Menu
2020-05-12T10:14:46-03:00
Estadão Conteúdo
CRISE POLÍTICA

PGR, AGU e Moro vão à PF em Brasília para assistir a vídeo de reunião ministerial

Moro foi a Brasília para acompanhar a exibição junto de seus advogados. A PGR indicou que assistirão ao vídeo os procuradores que já acompanham o caso – João Paulo Lordelo Guimarães Tavares, Antonio Morimoto e Hebert Reis Mesquita.

12 de maio de 2020
10:14
O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro
O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) exibe, às 8h desta terça, 12, no Instituto Nacional de Criminalística da corporação em Brasília, a um restrito grupo de autoridades que tiveram permissão do ministro do STF Celso de Mello, a íntegra da gravação da reunião ministerial ocorrida no dia 22 de abril na qual, segundo o ex-ministro Sérgio Moro, o presidente Jair Bolsonaro teria cobrado a substituição do diretor-geral da PF e do superintendente no Rio.

Em ofício enviado ao ministro Celso de Mello, a Polícia Federal informou a designação da diligência ao procurador João Paulo Lordelo, que acompanha o caso pela Procuradoria-Geral da República, a advogada da União Izabel Vinchon Nogueira de Andrade e o ex-ministro Sérgio Moro e seus advogados, além do juiz federal auxiliar do gabinete de Celso, Hugo Sinvaldo Silva da Gama Filho.

Moro foi a Brasília para acompanhar a exibição junto de seus advogados. A PGR indicou que assistirão ao vídeo os procuradores que já acompanham o caso - João Paulo Lordelo Guimarães Tavares, Antonio Morimoto e Hebert Reis Mesquita.

A autorização para que o vídeo fosse exibido à PGR, à AGU e a Moro foi dada pelo decano no último sábado, dia 9. No despacho, o ministro do STF indicou que a data de acesso seria designada pela presidente do inquérito, delegada Christiane Corrêa Machado, que mostraria o conteúdo integral do HD entregue pelo governo ao STF em "ato único".

Nesta segunda-feira, 11, Celso de Mello determinou, a pedido da PF, que uma equipe realize a perícia do vídeo logo após a exibição da gravação. O decano indicou que a AGU, a PGR e os advogados de Moro poderão apresentar, em até 24 horas, nomes para acompanharem os trabalhos dos agentes.

Celso de Mello cobrou, ainda, a degravação integral do HD externo apresentado pela União. Os arquivos deverão ser encaminhados ao seu chefe de gabinete, Miguel Piazzi. "Essa determinação é por mim adotada pelo fato de - por não me encontrar em Brasília neste período de pandemia, em razão de compor grupo de risco, embora trabalhando, intensamente, à distância - necessitar, para efeito de conhecimento integral, ter acesso ao que se contém no HD externo em causa, em ordem a poder, então, com plena ciência dos elementos existentes em tais arquivos, decidir sobre a divulgação, total ou parcial, do que se passou na reunião ministerial de 22/04/2020, realizada no Palácio do Planalto", afirmou o decano do Supremo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Exile on Wall Street

IPOs: O princípio da contraindução — voltamos a comprar powerpoints?

Podemos nos atrair por casos de crescimento. Não há o menor problema nisso. Mas que haja alguma substância. E, acima de tudo, que cometamos erros novos

REVIRAVOLTA

Ânima oferece mais e Laureate resolve rescindir acordo com a Ser Educacional

Oferta da Ânima é R$ 500 milhões superior e ela se propôs a pagar a multa de R$ 180 milhões

Mercados hoje

Ibovespa abre em alta, mas vira para queda; dólar segue em baixa

Há dúvidas sobre a capacidade de o índice se manter acima da marca, uma vez que ainda não há sinais concretos de redução do risco fiscal brasileiro, nem de acordo para novo pacote de estímulos nos EUA

Abertura de capital

Governo planeja fazer IPO de braço digital da Caixa nos próximos seis meses, diz Guedes

‘O Brasil é uma democracia digital. Na pandemia digitalizamos 64 milhões de pessoas. Quanto vale um banco com 64 milhões de pessoas que foram bancarizadas pela primeira vez e serão leais pelo resto da vida?’, afirmou o ministro

QUEM VAI LEVAR?

Totvs não desiste e estende prazo de oferta pela Linx

Empresa já havia sinalizado que seguiria na disputa com a Stone até o final

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies