🔴 [EVENTO GRATUITO] COMPRAR OU VENDER VALE3? INSCREVA-SE AQUI

Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
Ainda não

Petrobras recusa proposta do BTG Pactual para compra da Braskem, diz colunista

Restam, agora, outros dois lances firmes pela compra da Braskem na mesa, um da Apollo Global e outro da Unipar

Flavia Alemi
Flavia Alemi
28 de agosto de 2022
14:00 - atualizado às 21:21
Fábrica de cloro-soda da Braskem em Maceió
Fábrica de cloro-soda da Braskem em Maceió (AL) - Imagem: Braskem

Não foi dessa vez que a Petrobras (PETR4) conseguiu vender sua participação na Braskem (BRKM5). De acordo com o colunista Lauro Jardim, d'O Globo, a estatal recusou formalmente uma proposta do BTG Pactual pela petroquímica.

A estrutura societária da Braskem é dividida entre a Petrobras, que tem 47% da empresa, e a Novonor (ex-Odebrecht), cuja fatia é de 50,1%. A proposta do BTG Pactual incluía a compra das dívidas da Novonor que são garantidas por ações da Braskem.

Restam, agora, outros dois lances firmes na mesa.

Um deles foi proposto pela gestora americana Apollo Global por 100% da Braskem e inclui o fechamento do capital da companhia.

O outro é da Unipar, que diz respeito a apenas as unidades produtoras de nafta em São Paulo, que vai contra o desejo dos controladores de fatiar a Braskem.

A venda da Braskem se arrasta há cerca de quatro anos, num período marcado por tentativas que não vingaram. Em 2019, a holandesa LyondellBasell estava com tudo encaminhado para comprar a Braskem, mas acabou desistindo.

Desde então, volta e meia apareceram rumores no mercado de outros interessados na petroquímica, mas nada foi para frente.

A Braskem e o afundamento de Maceió

Quando a LyondellBasell desistiu formalmente de comprar a Braskem, não foi dada uma justificativa clara.

A nota da companhia holandesa dizia, apenas, que a compra era positiva devido a uma sinergia com o portfólio da empresa, mas que havia decidido não seguir adiante. Você pode ler a íntegra do comunicado (em inglês) aqui.

Mas vale lembrar que, na época, a Braskem estava sendo acusada de um afundamento de solo na cidade de Maceió (AL), o que causou uma séria crise de imagem para a companhia.

O caso começou com tremores de terra registrados em 2018 numa região de Maceió na qual a Braskem explorava sal-gema, insumo da cadeia produtiva do PVC. Os tremores provocaram rachaduras em casas e edifícios, além de crateras nas ruas de vários bairros da cidade, forçando milhares de moradores a se mudar por questões de segurança.

Em abril do ano seguinte, as autoridades brasileiras entraram com processo contra a Braskem e em maio o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) publicou um estudo que concluía que, de fato, a principal causa das rachaduras era a atividade da petroquímica. A desistência do negócio com a LyondellBasell veio em junho daquele ano.

A Braskem teve de encerrar a exploração de sal-gema e também as fábricas de cloro-álcali e dicloreto de etileno em Maceió. Desde então, a companhia gastou bilhões de reais para realocar as famílias atingidas pelas rachaduras.

Somando valores já desembolsados e provisionados, a conta da Braskem devido ao que ela chama de "evento geológico" chega a quase R$ 13 bilhões.

No prejuízo

No segundo trimestre de 2022, a Braskem reverteu o lucro e anotou prejuízo líquido de R$ 1,4 bilhão. De acordo com a petroquímica, o resultado foi impactado pela variação cambial no resultado financeiro e por um ajuste da provisão com o problema em Maceió.

Foram acrescentados R$ 1,25 bilhão ao saldo provisionado da empresa, que no final de junho chegava a R$ 7,7 bilhões. Desse total, R$ 2,7 bilhões dizem respeito a acordos de compensação financeira com as famílias afetadas e com a realocação delas.

De acordo com a Braskem, até 31 de julho, foram apresentadas 16.468 propostas de compensação financeira às famílias realocadas, com índice de aceitação de 99,6%.

Leia mais

Compartilhe

BOLSA NA SEMANA

Petz (PETZ3) zera as perdas do ano enquanto CVC (CVCB3) despenca quase 15% — veja o que foi destaque na bolsa na semana

20 de abril de 2024 - 12:50

Ibovespa teve uma sequência de seis quedas com a disparada do dólar em meio às incertezas sobre os juros nos EUA

APERTA O PLAY!

Barril de pólvora — e inflação. Como o conflito no Oriente Médio e os juros nos EUA mexem com a bolsa e o dólar

20 de abril de 2024 - 11:02

O podcast Touros e Ursos recebe João Piccioni, CIO da Empiricus Gestão, para comentar a escalada das tensões entre Irã e Israel e a pressão inflacionária nos EUA

VOLTOU ATRÁS

Vitória dos acionistas? Petrobras (PETR4) pode distribuir parte dos dividendos extraordinários após sinal verde de Lula

20 de abril de 2024 - 9:58

O pagamento dos proventos foi aprovado pelo conselho de administração e deve ser votado na assembleia geral na próxima semana

Market Makers

Vale (VALE3) é a mais barata do setor de mineração e sai ganhando com futuro promissor do minério de ferro

19 de abril de 2024 - 13:46

Eu, Matheus Soares, enxergo um grande potencial na commodity independentemente da crise de sua maior exportadora: a China — e a mineradora brasileira sai ganhando com isso

SAIBA MAIS

XP Malls (XPML11) vai pagar o segundo maior dividendo de sua história neste mês; veja quem tem direito a receber

19 de abril de 2024 - 11:54

De acordo com comunicado enviado ao mercado na noite de quinta-feira (18), o XPML11 distribuirá R$ 0,91 por cota neste mês

MERCADO DE CAPITAIS

Boa Safra (SOJA3) supera o “El Niño” da bolsa e capta R$ 300 milhões em oferta de ações

19 de abril de 2024 - 10:17

Apesar do momento de seca da bolsa, a Boa Safra encontrou uma boa demanda para os papéis no mercado; preço por ação saiu a R$ 16,50

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Dólar perde força e fecha abaixo de R$ 5,20; Ibovespa reduz as perdas da semana com “empurrão” de Petrobras (PETR4)

19 de abril de 2024 - 6:50

RESUMO DO DIA: Embora a tempestade que assombrou a semana não tenha se dissipado totalmente, o Ibovespa conseguiu emplacar a segunda alta consecutiva com apoio de Petrobras (PETR4) — que fez o índice reduzir as perdas dos últimos pregões. O Ibovespa fechou com alta de 0,75%, aos 125.124 pontos. Na semana, o recuo foi de […]

DE OLHO NAS REDES

Petrobras (PETR4): e se a melhor e pior notícia que a empresa poderia dar vierem juntas, o que seria das ações? 

18 de abril de 2024 - 13:30

De uns tempos para cá, a Petrobras vem testando os nervos dos investidores. Há alguns dias, rumores de que os saudosos dividendos extraordinários que foram retidos pela companhia finalmente poderiam sair, o que animou o mercado — e fez as ações saltarem.  Mas logo veio um potencial balde de água fria: Aloizio Mercadante poderia assumir […]

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Nova York e Petrobras (PETR4) contaminam Ibovespa, que fecha próximo da estabilidade; dólar tem leve alta a R$ 5,25

18 de abril de 2024 - 6:35

RESUMO DO DIA: Para acertar o alvo, às vezes é preciso mais de uma flecha, ainda que a mira esteja no ponto certo. Mesmo com as incertezas sobre os juros e a questão fiscal no ar, o Ibovespa conseguiu terminar o dia em tom positivo. O principal índice da bolsa brasileira ficou próximo da estabilidade […]

AÇÕES NO SHAPE

Smart Fit (SMFT3) vai virar “monstro”? Banco recomenda compra das ações e vê espaço para rede de academias dobrar de tamanho

17 de abril de 2024 - 15:25

Os analistas do JP Morgan calcularam um preço-alvo de R$ 31 para os papéis da Smart Fit (SMFT3), o que representa um potencial de alta da ordem de 30%

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar