Menu
2020-01-03T11:04:27-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
acordo

Alvo de ações judiciais, Braskem assina acordo de R$ 2,7 bi para compensar moradores em Maceió

Moradores de ao menos três bairros relatavam fissuras e rachaduras em vias e imóveis da região; empresa tinha quase R$ 40 bilhões em ações judiciais

3 de janeiro de 2020
10:17 - atualizado às 11:04
mineração
Imagem: Shutterstock

A petroquímica Braskem, controlada pela Odebrecht, assinou um acordo de R$ 2,7 bilhões para compensar moradores afetados pela atividade de mineração em Maceió (AL). A empresa era alvo de quase R$ 40 bilhões em ações judiciais.

Com a divulgação do acordo, as ações da Brakem sobem 3,40%, a R$ 31,41, na manhã desta sexta-feira (3). O desempenho está entre as maiores altas do Ibovespa, que opera em queda de 1,03%, aos 117.354,48 pontos.

Moradores de ao menos três bairros relatavam fissuras e rachaduras em vias e imóveis da região. Estudos do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), do Ministério de Minas e Energia (MME), indicaram que os danos estariam associados às atividades de exploração de sal-gema pela petroquímica.

Segundo a própria Braskem, a empresa deve usar R$ 1,7 bilhão para compensar financeiramente os moradores e R$ 1 bilhão para fechamento de poços de sal. A estimativa preliminar da companhia é que o programa de apoio à desocupação envolva cerca de 17 mil pessoas.

As autoridades concordaram com a restituição de cerca de R$ 3,7 bilhões até então bloqueados do caixa da Braskem - R$ 1,7 bilhão será transferido para uma conta bancária da empresa específica para o programa de compensação financeira.

Caso esse valor não seja suficiente para arcar com todas as obrigações assumidas, a empresa deverá fazer aportes financeiros que garantam, no mínimo, um saldo de R$ 100 milhões até que todos os atingidos das áreas delimitadas no acordo sejam contemplados.

A empresa ainda conseguiu a substituição de R$ 6,4 bilhões de seguro-garantia por dois de R$ 3 bilhões.

O documento, protocolado nesta sexta-feira (3), na Justiça Federal, diz respeito aos bairros de Mutange, Bom Parto, Pinheiro e Bebedouro. O acordo foi assinado pela Defensoria Pública, Ministério Público do Estado, além de Ministério Público Federal e Defensoria Pública da União.

"Vale destacar que, segundo a cláusula 55ª, o acordo não vincula e não gera obrigações para as vítimas que não concordarem com as propostas da Braskem, estando elas livres para adotarem as medidas que entenderem pertinentes", diz o MPF.

O acordo acontece em meio a seguidas perdas que a empresa sofre em razão da recuperação judicial da Odebrecht, a controladora. Em novembro, a situação da companhia levou as agências de classificação de risco S&P e Fitch alteraram suas perspectivas para a Braskem.

A S&P mudou sua classificaçao de estável para negativa, mas reafirmou o rating BBB- da companhia. A Fitch também reafirmou o rating de crédito BBB-, mas alterou sua perspectiva para a companhia de estável para negativa.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Ninguém escapa

Cenário turbulento afeta até mesmo os IPOs da saúde, um dos setores preferidos dos investidores

Empresas com ofertas ambiciosas tiveram de reduzir suas estimativas de preços ou adiar datas para seguir com as operações

Disparada

No embalo do recorde do bitcoin, ações da Coinbase disparam mais de 70% na estreia na Nasdaq

O CEO da empresa, Brian Armstrong, comentou mais cedo sobre a abertura de capital da Coinbase ao portal CNBC

Fura-teto?

Criticado, governo vai rever PEC que livra obras do teto

O texto não caiu bem entre economistas, parlamentares e membros do próprio governo federal

Relembre a história

Crime e castigo: Bernie Madoff, responsável pela maior pirâmide financeira da história, morre na cadeia

Condenado a 150 anos de prisão, financista que fraudou US$ 20 bilhões e enganou milhares de investidores morreu em desgraça aos 82 anos. Conheça sua história e relembre seus crimes.

Atividade em queda

Indicador da FGV mostra contração da economia em março com agravamento da pandemia

A queda nas expectativas dos consumidores foi um dos destaques negativos entre os componentes do indicador

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies