Menu
Ricardo Mioto
Coluna do Mioto
Ricardo Mioto
2020-09-29T15:03:00-03:00
Virou pó

Os infelizes que compraram opções de Cogna

Nesta semana, pelo menos dez mil infelizes viram suas opções de compra de Cogna virarem pó.

8 de agosto de 2020
9:21 - atualizado às 15:03
cifrao-po-1920×1080
Imagem: Shutterstock

Nesta semana, pelo menos dez mil infelizes viram suas opções de compra de Cogna virarem pó.

Se você não está familiarizado com opções de compra, funciona assim neste caso, grosso modo: o sujeito acha que a ação vai subir de, digamos, R$ 10 para R$ 15.

Ele poderia simplesmente comprar a ação a R$ 10, mas uma rentabilidade de 50% não lhe satisfaz. Então ele arranja uma opção (um contrato) que lhe permite comprar tal ação por R$ 12 daqui, digamos, dois meses. Ele paga, digamos, uns R$ 0,25 por essa opção.

Se o papel for mesmo a R$ 15, ele vai embolsar R$ 3 por ação (terá o direito de comprar por 12 um papel agora que vale 15). Gastou R$ 0,25 e ganhou R$ 3, logo estamos falando de um retorno de 1.100%. Se o investidor tiver comprado milhares de opções, terá feito muito dinheiro.

O problema é quando dá errado. Se o investidor tivesse simplesmente comprado a ação e ela tivesse caído a R$ 9, ele teria perdido 10% do investimento. Nada traumático. Se tivesse ido a R$ 11, ele embolsaria um pequeno retorno.

Mas ele resolveu operar opções. Se a ação não chegar a R$ 12 no prazo determinado, ele vai perder todo o dinheiro. Tudo.

O que se viu nesta semana foi um mar de pessoas físicas perdendo dinheiro para grandes investidores institucionais, que eram suas contrapartes na operação. Distribuição inversa de renda. Alguns dos pequenos investidores estavam operando com dinheiro emprestado. Ou seja, saíram devendo.

Alguns pragmáticos dirão que se trata de uma espécie de imposto sobre a burrice. Que o dinheiro deve fluir naturalmente do tolo para o astuto.

Nada contra os institucionais que ganharam dinheiro com a opção. O problema é outro.

Os incautos que perderam suas economias estão sendo movidos pela ideia de que podem ganhar muito dinheiro do dia para a noite. Acabam se metendo a operar contratos que não entendem em mercados que vão devorá-los.

Para piorar, não estamos falando sequer de uma ação extraordinária. Cogna tem um problema com inadimplência e, convenhamos, sua marca carro-chefe de ensino superior, a Anhanguera, está longe de ser reconhecida como de excelência, figurando em 169º lugar entre 197 universidades avaliadas pela Folha. (Claro que diferentes empresas servem a diferentes propósitos e ninguém exige alta gastronomia do McDonald’s, mas qualidade do produto importa.)

Estamos celebrando os mais de dois milhões de CPFs na Bolsa. Isso é maravilhoso. Um país de proprietários é melhor do que um país de dependentes do governo, do salário, da caridade. Mas é preciso que essas pessoas entrem na Bolsa com uma visão de construção de patrimônio no longo prazo. Se forem iludidas por picaretas, voltaremos ao tempo em que Bolsa de Valores, no imaginário do brasileiro, era sinônimo de cassino.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Proventos

Banco do Brasil anuncia pagamento de R$ 416 milhões em Juros sobre Capital Próprio (JCP)

Terão direito ao provento os investidores com posição acionária na empresa no dia 11 de março

o melhor do seu dinheiro

Brandão balança mais não cai?

Chegamos ao fim de mais uma semana tensa nos mercados, que começou com a derrocada das ações da Petrobras, em razão da interferência do governo na presidência da estatal, e termina com pressões na bolsa e no dólar motivadas pelas preocupações dos investidores com a inflação nos Estados Unidos e alta nas taxas dos títulos […]

URGENTE

Hapvida e NotreDame chegam a um acordo sobre fusão, afirma site

A maior combinação entre duas empresas brasileiras criará uma gigante do setor de saúde, com um valor de R$ 110 bilhões.

fechamento da semana

Tensão em Brasília leva Ibovespa de volta aos 110 mil pontos e afunda estatais; dólar vai a R$ 5,60

Em semana marcada pela tensão entre governo e mercado, o Ibovespa recuou 7,09%, de volta aos 110 mil pontos. O dólar disparou acima dos R$ 5,60

Abandonando o barco?

Ações do Banco do Brasil recuam quase 5% com possibilidade de saída de André Brandão

Brandão tem mostrado insatisfação com o cargo e quer deixar o comando da estatal, segundo jornal; BB nega que presidente tenha renunciado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies