O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2020-01-28T20:22:35-03:00
SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O que fazer diante do coronavírus

28 de janeiro de 2020
19:22 - atualizado às 20:22
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Caro leitor,

A essa altura, você talvez já saiba que o coronavírus causa infecções do trato respiratório superior, cujos sintomas principais são coriza, dor de garganta e febre. A doença pode chegar ao trato respiratório inferior, o que é mais comum em pessoas com doenças cardiopulmonares, com sistema imunológico comprometido ou idosos.

Você também já deve saber que a transmissão do vírus pode se dar pelo ar, pelo contato pessoal próximo ou com superfícies contaminadas, e que a prevenção envolve alguns hábitos que a gente já conhece bem - lavar as mãos com frequência, manter os ambientes ventilados, não compartilhar objetos de uso pessoal etc.

Pode ser que você já tenha até mesmo garantido um estoque de álcool gel e algumas máscaras caso o vírus chegue ao Brasil - já há três casos suspeitos no país - e a corrida às farmácias leve a uma crise de desabastecimento desses itens.

Mas e em relação ao seu dinheiro, você sabe o que fazer? Afinal, a disseminação da doença causada pelo coronavírus contaminou os mercados e deixou as bolsas mundiais em estado de cautela máxima. Hoje, felizmente, tivemos um dia de alívio. Depois do tombo de 3,29% ontem, o Ibovespa teve, nesta terça, um dia de recuperação parcial. O dólar também teve um leve recuo.

Para o nosso colunista Felipe Miranda, não é hora de agir. No seu texto de hoje, ele relembra como outras epidemias afetaram os mercados e tece as suas recomendações (para o bolso, não para a saúde) neste momento delicado.

Já o Victor Aguiar, que acompanhou o pregão, lembra que a alta de hoje foi fruto de um movimento puramente técnico, pois a tensão dos mercados com o vírus que já matou 106 pessoas na China permanece.

Sem preocupação

Como o Banco Central observa a variação do dólar e quando decide atuar no mercado de câmbio? Foi a essa pergunta que o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, respondeu nesta terça a uma plateia formada por investidores e executivos de empresas, durante evento promovido pelo Credit Suisse. Campos Neto afirmou que o BC monitora se a alta da moeda americana altera as variáveis de risco, seja retardando as decisões de investimento, seja afetando as variáveis de inflação. Mas, segundo ele, nenhuma das duas coisas foi observada na escalada recente. O Vinícius Pinheiro estava lá e conta mais sobre as razões do presidente do BC, que também falou sobre competição bancária.

Cada vez mais ambiciosa

No mesmo evento do Credit, o presidente do Magazine Luiza, Frederico Trajano, disse que tem planos “extremamente ambiciosos” para a varejista nos próximos anos. Segundo ele, o varejo on-line brasileiro ainda guarda grandes oportunidades. O Vini conta tudo sobre a fala do CEO do Magalu nesta matéria.

De mal a pior 

A expectativa do mercado para o resultado da Cielo não era das mais positivas. Mas depois de ver que as margens ficaram ainda mais comprimidas e que o lucro sofreu uma queda feia, os analistas do Credit Suisse optaram por cortar o preço-alvo das ações da gigante das maquininhas de pagamento. A Bruna Furlani te explica melhor a avaliação dos analistas aqui. 

Bem baixinho

As estatais federais executaram apenas 45,7% dos investimentos previstos para 2019, o menor índice dos últimos cinco anos. Segundo relatório do Ministério da Economia, a maioria dos recursos foram aplicados na região Sudeste, enquanto a região Centro-Oeste não teve investimento algum. Confira, nesta matéria, quais foram as estatais que investiram mais e menos no ano passado.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro avança em dia de alta volatilidade pós-Fed e dólar recua hoje

Após a decisão de juros do Fed, os mercados operam voláteis em um forte movimento de ajuste de carteiras hoje

O melhor do Seu Dinheiro

Mais um alarme de preço baixo, Tesla em queda, bear market do bitcoin, novo fundo do Itaú e outras notícias que mexem com o seu bolso

Apesar de resultados sólidos no quarto trimestre, papéis de construtoras seguem em queda. Confira se é hora de comprar ações do setor e quais informações você precisa levar em conta antes de decidir

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior tentam se recuperar da queda após decisão do Fed e Ibovespa busca manter ritmo de alta mesmo com risco fiscal no radar

Depois de tocar os 112 mil pontos ontem (26), a bolsa brasileira precisa enfrentar o ajuste de carteiras ao novo cenário de juros altos

Exclusivo

Na “caça aos unicórnios”, Itaú lança fundo para aplicar em gestores de investimentos alternativos

O banco acaba de abrir para captação o Polaris, fundo com objetivo de retorno de até 25% ao ano e foco em investimentos que vão bem além do “combo” tradicional de bolsa, dólar e juros

CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária