Menu
2020-03-16T12:03:19-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Entrevista

BC deve cortar Selic em 1 ponto, de preferência ainda hoje, diz Giufrida, da Garde

Com o dólar nas alturas e a bolsa derretendo, o mercado de juros hoje é o que parece reunir mais fundamentos, segundo o sócio da gestora

16 de março de 2020
12:03
Marcelo Giufrida Garde
Marcelo Giufrida, sócio da Garde Asset Management - Imagem: Reprodução YouTube

Diante da insperada decisão do Banco Central norte-americano (Fed) de cortar os juros novamente de forma extraordinária, aqui no Brasil o BC deverá ser mais agressivo e cortar a taxa básica (Selic) em 1 ponto percentual. A afirmação é de Marcelo Giufrida, sócio da gestora Garde Asset Management.

Para o experiente gestor, o BC brasileiro não deveria sequer esperar a reunião do Copom – prevista para acontecer amanhã e quarta-feira – e anunciar a redução de preferência ainda hoje.

Diante do pânico nos mercados provocado pela crise do coronavírus, como a Garde vem se posicionando para aguentar o solavanco? Giufrida me disse que a gestora reduziu as posições de risco, mas que esse movimento acaba sendo pouco perceptível diante da alta volatilidade recente.

Com o dólar nas alturas e a bolsa derretendo, há pouco espaço para investidas mais ousadas. De todo modo, ele vê hoje o mercado de juros como o que parece reunir mais fundamentos. Ou seja, depois da disparada das taxas no mercado futuro na última semana há espaço para apostas na queda.

“O choque do coronavírus é recessivo, e o país ainda tem juro positivo e inflação comportada” – Marcelo Giufrida, Garde Asset Management

O sócio da Garde também vê oportunidades no mercado de ações, embora em menor grau. “Algumas empresas hoje estão valendo menos que o seu próprio caixa”, disse.

Jogo sem árbitro

O problema é que, ao contrário do mercado de juros, “a bolsa é um jogo que não tem árbitro”, na definição de Giufrida. Isso significa que a valorização das ações depende sempre de ter um comprador na outra ponta.

Para o sócio da Garde, dos três principais mercados, o câmbio é mais complicado no momento. De um lado, a desaceleração da economia global pressiona a conta corrente do país, o que reforça a tendência de alta do dólar. Do outro, o BC deve atuar para conter uma desvalorização mais aguda da moeda, que já passou por um forte ajuste.

“Temos dólar hoje mais como seguro, com uma posição levemente comprada”, me disse Giufrida.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

TECNOLOGIA

Xiaomi supera Apple em venda de celulares

O levantamento também mostra que a Samsung voltou ser a líder global de vendas de smartphones, após perder a liderança do mercado para a também chinesa Huawei, que ficou no topo por um único trimestre.

BOMBOU NO SEU DINHEIRO

Melhores da Semana: O Halloween dos mercados

A segunda onda de coronavírus é um ‘fantasma’ que ronda os mercados desde o início do ano. Muita gente não acreditou. Nesta semana, ele mostrou as caras.

POLÍTICA

Bolsonaro grava para campanhas e aposta em 2º turno em RJ e SP

Presidente busca apoiar aliados para tentar formar base nos grandes colégios eleitorais para sua campanha de reeleição em 2022

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies