Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Os senhores do universo: grandes tacadas e ferroadas no mercado internacional - Seu Dinheiro
Menu
Ivan Sant’Anna
Seu Mentor de Investimentos
Ivan Sant’Anna
É trader no mercado financeiro e autor da Inversa
2020-10-21T17:13:11-03:00
Exclusivo SD Premium

Os senhores do universo: grandes tacadas e ferroadas no mercado internacional

Se o caro amigo leitor está pensando em investir fora do Brasil, dou a maior força. Mas tenha em mente que lá é a primeira divisão, seus oponentes são os melhores traders do mundo

22 de outubro de 2020
5:22 - atualizado às 17:13
Mercados globais globo planeta
Imagem: Shutterstock

Desde o ano de 1965, quando me mudei para os Estados Unidos para estudar Mercado de Capitais na New York University, acompanho atentamente os mercados internacionais, principalmente o americano.

Na época da NYU, eu fazia muitas operações simuladas, parte do currículo de meu curso.

Curiosamente, em simulações a gente ganha quase sempre. É como nesses sites de cassinos na internet, onde você pode jogar roleta, blackjack ou bacará gratuitamente.

Não é que a bolinha cai exatamente no número que você escolheu. Ou, no baralho, sua mão vem com Ás e figura, o que equivale a 21, pontuação máxima do jogo.

Basta depositar uma grana e jogar pra valer, que o pano verde se torna um terreno hostil, minado, agressivo, destruidor. Raspa todo seu dinheiro.

Terminado meu curso na NYU, e de volta ao Rio de Janeiro, mantive a conta nova-iorquina aberta. De vez em quando, fazia uma fezinha nos mercados de lá. Não me lembro se, nessa época, saí no lucro ou prejuízo.

Qualquer que tenha sido a hipótese, foi pouco dinheiro. Caso contrário, me recordaria.

A partir do final de 1977, entrei no mercado internacional para valer, a ponto de ignorar o andamento das Bolsas brasileiras.

Eu trabalhava como broker e trader. Isso me dava enorme vantagem. Pois ganhava corretagem nas operações dos meus clientes. Já iniciava o mês com no mínimo uns 10 mil dólares garantidos.

Entre porradas...

Durante todo o tempo em que especulei nos mercados internacionais, dei grandes porradas e levei não menores ferroadas.

Vou contar as principais, sem ordem cronológica e sim à medida em que elas me vêm à cabeça enquanto digito este texto.

Em termos de acerto, a maior foi sem dúvida a do bull market de soja, negociata na CboT, no segundo semestre de 1988.

O início se deu por puro acaso.

Por volta de maio ou junho daquele ano, convidado pelo presidente da Cia. Vale do Rio Doce, Wilson Nélio Brumer, fui a Londres estudar a possibilidade de conseguir um empréstimo de longo prazo para a empresa, baseado na produção futura de ouro. Essa operação é comum nos meios bancários internacionais. Chama-se gold loan.

Os estudos de prospecção mineral que levei comigo tinham sólidos fundamentos, mas o crédito foi recusado por todos os bancos que visitei.

Motivo: risco Brasil, que centralizara as operações de câmbio (eufemismo para moratória) no ano anterior.

Para minha sorte, eu comprara um bilhete aéreo Rio/Londres/Chicago/Rio. Então, da capital inglesa, parti para os Estados Unidos.

Conversando em Chicago com o meteorologista Jon Davis, da Shearson Lehman, empresa da qual eu era foreign broker, ele me falou a respeito do fenômeno La Nina, que esfria as águas do Pacífico, ao contrário do mais conhecido El Niño, que as aquece.

Isso vai provocar uma seca aqui no Meio-Oeste. Poderemos ter um formidável bull market nos grãos”, Davis me revelou entusiasmado.

Em seguida, ele me mostrou uma série de gráficos e tabelas que fundamentavam seu raciocínio.

Senti firmeza. Ato contínuo, embarquei na canoa, não só para mim como também para dois dos meus melhores clientes, caras abonados de grana e assíduos especuladores.

Antes mesmo de voltar para o Brasil, comprei generosos lotes de soja Novembro.

Dito e feito.

Para mim, foram 100 lotes. Os outros dois levaram 500 cada um. O preço médio de tudo foi de aproximadamente US$ 8,78 por bushel.

Só que, na verdade, não custaram um centavo sequer.

Explico: a margem de garantia por contrato era menor do que o ajuste positivo do dia da compra. Isso porque acertei o fiofó da mosquita e o mercado já fechou no limite de alta.

Para encurtar a história, vendi os contratos 45 dias mais tarde, já com boa parte da lavoura americana de soja perdida, a US$ 10,99.

Não pensem que comprar a  US$ 8,78 e vender a US$ 10,99 significa um lucro de 25%, o que já seria bem razoável.

Acontece que os mercados futuros são extremamente alavancados.

Quinhentos lotes de soja a US$ 8,78 representam um financeiro de quase 22 milhões de dólares. Os mesmos 500, a US$ 10,99, US$ 27.475.000,00.

Vinte e dois para vinte e sete e meio milhões, foi esse o lucro. Sem que ninguém tivesse que pôr um centavo sequer.

Já lá se vão 32 anos e a soja jamais voltou a experimentar um arranco como aquele.

Mas estou sempre de olho.

Se no bull market de 1988 dos grãos ganhei todo esse dinheiro (fora a bela gratificação que recebi dos dois clientes), a porrada que dei no café em 1994 foi a que mais me deu orgulho. Por causa de minha audácia e sangue-frio.

Naquele ano, as principais regiões cafeeiras do Sul de Minas foram atingidas por duas geadas fortíssimas. A primeira delas, nos dias 26 e 27 de junho, arruinou a safra anual.

A segunda geada foi tão catastrófica que destruiu os cafezais. Trocando em miúdos, liquidou a safra dos cinco anos seguintes, que é o tempo que leva um pé de café, após ter sido plantado, para começar a produzir.

Pois bem, eu não estava comprado na primeira geada. Muito menos na segunda, que aconteceu num fim de semana.

Só quando o mercado abriu na segunda-feira, fazendo um tremendo breakaway gap, vi que não havia vendedores expressivos. Suei para comprar 50 lotes para mim.

Exatamente como no caso da soja, não precisei pôr margem, tal o ajuste positivo que recebi no dia da compra.

Naquela época eu, que andava meio duro, ganhei 180 mil dólares. Isso me permitiria viajar para os Estados Unidos e Europa para fazer as pesquisas finais de Os mercadores da noite.

Julius Clarence, caros amigos leitores, é fruto de uma geada nos cafezais e de minha ousadia.

A história não para por aqui.

Naquele ano de 1994, à geada seguiu-se uma seca em outras regiões brasileiras produtoras de café.

Seria o caso do mercado subir ainda mais. Só que, por ocasião da estiagem, ficou andando de lado e depois começou a cair devagarinho.

Eu tinha um amigo, Edwin (Ted) Arnold (1935/2015) que costumava dizer:

Mercado que reage mal a uma notícia boa é mercado de baixa”.

Nessa linha de raciocínio, mais do que lógica, quando o café não subiu, apesar da seca, pulei fora da posição.

Mais tarde, já como escritor, roteirista e colunista, andei dando outros beliscos. Mas nada que se comparasse, em audácia e destemor, ao da soja e do café.

...E ferroadas

Quer dizer que você ganha sempre”, pode estar indagando, meio irritado, o leitor.

Quem dera, meu amigo, quem dera.” Levei inúmeras tamancadas até aprender a fazer stops quando o mercado ia na direção contrária à das minhas estimativas.

Ferro mesmo tomei quando, no início da madrugada (horário do Oriente Médio) de quinta-feira, 2 de agosto de 1990, as tropas de Saddam Hussein invadiram o Kuwait.

Uma semana antes, o mercado de petróleo estava vaiado, negociado a 18 dólares o barril. Os países integrantes da OPEP haviam estabelecido um acordo de cotas.

Só que os Emirados Árabes Unidos, o Kuwait e o próprio Iraque trapaceavam, produzindo além do que lhes fora estabelecido no tratado.

Como petróleo não tem carimbo, não havia como provar a artimanha.

Eis então que a cotação do petróleo WTI, negociado na Nymex, subiu dois dólares, de 18 para 20.

Foi então que caí na besteira de vender a descoberto. Por pura burrice. Pra ganhar um ou dois dólares.

Tive de fazer um stop a US$ 27,00. Ou seja, entrei para ganhar dois, no máximo, e perdi sete.

Outra bobagem foi comprar algumas commodities só porque estavam historicamente baratas. Tipo: açúcar a dois centavos, café e suco de laranja a um dólar, cacau abaixo de mil dólares a tonelada. Tudo isso em época de superprodução.

Ficava com essas posições um tempão, esperando uma notícia bullish (altista) acontecer. Enquanto isso, pagava o preço da rolagem da posição de um mês futuro para outro.

Nessas ocasiões, nunca perdia muito mas perdia sempre.

De trader, me transformara em torcedor:

Quem sabe, tem uma seca na Costa do Marfim?”; “Quem sabe, quebra a safra de açúcar no Brasil?”; “Tomara que uma geada acabe com os laranjais da Flórida”.

Jogando na primeira divisão

Levando em conta os pros e os contras, os lances de audácia e os ataques de idiotice, consegui viver do mercado ao longo de quase toda a minha vida.

Mesmo quando me tornei escritor, vários dos meus livros, ficções e não-ficções, têm o mercado como pano de fundo.

Refiro-me a Rapina, Os mercadores da noite, Armadilha para Mkamba, Projeto Maratona, 1929, O terceiro templo e 30 lições de mercado.

Se o caro amigo leitor está pensando em investir fora do Brasil, dou a maior força.

Seu campo de possibilidades operacionais vai se multiplicar no mínimo por cem vezes.

Mas tenha em mente que lá é a primeira divisão.

Seus oponentes são os melhores traders do mundo. Os Senhores do Universo, como foram descritos por Tom Wolfe em A Fogueira das Vaidades.

Um forte abraço.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Análise

Como ficam as peças do xadrez da política após as eleições municipais

A eleição marcou a conquista de peças importantes, vitórias que serviram apenas para demarcar território e derrotas claras. Mas houve também avanços importantes mesmo de quem perdeu nas urnas

Barroso cita Shakespeare ao falar sobre 2º turno: “vai bem quando tudo acaba bem”

Barroso disse que o TSE conseguiu “neutralizar” as tentativas de cancelamento das eleições por causa da covid-19, o que, segundo o ministro, teria impactos negativos para a democracia

Eleições 2020

Doria comemora vitória de Bruno Covas com recado a Bolsonaro

Na visão do governador, o PSDB foi o grande vencedor destas eleições no Estado de São Paulo, sabe conjugar união e não foi negacionista no combate à pandemia

eleição em sp

‘Não foi nesta eleição, mas a gente vai ganhar’, diz Boulos

O psolista, que recebeu 40,62% dos votos na cidade de São Paulo, termina a eleição como um dos principais nomes do campo progressista

termômetro online

Covas cresce em buscas no Google, mas Boulos lidera ranking

Candidato do PSOL foi o mais buscado nacionalmente entre os 34 candidatos de capitais brasileiras concorrendo neste domingo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies