Menu
2020-01-30T14:02:50-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Reposicionamento

BNDES não tem pressa de vender ações e quer fomentar indústria de fundos

Presidente do banco, Gustavo Montezano, disse que BNDESPar venderá ações aos poucos durante três anos, à medida que mercado for absorvendo; objetivo é que carteira chegue perto de zero

29 de janeiro de 2020
17:12 - atualizado às 14:02
BNDES Gustavo Montezano
Presidente do BNDES, Gustavo Montezano - Imagem: Hoana Gonçalves/Ascom ME

O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, disse, nesta quarta-feira (29) que não tem pressa para vender as ações da carteira do BNDESPar, braço de participações do banco.

"Temos até três anos para desinvestir. Vamos colocando [as ações] à medida que o mercado for absorvendo", disse a uma plateia de investidores e executivos de empresas durante evento do Credit Suisse, em São Paulo. Segundo Montezano, o objetivo é que a carteira, ao final de três anos, fique próxima de zero.

"O banco é hoje um dos maiores hedge funds do mundo, temos R$ 115 bilhões de carteira especulativa em bolsa. É desproporcional para um banco de desenvolvimento", disse Montezano. Ele lembrou que, nos últimos dias, com o aumento da volatilidade nas bolsas, o banco chegou a ter uma perda de R$ 5,8 bilhões num único dia com ações.

"É preciso que o banco seja monótono e previsível. Ter uma postura mais conservadora, para focar a energia e estrutura financeira em melhorar a vida do cidadão brasileiro", disse o presidente do BNDES.

Falando sobre o investimento em empresas de capital fechado, ele esclareceu que agora os investimentos do banco de fomento em ações se darão apenas com objetivos claros de desenvolvimento econômico e social, e de maneira temporária. A ideia é desinvestir depois que a empresa que recebeu o aporte esteja madura.

Montezano disse também que o banco deseja fomentar a indústria de fundos, criando até 15 fundos de crédito privado de longo prazo e se tornando cotista deles. O BNDES já está estruturando um fundo de R$ 200 milhões, para o qual está selecionando um gestor estratégico, para fomentar pequenas e médias empresas.

Foco em três novos setores

Montezano falou sobre o reposicionamento do BNDES para "estar a serviço do Estado" e "entregar valor para a economia", e não mais como um responsável por contribuir com o resultado primário do governo. "O banco quer se posicionar como facilitador da interação entre a iniciativa privada e o Estado", disse.

Segundo ele, o banco não tem mais metas financeiras de desembolso ou lucratividade, e é hoje completamente técnico, sem interferência política. "As metas concretas predominam, sem que a gente deixe de pagar nossas próprias contas e gerar lucro", falou.

Montezano explica que o BNDES não deixará suas vocações de fomentar os setores de rodovias, portos e geração de energia, mas que agora passa a se engajar em três novos setores que são "a nova fronteira": saneamento básico, gás e preservação florestal.

"A gente tem no Brasil hoje mais de 400 parques florestais, e apenas sete são operados pela iniciativa privada. Eles recebem cerca de 12 milhões de visitantes por ano, enquanto os dos Estados Unidos recebem 300 milhões por ano", exemplificou.

Sobre a questão ambiental, o presidente do BNDES relatou sua experiência no Fórum Econômico Mundial, em Davos. Segundo ele, o tom da conversa mudou para algo construtivo, o Brasil deixou de ser o foco. Além disso, Montezano relatou uma visão otimista dos investidores estrangeiros.

"Somos a noiva da vez, em termos de fundamentos, para receber investimentos internacionais".

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

termômetro

Tesla, Robinhood e GM: as apostas do bilionário Jorge Paulo Lemann

Empresário brasileiro respondeu quais seriam os investimentos de curto e longo prazo, em uma espécie de termômetro sobre a confiança em torno do negócio

escolha da CEO

Criptomeme bilionário, $moda$ de Hering e Arezzo, aposta contra o BC… veja o que bombou na semana no Seu Dinheiro

Você apostaria contra o Banco Central do Brasil?  Não falo de apostas mequetrefes com a turma do escritório, do tipo “quem perder paga uma rodada”.  Estou falando de colocar o seu patrimônio em investimentos que podem dar retornos altos se o BC estiver errado. Pois é justamente o que defende Rogério Xavier, da SPX Capital, um […]

empresa de porto alegre

Startup Zenvia entra com pedido de IPO na Nasdaq

Empresa quer levantar até US$ 100 milhões; oferta terá seus recursos destinados para pagar o montante utilizado na aquisição da startup D1, entre outros

LDO

LDO de 2022 prevê ‘vacinas’ contra manobras do Orçamento

Proposta exclui a possibilidade de indicação das emendas de relator e proíbe o Congresso de subestimar despesas obrigatórias sem aval do Executivo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies