Menu
2020-04-21T13:07:39-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
A queda continua

Petróleo Brent cai abaixo dos US$ 20 pela primeira vez em 18 anos; WTI para junho recua 30%

Queda do Brent pode influenciar ações da Petrobras, que recuam hoje em Nova York

21 de abril de 2020
10:55 - atualizado às 13:07
Petróleo em queda
Imagem: Shutterstock

O petróleo continua em sua trajetória de queda nesta terça-feira (21). O o contrato do barril do tipo Brent, negociado em Londres, cai abaixo dos US$ 20 pela primeira vez em 18 anos. Há pouco, o contrato para entrega em junho era negociado a US$ 19,70, uma queda de quase 23% ante o preço de fechamento de ontem.

O petróleo WTI, negociado nos Estados Unidos, também despenca. O contrato mais líquido, com entrega para junho, se desvaloriza 34,55%, sendo negociado a US$ 13,37 o barril. Mais cedo, a queda chegou a mais de 40%, levando o preço do contrato para perto de US$ 10 o barril. Ontem, o WTI para maio, que vence hoje, fechou com queda de mais de 300%, a um preço negativo pela primeira vez na história.

Mais cedo, os preços do petróleo chegaram até certo alívio em meio às notícias de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) vai fazer hoje uma teleconferência extra para debater a crise, embora sem a perspectiva de já sair alguma decisão.

Outra reunião, marcada para 10 de maio, estaria sendo articulada para debater novos cortes na produção. Mesmo assim, as perdas voltaram a se aprofundar na parte da tarde.

A queda nos preços da commodity no mercado futuro refletem a expectativa de uma demanda muito menor que a oferta em razão das paralisações para combate à pandemia do coronavírus no mundo. Com isso, os estoques dos consumidores estão cheios, e o custo da armazenagem, que está quase no limite, está ultrapassando os preços praticados no mercado.

A forte queda nos preços dos Brent pode impactar as ações da Petrobras, uma vez que a estatal usa como referência o petróleo negociado em Londres. Nesta terça, a bolsa brasileira permanece fechada em razão do feriado de Tiradentes, mas os recibos de ações da Petrobras (ADR) negociados na bolsa de Nova York recuam 4,15%. Já o EWZ, fundo de índice (ETF) de ações brasileiras, recua 4,00%.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

COLUNA DO JOJO

Como Jojo Wachsmann investiria o prêmio de R$ 1,5 milhão de Juliette, campeã do BBB21

CIO da Vitreo conta como alocaria uma carteira diversificada, segura e rentável com o prêmio do maior reality show do Brasil

Vai e vém

Demanda por crédito no Brasil cai 11% em abril, mas sobe 231% em 12 meses

Oscilação do índice medido pela Neurotech é atribuída a sazonalidade

Rapidinhas da semana

BLINK: Magalu ou ViaVarejo? Quem mandou melhor no 1º trimestre?

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Magalu, ViaVarejo e muito mais no Blink

Virando a chavinha

Agibank traça estratégia para abandonar imagem de ‘financeira’

Banco gaúcho quer alcançar marca de 35 milhões de clientes em 6 anos

O melhor do Seu Dinheiro

O dragão à solta, Elon Musk, bitcoin e outras notícias que mexeram com seus investimentos

O temor com o retorno da inflação nos EUA, as falas de Elon Musk sobre o bitcoin, as ações de empresas em recuperação judicial e outros destaques da semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies