Menu
2020-07-31T17:31:56-03:00
Estadão Conteúdo
42% veem alta nas vendas

Otimista, varejo de construção vende mais durante a pandemia que no ano passado

De março a maio, 42% dos varejistas de construção perceberam crescimento nas vendas em relação ao mesmo período de 2019

31 de julho de 2020
16:59 - atualizado às 17:31
Fábrica material de construção
Imagem: Shutterstock

De março a maio, 42% dos varejistas de construção perceberam crescimento nas vendas em relação ao mesmo período de 2019. Os que apontaram queda foram 20% e aqueles que registraram um faturamento constante foram 38%. O fato do setor ter conseguido autorização para permanecer aberto desde o fim de março foi essencial para a percepção de melhora do lojistas do ramo. Os dados são do Termômetro Anamaco, pesquisa da Associação Nacional de Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), em parceria com a Fundação Getúlio Vargas. O levantamento, adiantado ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), foi realizado durante o mês de junho.

Mesmo com a percepção de melhora dos comerciantes de varejo, a indústria de materiais de construção não vive um bom momento. Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat), o primeiro semestre de 2020 deve apresentar queda de 14,2% no faturamento do setor na comparação com o mesmo período de 2019. Em maio, último mês revisado, a queda em relação ao ano passado foi de 21,5%. No varejo em geral, a situação só começou a melhorar em maio.

Segundo o IBGE, após duas fortes quedas em março e abril (14% e 17,5%, respectivamente), o volume de vendas no varejo ampliado teve alta acentuada em maio, de 19,6%. No acumulado do ano até maio, esse indicador registrou queda de 8,6%.

Para o superintendente da Anamaco, Waldir Abreu, é esperado que o varejo seja mais positivo em suas percepções e expectativas. "O comerciante é otimista por natureza, repõe estoques, faz compras. A indústria, por outro lado, é sempre menos otimista", explica. Na visão de 45% dos varejistas pesquisados, por exemplo, haverá crescimento nos próximos três meses. Apenas 11% esperam queda e 44% dos participantes acreditam na estabilidade. O ânimo dos comerciantes de materiais de construção tem algumas razões de existir. Segundo o Termômetro Anamaco, a hipótese mais razoável é de que as medidas de sustentação da renda, com destaque para o Auxílio Emergencial, favoreceram a demanda por materiais de construção.

A pesquisa indica ainda que a continuação do otimismo desses varejistas no segundo semestre depende do arrefecimento da pandemia e da rápida recuperação das atividades econômicas. Como esse cenário é "pouco provável", um caminho apontado pelo levantamento para dar manutenção às boas expectativas é a "combinação de uma lenta recuperação da economia, com prorrogação - ainda que parcial - das medidas de sustentação da renda".

Diferenças

Ainda que a maioria dos pesquisados tenha indicado aumento de vendas na comparação com o ano passado, as empresas menores foram as que mais relataram um cenário oposto. Das firmas com 1 a 4 funcionários, 33% reportaram queda nas vendas. Nas empresas com mais empregados, essa porcentagem variou de 14% a 20%. Além disso chamou a atenção o fato do segmento de cerâmica ser um dos que apresentou melhor desempenho.

Das casas de construção especializadas em revestimentos, 67% declararam ter um resultado positivo de março a maio. Dentre as focadas em produtos básicos, esse índice foi de 46%. A pior percepção foi das casas voltadas para material elétrico, apenas 30% registraram resultados positivos.

"Uma parte do aumento de vendas, sem dúvida, vem do auxílio emergencial. Mas quando vemos que o setor de cerâmicas se destacou, percebemos que esse consumo é maior do que o incentivo do governo. As pessoas não pararam suas obras e sentiram vontade de mexer com a casa por passar mais tempo nela", diz Waldir Abreu. Ele lembra ainda que, tradicionalmente, o segundo semestre costuma ser melhor para o setor. No mês de junho, aliás, quando foi realizada a pesquisa, 46% dos lojistas já assinalava mais uma alta de vendas para o mês. Mesmo assim, Abreu chama a atenção para o fato de que o aumento do número de desempregados é preocupante para o setor.

"A preocupação de agora é que, no setor de comércio e serviços, o desemprego chegou a 30%. Se não houver desoneração da folha de pagamento e prorrogação das medidas de suspensão de contratos e redução de jornada, esse nível de desemprego pode subir", diz o superintendente da Anamaco.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

após relatório da inflação

Retomada indica que País está acima da média de emergentes, diz Campos Neto

Presidente do BC disse que a autoridade monetária tem posição de “absoluta tranquilidade” em relação à inflação e afirmou não acreditar que a alta nos preços de alimentos neste ano possa impactar a inflação em 2021

De olho no e-commerce

Vinci Partners assina joint venture com Fulwood para desenvolver até R$ 1 bilhão em galpões logísticos

Recursos serão captados por fundo imobiliário inicialmente não negociado em bolsa; motivação é o desenvolvimento do e-commerce na pandemia

saída da crise

Analistas e BC têm se surpreendido com números melhores da atividade, diz Kanczuk

Banco Central atualizou nesta quinta no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) sua projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. A expectativa para a economia este ano passou de queda de 6,4% para retração de 5,0%

MERCADO DE TRABALHO

Nos EUA, pedidos de auxílio-desemprego sobem 4 mil na semana, a 870 mil

Resultado ficou acima da expectativa dos analistas, que previam 850 mil solicitações na última semana

retomada econômica

Sem Petrobras e Vale, lucro das empresas deve crescer 14% em 2021

Análise foi feita pelo BTG e compara as perspectivas sobre os resultados de 2019; expectativa melhorou em relação ao relatório anterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements