Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-07-31T17:31:56-03:00
Estadão Conteúdo
42% veem alta nas vendas

Otimista, varejo de construção vende mais durante a pandemia que no ano passado

De março a maio, 42% dos varejistas de construção perceberam crescimento nas vendas em relação ao mesmo período de 2019

31 de julho de 2020
16:59 - atualizado às 17:31
Fábrica material de construção
Imagem: Shutterstock

De março a maio, 42% dos varejistas de construção perceberam crescimento nas vendas em relação ao mesmo período de 2019. Os que apontaram queda foram 20% e aqueles que registraram um faturamento constante foram 38%. O fato do setor ter conseguido autorização para permanecer aberto desde o fim de março foi essencial para a percepção de melhora do lojistas do ramo. Os dados são do Termômetro Anamaco, pesquisa da Associação Nacional de Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), em parceria com a Fundação Getúlio Vargas. O levantamento, adiantado ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), foi realizado durante o mês de junho.

Mesmo com a percepção de melhora dos comerciantes de varejo, a indústria de materiais de construção não vive um bom momento. Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat), o primeiro semestre de 2020 deve apresentar queda de 14,2% no faturamento do setor na comparação com o mesmo período de 2019. Em maio, último mês revisado, a queda em relação ao ano passado foi de 21,5%. No varejo em geral, a situação só começou a melhorar em maio.

Segundo o IBGE, após duas fortes quedas em março e abril (14% e 17,5%, respectivamente), o volume de vendas no varejo ampliado teve alta acentuada em maio, de 19,6%. No acumulado do ano até maio, esse indicador registrou queda de 8,6%.

Para o superintendente da Anamaco, Waldir Abreu, é esperado que o varejo seja mais positivo em suas percepções e expectativas. "O comerciante é otimista por natureza, repõe estoques, faz compras. A indústria, por outro lado, é sempre menos otimista", explica. Na visão de 45% dos varejistas pesquisados, por exemplo, haverá crescimento nos próximos três meses. Apenas 11% esperam queda e 44% dos participantes acreditam na estabilidade. O ânimo dos comerciantes de materiais de construção tem algumas razões de existir. Segundo o Termômetro Anamaco, a hipótese mais razoável é de que as medidas de sustentação da renda, com destaque para o Auxílio Emergencial, favoreceram a demanda por materiais de construção.

A pesquisa indica ainda que a continuação do otimismo desses varejistas no segundo semestre depende do arrefecimento da pandemia e da rápida recuperação das atividades econômicas. Como esse cenário é "pouco provável", um caminho apontado pelo levantamento para dar manutenção às boas expectativas é a "combinação de uma lenta recuperação da economia, com prorrogação - ainda que parcial - das medidas de sustentação da renda".

Diferenças

Ainda que a maioria dos pesquisados tenha indicado aumento de vendas na comparação com o ano passado, as empresas menores foram as que mais relataram um cenário oposto. Das firmas com 1 a 4 funcionários, 33% reportaram queda nas vendas. Nas empresas com mais empregados, essa porcentagem variou de 14% a 20%. Além disso chamou a atenção o fato do segmento de cerâmica ser um dos que apresentou melhor desempenho.

Das casas de construção especializadas em revestimentos, 67% declararam ter um resultado positivo de março a maio. Dentre as focadas em produtos básicos, esse índice foi de 46%. A pior percepção foi das casas voltadas para material elétrico, apenas 30% registraram resultados positivos.

"Uma parte do aumento de vendas, sem dúvida, vem do auxílio emergencial. Mas quando vemos que o setor de cerâmicas se destacou, percebemos que esse consumo é maior do que o incentivo do governo. As pessoas não pararam suas obras e sentiram vontade de mexer com a casa por passar mais tempo nela", diz Waldir Abreu. Ele lembra ainda que, tradicionalmente, o segundo semestre costuma ser melhor para o setor. No mês de junho, aliás, quando foi realizada a pesquisa, 46% dos lojistas já assinalava mais uma alta de vendas para o mês. Mesmo assim, Abreu chama a atenção para o fato de que o aumento do número de desempregados é preocupante para o setor.

"A preocupação de agora é que, no setor de comércio e serviços, o desemprego chegou a 30%. Se não houver desoneração da folha de pagamento e prorrogação das medidas de suspensão de contratos e redução de jornada, esse nível de desemprego pode subir", diz o superintendente da Anamaco.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

efeito pandemia

Sem peças importadas, indústria busca produção local, mas esbarra em custo

Escassez de produtos como máscaras e respiradores, que marcou o início da pandemia, depois se estendeu a semicondutores, insumos e autopeças e se agravou com o aumento dos preços

é possível, sim

O segredo para ser feliz no trabalho, segundo esta especialista

Beverly Jones, autora do “Find Your Happy at Work”, arriscou algumas respostas em entrevista recente e falou sobre desconforto, networking e tédio; veja abaixo

em família

Sobrinho-neto do bilionário Warren Buffett supera Berkshire Hathaway no ano

Ações da Boston Omaha, holding de capital aberto co-liderada pelo sobrinho-neto do bilionário, Alex Buffett Rozek, estão batendo os papéis da Berkshire Hathaway

novo serviço

Grupo pão de Açúcar vai fazer entrega para lojistas de seu marketplace

No próximo ano, a companhia passará a oferecer a possibilidade de que os lojistas virtuais armazenem produtos nos centros de distribuição do GPA

inovação

Varejo online agora quer conquistar a fronteira da venda de produto fresco

A partir do mês que vem, começa a funcionar no País uma startup mexicana de tecnologia do setor de supermercados que vai explorar exatamente esse filão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies