Menu
2020-04-02T20:45:58-03:00
Estadão Conteúdo
Discussão continua

Presidente do BB dá tréplica em Maia e diz que seu apego ao cargo é ‘zero’

presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, deu uma tréplica no presidente da Câmara, Rodrigo Maia, em meio à discussão que transcorreu o dia por conta de comentários feitos pelo executivo sobre medidas de isolamento social

2 de abril de 2020
20:45
Maia Previdência
Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, deu uma tréplica no presidente da Câmara, Rodrigo Maia, em meio à discussão que transcorreu o dia por conta de comentários feitos pelo executivo sobre medidas de isolamento social. Ele afirmou que não é apegado ao cargo e manteve o tom do "bate boca" ao mencionar o time de futebol de cada um.

"O RM (Rodrigo Maia) deu uma declaração dizendo que digo o que digo para agradar ao (presidente Jair) Bolsonaro e me manter no cargo. Resposta: O Rodrigo não me conhece. Meu apego ao cargo é zero. Nossa diferença é que eu sou Fluminense e ele é Botafogo", afirmou Novaes.

Botafogo é o time do presidente da Câmara e foi também o apelido atribuído a ele nas planilhas da Odebrecht, na Operação Lava Jato.

A tréplica ocorre após Maia afirmar, conforme noticiou o Valor Pro, que o presidente do BB era um "incompetente" e que o "único caminho" para se manter no comando do banco era "agradar o chefe", ou seja, o presidente Jair Bolsonaro.

O debate à distância dos dois começou pela manhã após Novaes enviar um vídeo postado por Bolsonaro, via WhatsApp, no qual uma mulher pede a reabertura do comércio no País, acompanhado da mensagem "Vejam isso. Caiam na real!".

A postura gerou reação por parte do presidente da Câmara dos Deputados, que aproveitou a videoconferência, pela manhã, organizada pelo Santander, para criticar a atitude. "O presidente do Banco do Brasil tem de tratar de liquidez e não sobre isolamento vertical", disse Maia, na ocasião.

A réplica ocorreu na sequência. "Quanto ao Presidente da Câmara, entendo que não deve ter entre suas preocupações principais a desestabilização de um governo eleito com expressiva maioria de votos", respondeu ele, ao Broadcast, citando as ações que o BB tem feito para garantir liquidez no sistema, com a rolagem de R$ 60 bilhões em dívidas. "O desejo de viabilização de uma candidatura do Centrão não se pode sobrepor à estabilidade institucional", acrescentou.

Depois da resposta do presidente do BB, Maia o chamou de "incompetente" e, agora, Novaes deu a tréplica, mantendo a temperatura da discussão acalorada.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Seu Dinheiro na sua noite

O grande respiro do câmbio e mais…

“Ih, vai ser uma semana daquelas”, pensei eu na segunda-feira, ao olhar a agenda de eventos previstos para os dias seguintes. Teríamos decisão do Copom e relatório de empregos nos EUA — e isso sem contar os inúmeros balanços corporativos. Em semanas assim, eu gosto de traçar alguns cenários na minha cabeça: se o BC […]

Fechamento da semana

Real ganha do dólar na semana e bolsa sobe mais de 2% com economia americana nem tão aquecida e Copom incisivo

Os problemas domésticos foram para baixo do tapete e os fatores externos ajudaram o Real a se valorizar e a bolsa a romper resistências importantes. Confira um resumo da semana.

Mudou de ideia?

Elon Musk passa a recomendar cautela com o dogecoin às vésperas de sua participação no SNL

O bilionário, que já fez a moeda-meme disparar 60% com apenas um tweet, exibiu um alerta para as limitações do mercado de criptoativos

pandemia

Estudo aponta relação entre negacionismo de Bolsonaro e evolução da pandemia no Brasil

Segundo o levantamento, em cidades onde o presidente obteve mais de 50% dos votos no segundo turno das eleições de 2018, número de mortes foi 415% maior do que nos municípios onde ele perdeu o pleito

Insistência incomoda

Ex-presidente do BC Affonso Pastore acredita que ajuste parcial da Selic é insustentável

O economista defende o reconhecimento explícito de que a instituição perseguirá o ajuste integral da taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies