Menu
2020-03-16T12:03:19-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Entrevista

BC deve cortar Selic em 1 ponto, de preferência ainda hoje, diz Giufrida, da Garde

Com o dólar nas alturas e a bolsa derretendo, o mercado de juros hoje é o que parece reunir mais fundamentos, segundo o sócio da gestora

16 de março de 2020
12:03
Marcelo Giufrida Garde
Marcelo Giufrida, sócio da Garde Asset Management - Imagem: Reprodução YouTube

Diante da insperada decisão do Banco Central norte-americano (Fed) de cortar os juros novamente de forma extraordinária, aqui no Brasil o BC deverá ser mais agressivo e cortar a taxa básica (Selic) em 1 ponto percentual. A afirmação é de Marcelo Giufrida, sócio da gestora Garde Asset Management.

Para o experiente gestor, o BC brasileiro não deveria sequer esperar a reunião do Copom – prevista para acontecer amanhã e quarta-feira – e anunciar a redução de preferência ainda hoje.

Diante do pânico nos mercados provocado pela crise do coronavírus, como a Garde vem se posicionando para aguentar o solavanco? Giufrida me disse que a gestora reduziu as posições de risco, mas que esse movimento acaba sendo pouco perceptível diante da alta volatilidade recente.

Com o dólar nas alturas e a bolsa derretendo, há pouco espaço para investidas mais ousadas. De todo modo, ele vê hoje o mercado de juros como o que parece reunir mais fundamentos. Ou seja, depois da disparada das taxas no mercado futuro na última semana há espaço para apostas na queda.

“O choque do coronavírus é recessivo, e o país ainda tem juro positivo e inflação comportada” – Marcelo Giufrida, Garde Asset Management

O sócio da Garde também vê oportunidades no mercado de ações, embora em menor grau. “Algumas empresas hoje estão valendo menos que o seu próprio caixa”, disse.

Jogo sem árbitro

O problema é que, ao contrário do mercado de juros, “a bolsa é um jogo que não tem árbitro”, na definição de Giufrida. Isso significa que a valorização das ações depende sempre de ter um comprador na outra ponta.

Para o sócio da Garde, dos três principais mercados, o câmbio é mais complicado no momento. De um lado, a desaceleração da economia global pressiona a conta corrente do país, o que reforça a tendência de alta do dólar. Do outro, o BC deve atuar para conter uma desvalorização mais aguda da moeda, que já passou por um forte ajuste.

“Temos dólar hoje mais como seguro, com uma posição levemente comprada”, me disse Giufrida.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Recessão à vista

PIB do Brasil deve cair 0,7% em 2020 por coronavírus, diz S&P

S&P Global Ratings prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve sofrer contração de 0,7% neste ano, com risco de baixa, devido aos impactos econômicos da pandemia de coronavírus

Seu Dinheiro na sua noite

Balança mas não cai?

Caro leitor, Embora a pandemia global de coronavírus ainda esteja longe de ser debelada – pelo menos com os dados e tratamentos que temos até o momento – o mercado começou a semana menos pessimista. Itália, Espanha e o estado de Nova York – três localidades críticas de disseminação da doença – mostraram, no fim […]

Embraer cortada

S&P rebaixa rating da Embraer de BBB para BBB- e mantém nota em observação

S&P diz que, em resposta à pandemia de coronavírus, muitas companhias aéreas devem tentar atrasar novas entregas de aeronaves até pelo menos o fim do terceiro trimestre de 2020, o que deve pressionar o fluxo de caixa e as métricas de crédito da empresa.

Em meio à pandemia

Telefônica, dona da Vivo, parcela fatura de inadimplentes

A Telefônica Brasil, dona da marca Vivo, decidiu flexibilizar as condições de pagamento de seus clientes de telefonia fixa e móvel, banda larga e TV por assinatura devido à crise do coronavírus

Não rolou

Clientes do Bradesco relatam instabilidade no aplicativo de internet banking

O aplicativo do Bradesco para pessoa física apresentou problemas na manhã desta segunda-feira, 6. Com o isolamento social, muitos clientes tiveram de fazer as transações via celular

Recuperação intranquila

Ibovespa passa por instabilidade com possível demissão de Mandetta, mas ainda fecha em alta firme

O Ibovespa terminou a sessão com ganhos de mais de 6%, mas ainda assim ficou distante das máximas e aquém das bolsas americanas. Tudo por causa das incertezas relacionadas à permanência do ministro da Saúde no cargo

Números atualizados

Brasil tem 553 mortes e 12 mil casos confirmados do novo coronavírus

Brasil chegou a 553 mortes em razão da pandemia do coronavírus, segundo atualização do Ministério da Saúde. Número representa um aumento de 13%

Fundos

Comprada em bolsa nos EUA, Verde Asset diz que volta de preços ocorrerá ‘mais rápido do que muitos imaginam’

Mercado já colocou nos preços uma brutal queda de lucratividade das empresas, que será revertida ao longo dos próximos anos, segundo a gestora

Não tem pra todo mundo

‘Não há como ajudar todos os setores’, diz presidente do Santander

Presidente do Santander Brasil, Sergio Rial afirmou que deve-se evitar que mais setores venham buscar dinheiro no governo por conta da crise

Premiê com covid-19

Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, dá entrada em UTI

Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, deu entrada em uma unidade de terapia intensiva após a piora no seu quadro médico, disse a BBC

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements