Menu
2020-01-30T16:37:04-03:00
Estadão Conteúdo
OLHO NO ÍNDICE

IGP-M poderá cair, com carnes e efeito de Coronavírus em commodities, diz FGV

A cotação das principais commodities têm sido afetada pelo temor com a infecção por coronavírus, que tende a impactar o desempenho da economia global

30 de janeiro de 2020
16:37
Moedas de real mostram queda ou desvalorização
Imagem: Shutterstock

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) já mostrou em janeiro a descompressão do choque de carnes, tanto no atacado quanto no varejo, o que levou ao forte alívio para 0,48%, de 2,09% em dezembro, diz o economista André Braz, da Fundação Getulio Vargas (FGV) - responsável pelo índice. Esse movimento tende a continuar em fevereiro, o que em conjunto com os preços contidos de commodities podem possibilitar uma deflação no IGP-M, avalia.

A cotação das principais commodities têm sido afetada pelo temor com a infecção por coronavírus, que tende a impactar o desempenho da economia global.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que passou de 2,84% no último mês de 2019 para 0,50% na primeira leitura deste ano, captou queda das proteínas, tanto no campo, quanto o alimento já industrializado.

Os bovinos, antes do abate, passaram de 19,57% em dezembro para queda de 5,83% em janeiro, enquanto as aves passaram de alta de 2% para deflação de 0,61%. Já os suínos subiram com menos ímpeto, de 9,30% para 3,19%.

Em 12 meses, contudo, continuam com aumentos elevados: de 28,98%, 14,33% e 48,92%, respectivamente, o que, segundo Braz, indica que há espaço para novas reduções nas próximas leituras do IGP-M.

O mesmo acontece com as carnes já processadas: carnes bovinas (20,37% para -3,15%), de aves (7,65% para -1,33%) e suína (5,71% para 0,26%). Em 12 meses, altas de 29,59%, 17,42%, e 31,19%, nessa ordem.

O varejo também mostra esse comportamento, com as carnes bovinas mostrando alívio de 18,03% para 1,95%, mas acumulando alta de 27,24% no acumulado em 12 meses. "Ainda têm fôlego para continuar desacelerando. Já tínhamos a percepção de que o choque seria grande, mas temporário. Mas achávamos que a devolução começaria mais em fevereiro. No entanto, já começou a acontecer em janeiro."

Além da influência de baixa que as carnes devem continuar exercendo, Braz lembra que commodities como minério de ferro e também as agrícolas, como a soja, devem conduzir também o IGP-M a uma taxa menor em fevereiro. Da mesma forma, os preços de combustíveis devem ceder.

A Petrobras já reduziu duas vezes os preços de gasolina e diesel em janeiro e a perspectiva é de nova queda, com o recuo do petróleo. Todas essas commodities estão sendo afetadas pelo temor com o coronavírus, que deve reduzir o crescimento global e especialmente o chinês, lembra Braz. "Na China, por conta do coronavírus, tem uma desaceleração da atividade. Isso pode ajudar a descomprimir mais no índice os preços de carne, pela redução de embarques brasileiros, e também de outras commodities, como minério de ferro."

Em fevereiro, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que passou de 0,84% para 0,52% entre dezembro e janeiro, deve continuar a perder força, principalmente porque o aumento sazonal de mensalidades escolares, captado no primeiro mês pela FGV, terá contribuição menor.

O IGP-M mostrou impacto dos 20 primeiros dias de janeiro do aumento dos cursos formais, de 2,84%. No segundo mês, Braz avalia que o IPC-M pode ficar em torno de 0,30%.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Renda variável

Na batalha das corretoras, Rico vai zerar taxa em operações com opções

A medida busca tornar a corretora mais competitiva e reforçar a atuação do grupo no ramo da renda variável

Concursos públicos

De olho nos concurseiros, Yduqs anuncia aquisição da plataforma de EaD Qconcursos

Plataforma de cursos preparatórios para concursos públicos tem 412 mil alunos pagantes e mira mercado potencial de 17 milhões de pessoas; valor da operação não foi divulgado

Mostrando as garras

Dirigente do Fed fala em alta de juros em 2022 e admite postura mais agressiva contra inflação

Em entrevista à CNBC, Bullard disse que o Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) adotou uma posição mais dura no encontro deste mês

Entrando no pet shop

O plano da BRF: colocar comida na sua mesa e ração no potinho do seu pet

A BRF comprou o grupo Hercosul, produtor e distribuidor de ração para cães e gatos, entrando no mercado pet. Entenda o racional da operação

Tela Azul

As fintechs continuarão ameaçando bancos tradicionais? Até certo ponto sim, dizem gestores da Opportunity

No episódio #36 do Tela Azul, podcast da Empiricus, Bruno Waga e Vinicius Ferreira, da gestora de recursos Opportunity conversaram com os analistas da Empiricus sobre os rumos que o setor financeiro vem tomando. Além disso, eles dão suas opiniões sobre as Big Techs no programa.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies