Menu
2020-01-30T14:02:50-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Reposicionamento

BNDES não tem pressa de vender ações e quer fomentar indústria de fundos

Presidente do banco, Gustavo Montezano, disse que BNDESPar venderá ações aos poucos durante três anos, à medida que mercado for absorvendo; objetivo é que carteira chegue perto de zero

29 de janeiro de 2020
17:12 - atualizado às 14:02
BNDES Gustavo Montezano
Presidente do BNDES, Gustavo Montezano - Imagem: Hoana Gonçalves/Ascom ME

O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, disse, nesta quarta-feira (29) que não tem pressa para vender as ações da carteira do BNDESPar, braço de participações do banco.

"Temos até três anos para desinvestir. Vamos colocando [as ações] à medida que o mercado for absorvendo", disse a uma plateia de investidores e executivos de empresas durante evento do Credit Suisse, em São Paulo. Segundo Montezano, o objetivo é que a carteira, ao final de três anos, fique próxima de zero.

"O banco é hoje um dos maiores hedge funds do mundo, temos R$ 115 bilhões de carteira especulativa em bolsa. É desproporcional para um banco de desenvolvimento", disse Montezano. Ele lembrou que, nos últimos dias, com o aumento da volatilidade nas bolsas, o banco chegou a ter uma perda de R$ 5,8 bilhões num único dia com ações.

"É preciso que o banco seja monótono e previsível. Ter uma postura mais conservadora, para focar a energia e estrutura financeira em melhorar a vida do cidadão brasileiro", disse o presidente do BNDES.

Falando sobre o investimento em empresas de capital fechado, ele esclareceu que agora os investimentos do banco de fomento em ações se darão apenas com objetivos claros de desenvolvimento econômico e social, e de maneira temporária. A ideia é desinvestir depois que a empresa que recebeu o aporte esteja madura.

Montezano disse também que o banco deseja fomentar a indústria de fundos, criando até 15 fundos de crédito privado de longo prazo e se tornando cotista deles. O BNDES já está estruturando um fundo de R$ 200 milhões, para o qual está selecionando um gestor estratégico, para fomentar pequenas e médias empresas.

Foco em três novos setores

Montezano falou sobre o reposicionamento do BNDES para "estar a serviço do Estado" e "entregar valor para a economia", e não mais como um responsável por contribuir com o resultado primário do governo. "O banco quer se posicionar como facilitador da interação entre a iniciativa privada e o Estado", disse.

Segundo ele, o banco não tem mais metas financeiras de desembolso ou lucratividade, e é hoje completamente técnico, sem interferência política. "As metas concretas predominam, sem que a gente deixe de pagar nossas próprias contas e gerar lucro", falou.

Montezano explica que o BNDES não deixará suas vocações de fomentar os setores de rodovias, portos e geração de energia, mas que agora passa a se engajar em três novos setores que são "a nova fronteira": saneamento básico, gás e preservação florestal.

"A gente tem no Brasil hoje mais de 400 parques florestais, e apenas sete são operados pela iniciativa privada. Eles recebem cerca de 12 milhões de visitantes por ano, enquanto os dos Estados Unidos recebem 300 milhões por ano", exemplificou.

Sobre a questão ambiental, o presidente do BNDES relatou sua experiência no Fórum Econômico Mundial, em Davos. Segundo ele, o tom da conversa mudou para algo construtivo, o Brasil deixou de ser o foco. Além disso, Montezano relatou uma visão otimista dos investidores estrangeiros.

"Somos a noiva da vez, em termos de fundamentos, para receber investimentos internacionais".

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

efeito pandemia

Setor público tem déficit primário de R$ 64,559 bi em setembro, diz BC

Em função da pandemia, cujos efeitos econômicos se intensificaram em março, o governo federal e os governos regionais passaram a enfrentar um cenário de forte retração das receitas e aumento dos gastos públicos.

AINDA RUIM

Taxa de desemprego atinge 14,4% no trimestre até agosto, a maior desde 2012

País registrou 13,794 milhões de desempregados no período, aumento de 8,5%

VAREJO COMPETITIVO

Fast Shop aposta em conceito ‘luxo’ contra gigantes

Segundo presidente da empresa, expansão em 2020 deve ser de 15% a 20%, elevando a receita do negócio para próximo (ou além) de R$ 5 bilhões

Exile on Wall Street

Tempos modernos, vícios antigos

A indústria ainda tem muito a evoluir no sentido de democratizar produtos eficientes e boas práticas que permitam ao investidor comum internacionalizar sua carteira

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies