Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-12-12T14:47:03-03:00
Estadão Conteúdo
banco mais segmentado

Itaú Unibanco dobra comitê executivo e confirma 11 nomes

No novo formato, mais segmentado, o diretor executivo de varejo do Itaú, André Rodrigues, assume o cargo de responsável pelo banco de varejo

11 de dezembro de 2020
20:41 - atualizado às 14:47
Agência do Itaú
Imagem: Shutterstock

O Itaú Unibanco confirmou que vai dobrar o tamanho do seu comitê executivo. O grupo, antes formado por seis integrantes, passará a ter 12 membros, dos quais 11 nomes já estão definidos.

Falta apenas definir quem ficará responsável por uma estrutura que será criada e englobará as áreas de Tesourarias, Produtos Ativos e Mesas Clientes, Macroeconomia, bem como as operações do banco na América do Sul (Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile e Colômbia).

A nova composição do comitê executivo do Itaú começará a atuar no dia 2 de janeiro, de acordo com fontes. O atual presidente do banco, Candido Bracher, e os diretores gerais de varejo, Marcio Schettini, e de atacado, Caio David, atuarão na transição até o dia 2 de fevereiro.

No novo formato, mais segmentado, o diretor executivo de varejo do Itaú, André Rodrigues, assume o cargo de responsável pelo banco de varejo. Em suas mãos, estarão algumas das principais áreas do negócio, tais como os clientes de varejo, incluindo os de alta renda, seguros, canais digitais, crédito de pessoa jurídica, entre outros.

Já o até então diretor vice-presidente de tecnologia, André Sapoznik, passa a responder por uma 'nova' área de pagamentos, que inclui cartões, a Rede, de maquininhas, dentre outros negócios. Abaixo dele, o diretor Ricardo Guerra assumirá o segmento de tecnologia. Sapoznik, que já pertencia ao comitê executivo do banco, responderá ainda pelas áreas de operações e atendimento. Passará, ainda, a integrar o de marketing do Itaú.

Ainda no varejo, o diretor executivo Alexandre Zancarini tocará as áreas de financiamento de veículos, crédito imobiliário, consórcio, recuperação de crédito, dentre outras. Com essa mudança, o até então responsável pelas áreas de crédito e recuperação, Marcos Magalhães, ajudará na transição. Sua futura posição não foi revelada.

No segmento de atacado, o Itaú BBA será presidido por Flávio Souza, que ficará responsável pelas áreas de commercial banking, distribuição de renda fixa e variável, dentre outras. A área de research também estará sob seu guarda-chuva e seguirá sendo comandada pelo economista Mário Mesquita. O diretor executivo de wealth management, Carlos Constantini, segue no comando da área, que abrange ainda asset management, private, investimentos e outras.

O diretor executivo Alexsandro Broedel será o CFO diretor financeiro do banco, sucedendo Maluhy na função. Com ele estarão as áreas de finanças, relações com investidor, ativos imobiliários, patrimônio, compras e ativos.

Leila Mello será a responsável pelas áreas de jurídico, ouvidoria, comunicação institucional, sustentabilidade e relações governamentais, conforme antecipou o Broadcast em agosto. Ela substituirá a vice-presidente Claudia Politanski, que está de saída do banco. Será ainda a única representante mulher no Comitê executivo assim como sua antecessora

O CRO, responsável pela geração de receitas, será Matias Granata, que ficará com risco de mercado, crédito e operacional, gestão de capital, compliance e PLD. A área de pessoas será liderada por Sérgio Fajerman.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies