Menu
2020-02-27T09:33:08-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela Universidade de Federal do Paraná (UFPR). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros veículos.
olho nas cifras

Ambev registra lucro de R$ 12,5 bilhões em 2019

No quarto trimestre, lucro líquido ajustado chegou a R$ 4,6 bilhões, numa alta de quase 25%; ADRs da companhia, no entanto, caem no pré-mercado de NY

27 de fevereiro de 2020
8:18 - atualizado às 9:33
ambev
Imagem: Shutterstock

A Ambev divulgou nesta quinta-feira (27) que lucrou R$ 4,6 bilhões no quarto trimestre de 2019, pelo critério ajustado, que exclui eventos extraordinários — uma alta de 24,4%. Com o resultado o lucro líquido ajustado no ano aumentou 8,5%, atingindo R$ 12,549 bilhões.

Analistas ouvidos pela Bloomberg apontavam um lucro líquido ajustado de R$ 12,094 bilhões. A empresa atribuiu o resultado do quarto trimestre a uma menor despesa de imposto de renda — no período, o lucro por ação ajustado foi R$ 0,29 (+24,6%), enquanto no ano a cifra chegou a R$ 0,77 (+8,1%).

Ainda segundo a Ambev, a receita líquida aumentou 5,7% no quarto trimestre, com crescimento do volume de 3,4% e avanço de 2,2% da receita líquida por hectolitro (ROL/hl). A receita líquida subiu 2,8% no Brasil (+2,8%).

No acumulado do ano, a receita líquida apresentou um crescimento de 7,9%, com o volume aumentando 2,7% e a ROL/hl crescendo 5,0%, ainda de acordo com a empresa. A Ambev ainda reportou um avanço de despesas com vendas, gerais e administrativas entre 7,5% e 6,1% no ano, puxado pela pressão inflacionária na Argentina e maior investimento nas marcas.

No acumulado do ano, o Ebitda foi de R$ 21,1 bilhões (+1,5%), com margem bruta e margem Ebitda alcançando 58,8% (-260 pontos-base) e 40,2% (-260 pontos-base), respectivamente.

Avanço da receita

No acumulado do ano, a receita líquida aumentou 7,9% para R$ 52, 5 bilhões, com aumentos do volume e da receita líquida por hectolitro de, respectivamente, 2,7% e 5,0%.

Ao reportar os resultados do quarto trimestre, a Ambev afirmou que aumentou a receita porque adotou iniciativas para garantir um balanceamento entre volume e preço.

"O crescimento decorrente da contínua expansão do segmento premium foi parcialmente compensado pelo avanço de nossa estratégia de acessibilidade inteligente e pelo mix geográfico", disse a empresa.

Mudança de padrão

No balanço de 2019, a Ambev indicou que continua a estratégia de expandir o segmento "premium", seguindo a mudança de padrão de consumo de cerveja dos brasileiros.

O mercado local tem dado menos atenção o segmento “intermediário” de cervejas. Era neste último onde a tradição da Ambev estava consolidada, em marcas como Skol, Antarctica e Brahma. Com isso, a empresa segue enfrentando um ambiente competitivo.

Segundo a Ambev, em 2019 a marca Budweiser teve um papel chave como a ponte para consumidores que estão ingressando no segmento "premium" e a Stella Artois e a Corona seguiram em ritmo de crescimento.

No entanto, ao menos em um primeiro momento os investidores não aprovaram os números da empresa. No início da manhã desta quinta-feira, a ADR da Ambev negociada em Nova York recuava quase 5% no pré-mercado.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Seu Dinheiro na sua noite

La bolsa de papel

O roteiro dramático da bolsa nesses tempos de crise do coronavírus muitas vezes me lembra o da série espanhola La Casa de Papel. Para quem não conhece, trata-se da história de um grupo de ladrões que invade a Casa da Moeda para produzir e roubar o próprio dinheiro. A quarta temporada, aliás, acaba de estrear […]

Atualização do covid-19

Brasil registra 667 mortes por coronavírus e 13,7 mil casos

O número representa um aumento de 20% em relação a ontem

Flexibilização de regras

B3 suspende prazo para Oi e outras ‘penny stocks’ ajustarem cotação

Devido ao estado de calamidade pública decretado por conta do coronavírus, a bolsa anunciou uma série de suspensões e prorrogações de prazos para que empresas listadas façam ajustes de forma a se readequar às regras do mercado

Pisando fundo

Mini-rali: Ibovespa desacelera na reta final, mas fecha em alta e acumula 10% de ganhos em dois dias

O Ibovespa ganhou terreno pelo segundo dia consecutivo, amparado pela menor percepção de risco político e pelos dados econômicos domésticos mais animadores — fatores que compensaram o viés mais cauteloso visto no exterior

Precisa ser mais rápido

Luiza Trajano diz que medidas foram adequadas, mas precisam chegar na ponta

Medidas adotadas pelo governo para combater o coronavírus foram adequadas, disse a presidente do Conselho do Magazine Luiza, a empresária Luiza Trajano

Ajuda de emergência

Caixa já tem 10 milhões de cadastros finalizados, diz presidente

Presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães atualizou na tarde desta terça-feira, 7, as informações sobre a procura por trabalhadores informais, autônomos e microempreendedores individuais (MEIs) ao cadastro para o recebimento do auxílio emergencial

Mais crédito

BCE anuncia medidas que flexibilizam garantias necessárias para empréstimos

Banco Central Europeu (BCE) anunciou nesta terça-feira, 7, um pacote de medidas que flexibiliza garantias necessárias para empréstimos, com o objetivo de ampliar a tomada de crédito em meio à crise trazida pelo novo coronavírus

Efeito covid-19

S&P muda perspectiva de positiva para estável de instituições financeiras do Brasil

S&P informou em comunicado que a revisão da perspectiva, de positiva para estável, dos ratings de 15 instituições do setor financeiro do Brasil

Efeitos negativos

Com coronavírus, setor de telecom e TI deve perder US$ 15 bilhões na América Latina

Setor de telecomunicações e tecnologia da informação vai interromper o ciclo de crescimento e encerrar o ano em queda devido à crise do coronavírus, de acordo com projeção da consultoria IDC

o baque da pandemia

Covid-19 faz comércio perder R$ 53,3 bi em faturamento, diz CNC

Estimativa sinaliza uma queda de 46,1% no faturamento do comércio varejista desde a introdução de medidas restritivas até esta terça-feira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements