Menu
2020-08-25T11:26:43-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Renda fixa sem imposto

Eneva vai captar R$ 835 milhões com debêntures isentas de IR; veja as condições

Você pode emprestar dinheiro para a Eneva recebendo uma taxa que pode ficar acima da oferecida pelos títulos públicos e ainda com isenção de imposto de renda

25 de agosto de 2020
11:26
Complexo Parnaíba, parque de geração de energia da Eneva
Complexo Parnaíba, parque de geração de energia da Eneva - Imagem: Divulgação

A empresa de geração de energia Eneva vai tomar dinheiro emprestado no mercado de capitais. A companhia pretende captar R$ 835 milhões por meio de uma emissão de debêntures.

Você pode emprestar dinheiro para a Eneva recebendo uma taxa que pode ficar acima da oferecida pelos títulos públicos e ainda com isenção de imposto de renda. Isso porque as debêntures se enquadram na lei que concede benefício fiscal para captações destinadas a projetos de infraestrutura.

A Eneva pretende usar os recursos para financiar os projetos dos blocos de exploração de petróleo e gás natural do Parque dos Gaviões, além dos projetos de geração de energia termelétrica Parnaíba VI e Jaguatirica II.

Prazo e taxas

As debêntures serão emitidas em duas séries: a primeira tem prazo de vencimento de dez anos e a segunda de 15 anos. Isso significa que o investidor que precisar do dinheiro antes desse prazo terá de vender seus papéis no mercado.

Para aumentar a liquidez dos papéis, a XP Investimentos foi contratada para fazer o trabalho de formador de mercado.

Na primeira série, as debêntures da Eneva vão pagar ao investidor uma remuneração máxima equivalente à taxa do Tesouro IPCA (título público corrigido pela inflação) com vencimento em 2030 mais 1,05% ao ano ou 3,90% ao ano corrigido pela inflação.

Quem investir na segunda série das debêntures receberá juros de até 1,10% mais a taxa do Tesouro IPCA de 2035 ou 4,35% ao ano mais a inflação. Mas vale lembrar que a remuneração final pode ser menor dependendo da procura dos investidores pelos papéis.

A empresa vai pagar os juros a cada semestre, no dia 15 dos meses de setembro e março de cada ano. O valor principal será pago em três parcelas nos últimos três anos antes do vencimento.

O principal risco de quem investe em títulos privados de empresas é um possível calote da dívida. Mas a emissão da Eneva foi considerada de baixo risco pela agência de classificação de risco S&P, que atribuiu nota "AAA" para as debêntures, a melhor possível dentro da escala da agência.

A empresa reservou um mínimo de 10% da oferta para os investidores de varejo. O período de reserva vai de 1º a 15 de setembro. Se a demanda superar esse percentual, poderá haver rateio. A liquidação da oferta está prevista para o dia 29.

A emissão é coordenada por Itaú BBA, BB Investimentos, Bradesco BBI, BTG Pactual e XP Investimentos.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

seu dinheiro na sua noite

A vingança das sardinhas

Podia ser o título de um filme de terror, mas está mais para uma história de superação. No jargão do mercado financeiro, sardinhas são os pequenos investidores — pessoas físicas como eu e você. No mar revolto da bolsa de valores, as sardinhas costumam virar presas fáceis para os grandes investidores — ou tubarões, como […]

balanço

Pix movimenta R$ 11,8 bilhões na primeira semana de operação

Volume considera as transações realizadas entre o dia 16 de novembro, início da ferramenta, até ontem, dia 22

ainda não é oficial

Biden deve nomear Janet Yellen como secretária do Tesouro, diz jornal

Se confirmada pelo Senado, Janet Yellen será a primeira mulher a assumir a função; bolsas subiram com a notícia

fim do dia

Tudo para cima: Ibovespa fecha em alta com vacina de Oxford 70% eficaz, enquanto risco fiscal pressiona dólar e juros

Principal índice da B3 fecha no maior patamar desde 21 de fevereiro e acumula ganhos de 14% em novembro. Paralisia com reformas e crescente dívida pública instigam alta da moeda americana

Corrida contra o tempo

Moody’s: vacinação em massa tem potencial significativo de melhora do PIB global

Hoje foi a vez da AstraZeneca, que seguiu as farmacêuticas Moderna e Pfizer nas semanas anteriores, todas com eficácia na casa dos 90%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies