Menu
2020-05-27T19:34:22-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela UFPR. Fez parte da oitava turma de treinamento em jornalismo econômico do Estadão.
efeito coronavírus

Brasil perde 1,1 milhão de empregos com carteira assinada em dois meses

Pandemia derruba vagas formais: em março, país teve 250,7 mil de saldo negativo; no mês seguinte, foram 860,5 mil empregos a menos, segundo o Caged

27 de maio de 2020
11:07 - atualizado às 19:34
Desemprego
Brasil, São Paulo, SP, 26/03/2019. Mutirão de Emprego promovido pela Prefeitura de São Paulo e Sindicato dos Comerciários reúne uma multidão no Vale do Anhangabaú. - Imagem: FELIPE RAU / ESTADÃO. - Crédito:FELIPE RAU/ESTADÃO CONTEÚDO/AE

O mercado de trabalho brasileiro perdeu 1,1 milhão de vagas de emprego com carteira assinada em dois meses de crise, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado pelo Ministério da Economia nesta quarta-feira (27).

Os dados se referem ao acumulado entre os meses de abril e março, quando a pandemia paralisou as atividades consideradas não essenciais em todo o país. Em abril, foram 860,5 mil vagas a menos — 598,5 mil contratações e 1,4 milhão de desligamentos. No mês anterior, o país perdeu 240,7 mil empregos formais.

Ainda segundo Caged, de janeiro a abril, houve 4,9 milhões de admissões e 5,7 milhões de demissões, resultando em um saldo negativo de 763 mil. No mês passado, todos os setores econômicos registraram saldo negativo.

Os dados desta quarta são os primeiros sobre empregos formais relativos a este ano. O Ministério da Economia havia suspendido a divulgação do Caged alegando que as empresas haviam deixado de enviar informações, após uma mudança no sistema — o que comprometeria a qualidade dos dados.

Economia paralisada

Os dados do Caged se somam a uma serie de indicadores que atestam a paralisação da economia — entre eles a produção industrial e a inflação de abril —, enquanto o instituições financeiras relatam um pessimismo cada vez maior para este ano.

Segundo o Focus, publicação do Banco Central que reúne estimativas de mais de 100 instituições, o Produto Interno Bruto (PIB) deve cair ao menos 5,89% em 2020. Para o governo federal, a tombo deve ser de 4,7%

Prevendo a deterioração do mercado de trabalho, em 1º de abril o governo editou uma Medida Provisória que prevê, entre outras coisas, a redução de jornada e a suspensão de contratos.

Com a medida, a estimativa oficial é de que 8,1 milhões de empregos tenham sido preservados desde o início da crise. Mas no primeiro trimestre deste ano o país já tinha 12,9 milhões pessoas desocupadas, segundo o IBGE — cenário fruto de uma economia que se recuperava de forma lenta desde 2017.

Na última semana, o mercado financeiro ignora a deterioração da economia doméstica. Os investidores sustentam a bolsa no campo positivo com base na retomada parcial das atividades no exterior, entre outras coisas — o Ibovespa sobe 1% nesta quarta-feira.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

IR 2020

Caiu na malha fina? Veja como regularizar a situação

Saiba como regularizar a sua situação junto a Receita Federal caso a sua declaração apresente informações inconsistentes e caia na malha fina do imposto de renda

Flexibilização

Prefeitura de São Paulo assina protocolo para reabrir bares e salões de beleza

A cidade está na terceira etapa do plano de flexibilização da quarentena do governo estadual, chamada de fase amarela. Com os termos firmados, os estabelecimentos poderão voltar a funcionar na segunda-feira

Recuperação

Fundos imobiliários de tijolo subiram 6% em junho; FII de shoppings ainda caem 21% no ano

Fundos imobiliários de papel, por sua vez, valorizaram, em média, só 3% no mês passado, segundo indicadores calculados pelo Banco Inter

BNDES prorroga linha de crédito para pequena e média empresa, com mais R$ 5 bilhões

Linha para capital de giro será prorrogada até 31 de dezembro, com orçamento ampliado

Crise

Risco para investir volta a nível de 2016

Estrangeiro olha com desconfiança para o Brasil, por conta da crise do coronavírus e também pela taxa de juros nas mínimas históricas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements