Menu
2020-05-27T19:34:22-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
efeito coronavírus

Brasil perde 1,1 milhão de empregos com carteira assinada em dois meses

Pandemia derruba vagas formais: em março, país teve 250,7 mil de saldo negativo; no mês seguinte, foram 860,5 mil empregos a menos, segundo o Caged

27 de maio de 2020
11:07 - atualizado às 19:34
Desemprego
Brasil, São Paulo, SP, 26/03/2019. Mutirão de Emprego promovido pela Prefeitura de São Paulo e Sindicato dos Comerciários reúne uma multidão no Vale do Anhangabaú. - Imagem: FELIPE RAU / ESTADÃO. - Crédito:FELIPE RAU/ESTADÃO CONTEÚDO/AE

O mercado de trabalho brasileiro perdeu 1,1 milhão de vagas de emprego com carteira assinada em dois meses de crise, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado pelo Ministério da Economia nesta quarta-feira (27).

Os dados se referem ao acumulado entre os meses de abril e março, quando a pandemia paralisou as atividades consideradas não essenciais em todo o país. Em abril, foram 860,5 mil vagas a menos — 598,5 mil contratações e 1,4 milhão de desligamentos. No mês anterior, o país perdeu 240,7 mil empregos formais.

Ainda segundo Caged, de janeiro a abril, houve 4,9 milhões de admissões e 5,7 milhões de demissões, resultando em um saldo negativo de 763 mil. No mês passado, todos os setores econômicos registraram saldo negativo.

Os dados desta quarta são os primeiros sobre empregos formais relativos a este ano. O Ministério da Economia havia suspendido a divulgação do Caged alegando que as empresas haviam deixado de enviar informações, após uma mudança no sistema — o que comprometeria a qualidade dos dados.

Economia paralisada

Os dados do Caged se somam a uma serie de indicadores que atestam a paralisação da economia — entre eles a produção industrial e a inflação de abril —, enquanto o instituições financeiras relatam um pessimismo cada vez maior para este ano.

Segundo o Focus, publicação do Banco Central que reúne estimativas de mais de 100 instituições, o Produto Interno Bruto (PIB) deve cair ao menos 5,89% em 2020. Para o governo federal, a tombo deve ser de 4,7%

Prevendo a deterioração do mercado de trabalho, em 1º de abril o governo editou uma Medida Provisória que prevê, entre outras coisas, a redução de jornada e a suspensão de contratos.

Com a medida, a estimativa oficial é de que 8,1 milhões de empregos tenham sido preservados desde o início da crise. Mas no primeiro trimestre deste ano o país já tinha 12,9 milhões pessoas desocupadas, segundo o IBGE — cenário fruto de uma economia que se recuperava de forma lenta desde 2017.

Na última semana, o mercado financeiro ignora a deterioração da economia doméstica. Os investidores sustentam a bolsa no campo positivo com base na retomada parcial das atividades no exterior, entre outras coisas — o Ibovespa sobe 1% nesta quarta-feira.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

em meio à pandemia

Financiamento imobiliário cresce 58% em 2020 e bate recorde histórico

Expansão do crédito imobiliário em 2020 foi puxada, principalmente, pela liberação de financiamentos para a pessoa física fazer a compra de moradias

balanço

Contas externas têm saldo negativo de US$ 12,5 bi em 2020, diz BC

Brasil viu as importações de produtos caírem, enquanto as exportações se mantiveram em níveis elevados, puxadas pela venda de alimentos para outros países

sob pressão

Bolsonaro apela para caminhoneiro não realizar greve e avalia medidas no diesel

Presidente confirmou a intenção do governo de reduzir tributos sobre o diesel para aliviar a pressão do reajuste do combustível sobre o bolso dos caminhoneiros

pandemia

AstraZeneca e Blackrock negam, mas empresas reafirmam negociar vacina

Grupo de empresários brasileiros reafirmou que continua a negociar 33 milhões de doses do laboratório

Possível bolha?

Como a GameStop, que era tida como um fracasso em potencial, virou a ação mais quente (e perigosa) de Wall Street?

A companhia de 37 anos virou o foco de uma batalha estilo Davi e Golias (ou na “gíria gamer”, estilo Kratos e Cronos, da franquia God Of War) entre um exército de pequenos investidores e Wall Street.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies