Menu
2020-01-30T14:02:50-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Reposicionamento

BNDES não tem pressa de vender ações e quer fomentar indústria de fundos

Presidente do banco, Gustavo Montezano, disse que BNDESPar venderá ações aos poucos durante três anos, à medida que mercado for absorvendo; objetivo é que carteira chegue perto de zero

29 de janeiro de 2020
17:12 - atualizado às 14:02
BNDES Gustavo Montezano
Presidente do BNDES, Gustavo Montezano - Imagem: Hoana Gonçalves/Ascom ME

O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, disse, nesta quarta-feira (29) que não tem pressa para vender as ações da carteira do BNDESPar, braço de participações do banco.

"Temos até três anos para desinvestir. Vamos colocando [as ações] à medida que o mercado for absorvendo", disse a uma plateia de investidores e executivos de empresas durante evento do Credit Suisse, em São Paulo. Segundo Montezano, o objetivo é que a carteira, ao final de três anos, fique próxima de zero.

"O banco é hoje um dos maiores hedge funds do mundo, temos R$ 115 bilhões de carteira especulativa em bolsa. É desproporcional para um banco de desenvolvimento", disse Montezano. Ele lembrou que, nos últimos dias, com o aumento da volatilidade nas bolsas, o banco chegou a ter uma perda de R$ 5,8 bilhões num único dia com ações.

"É preciso que o banco seja monótono e previsível. Ter uma postura mais conservadora, para focar a energia e estrutura financeira em melhorar a vida do cidadão brasileiro", disse o presidente do BNDES.

Falando sobre o investimento em empresas de capital fechado, ele esclareceu que agora os investimentos do banco de fomento em ações se darão apenas com objetivos claros de desenvolvimento econômico e social, e de maneira temporária. A ideia é desinvestir depois que a empresa que recebeu o aporte esteja madura.

Montezano disse também que o banco deseja fomentar a indústria de fundos, criando até 15 fundos de crédito privado de longo prazo e se tornando cotista deles. O BNDES já está estruturando um fundo de R$ 200 milhões, para o qual está selecionando um gestor estratégico, para fomentar pequenas e médias empresas.

Foco em três novos setores

Montezano falou sobre o reposicionamento do BNDES para "estar a serviço do Estado" e "entregar valor para a economia", e não mais como um responsável por contribuir com o resultado primário do governo. "O banco quer se posicionar como facilitador da interação entre a iniciativa privada e o Estado", disse.

Segundo ele, o banco não tem mais metas financeiras de desembolso ou lucratividade, e é hoje completamente técnico, sem interferência política. "As metas concretas predominam, sem que a gente deixe de pagar nossas próprias contas e gerar lucro", falou.

Montezano explica que o BNDES não deixará suas vocações de fomentar os setores de rodovias, portos e geração de energia, mas que agora passa a se engajar em três novos setores que são "a nova fronteira": saneamento básico, gás e preservação florestal.

"A gente tem no Brasil hoje mais de 400 parques florestais, e apenas sete são operados pela iniciativa privada. Eles recebem cerca de 12 milhões de visitantes por ano, enquanto os dos Estados Unidos recebem 300 milhões por ano", exemplificou.

Sobre a questão ambiental, o presidente do BNDES relatou sua experiência no Fórum Econômico Mundial, em Davos. Segundo ele, o tom da conversa mudou para algo construtivo, o Brasil deixou de ser o foco. Além disso, Montezano relatou uma visão otimista dos investidores estrangeiros.

"Somos a noiva da vez, em termos de fundamentos, para receber investimentos internacionais".

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

do setor imobiliário para a bolsa

Incorporadora One e construtora Pacaembu pedem registro de IPO

Empresas esperam recursos para pré-pagamento de empréstimos, expansão e reforço de capital de giro

sinal verde

Anac autoriza Virgin Atlantic, do bilionário Richard Branson, a operar no Brasil

Segundo o órgão regulador, a empresa manifestou interesse em voar, a partir de março deste ano, entre as cidades de Londres e São Paulo.

Esquenta dos mercados

Tensão renovada nos mercados com disseminação do coronavírus para fora da China

Com coronavírus no radar, os investidores brasileiros devem buscar cautela para se proteger do movimento dos mercados durante o feriado

comunicado oficial

Banco Central do Japão diz que é cedo para discutir medidas em resposta ao coronavírus

Coronavírus pode afetar a economia japonesa, ao desacelerar suas exportações para a China, segundo presidente da autoridade monetária

novidade do bc

BC cria linha de redesconto para participantes do PIX nos pagamentos instantâneos

Em novembro, o BC planeja colocar em funcionamento o PIX. O sistema permitirá pagamentos instantâneos – ou seja, transferências de recursos 24 horas por dia, sete dias por semana, durante todo o ano

decisão do supremo

STF mantém lei que libera renovação antecipada de concessões de ferrovias

Processo foi apresentado em 2018 pela então PGR, para quem as normas previstas na legislação ofenderiam as regras de licitações e o princípio da competitividade

de olho nas cifras

CMN aprova limite de R$ 8,4 bi de crédito por estados e municípios e estatais

Valor ficou bem abaixo do liberado em anos anteriores – em 2019 foi de R$ 24,5 bilhões em 2019 e R$ 24 bilhões em 2018

Sextou com o Ruy

Alguém te deu uma dica de investimento? Leia este texto antes de aceitar

Seja na cadeira do dentista ou no mercado financeiro, cuidado com os conflitos de interesse, que podem ser extremamente danosos para você e sua família

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements