Empiricus, e se refere aos ativos que se beneficiariam do caos, em oposição à fragilidade. Algo frágil se desmorona diante da adversidade, enquanto algo robusto apenas se preserva. Algo antifrágil, por sua vez, ganharia valor perante um ambiente difícil. Em um cisne negro, por exemplo; isto é, um evento raro, de alto impacto e completamente imprevisível.

A ideia deriva do brilhantismo do pessoal da Gavekal, uma das casas de análise especializadas em China mais respeitadas. Segundo a equipe, é possível verificar quatro grandes classes de ativos que se beneficiaram da crise em 2020.

Ou seja, estaríamos elaborando um conjunto de ativos (quatro) que serviriam de exposição a i) potenciais ganhos e ii) proteção. Tudo isso, claro, feito sob o devido dimensionamento das posições, conforme seu perfil de risco, e a devida diversificação de carteira, com as respectivas proteções associadas.

Para as ideias, será necessário ter conta no exterior. Para isso, a corretora mais simples para se operacionalizar tudo isso é a Avenue Securities, mas fica a critério do leitor escolher o melhor nome. Todas as ideias serão ETFs (Exchange Traded Funds, ou fundos índice), de modo que o investidor consiga combinar diversificação com o limitado nível de capital.

Considerando os R$ 10 mil e a cotação do dólar de US$ 5,50, poderíamos estabelecer um total de US$ 1.818,18 para investirmos.

A primeira classe se relaciona às ações de tecnologia. Elas parecem sair como as grandes ganhadoras do processo pós-pandemia de stay-at-home e com um potencial de crescimento fenomenal. Para a exposição, pensei no Vanguard Information Technology Index Fund ETF (NYSE: VGT) por ser um veículo barato, confiável e bem estruturado. Preço da cota: US$ 298,04.

A segunda classe são as chamadas “máquinas verdes”, se referindo à energia alternativa. O mundo entrará cada vez mais em uma onda de economia sustentável e será muito importante que nos posicionemos de maneira responsável para esse movimento. Se trata da classe mais especulativa, mas com potencial de se beneficiar do fluxo de millenials entrando no mercado. O ETF para a classe é o iShares Global Clean Energy (Nasdaq: ICLN) pelo sponsorship da Blackrock e pelo custo. Preço da cota: US$ 16,44.

A terceira classe reside nos metais preciosos, mais precisamente o ouro. Além de ser a reserva de valor mais clássica da história da humanidade, também se beneficiará da grande expansão de liquidez nos mercados globais. O ETF é o iShares Gold Trust (NYSE: IAU). Preço da cota: US$ 17,83.

Por fim, mas não menos importante, temos na quarta classe a exposição equilibrada às empresas chinesas. Independentemente da guerra comercial entre EUA e China continuar ou terminar, os efeitos de uma separação das duas maiores potencias já começam a ser sentidos. Agora, a China poderá se posicionar com mais independência no mundo. O ETF será o Invesco China Technology (NYSE: CQQQ), por proporcionar exposição às empresas de tecnologia chinesas. Preço da cota: US$ 67,55.

Novamente a composição leva em conta um investidor já dotado de reserva de emergência. Além disso, tudo deverá ser realizado sob o devido dimensionamento das posições, conforme seu perfil de risco, e a devida diversificação de carteira, com as respectivas proteções associadas.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies