🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
projeções do banco

Itaú vê pressão momentânea sobre o câmbio e projeta dólar a R$ 4,15 no final de 2020

Especialistas do banco dizem esperar que a aversão ao risco diminua conforme os efeitos do coronavírus se dissipem; com a economia local avançando, investidor estrangeiro deve entrar e também aliviar pressão sobre a moeda

Kaype Abreu
Kaype Abreu
19 de fevereiro de 2020
15:09 - atualizado às 17:47
Imagem de uma cédula de dólar com zoom
Especialistas do banco dizem esperar que a aversão ao risco diminua conforme os efeitos do coronavírus se dissipem; com a economia local avançando, investidor estrangeiro deve entrar e também aliviar pressão sobre a moeda Imagem: Shutterstock

A depender das projeções do Itaú Unibanco, a alta do dólar à vista não deve perdurar pelos próximos 10 meses. O banco estima que a moeda americana terminará 2020 em R$ 4,15 — uma queda de quase 5% em relação aos R$ 4,3656 vistos nesta quarta-feira (19).

Boa parte da pressão recente vista no mercado doméstico de câmbio se deve às preocupações referentes ao coronavírus e aos eventuais impactos que a doença poderá gerar à economia global. Os economistas do Itaú, contudo, mostram-se não tão pessimistas quanto ao surto.

Os especialistas do banco reuniram os dados de disseminação da doença fora do epicentro de propagação, a província chinesa de Hubei, para argumentar que o impacto na economia não deve se estender por todo o primeiro semestre — e, com efeitos limitados no Brasil.

Atualmente, o Itaú projeta um avanço de 2,2% no Produto Interno Bruno (PIB) do Brasil em 2020 e um crescimento econômico de 3% no mundo. Em 2021, a economia local deve se expandir 3%, segundo o banco.

De acordo com Julia Gottlieb, economista do Itaú, a expectativa é de que uma retomada gradual da economia compense os juros baixos. "A gente espera que, com a perspectiva de crescimento, haja um fluxo maior de capital para o Brasil", disse durante o Macro em Pauta — evento promovido pelo banco para apresentar as perspectivas da instituição.

Entre os fatores locais de pressão no mercado de câmbio, a Selic nas mínimas históricas, em 4,25% ao ano, é uma das razões para a alta do dólar.

Como nos EUA os juros também estão baixos, entre 1,50% e 1,75%, investidores estrangeiros que buscam retornos fáceis — caso dos especuladores — têm pouca margem para lucrar com o diferencial nas taxas. Ou seja: menos dólar entrando, maior valorização da moeda.

Para o Itaú, a Selic deve continuar a 4,25% ao menos neste ano, mas volta para 4,50% no final de 2021. A inflação — que chegou a ser motivo de preocupação no final de novembro, quando o IPCA avançou 0,51% — deve permanecer comportada, a 3,3% em 2020.

"Vemos os núcleos sem grande mudanças de tendências"

Mario Mesquita, economista-chefe do Itaú

Olho na carteira de trabalho e em Brasília

A equipe do Itaú Unibanco também chama a atenção para a maior disponibilidade de crédito, um fator que deve ajudar a puxar o crescimento do país.

Segundo os economistas do banco, é preciso que haja a retomada do emprego formal para que esse indicador — cuja demanda aumentou 4% em 2019, segundo o Instituto Boa Vista — continue a avançar. São as pessoas físicas com postos de trabalho que tomam crédito, não quem tem emprego informal, disse Mesquita.

"Precisa ter aceleração da renda. O crédito está crescendo, mas vai ser difícil ser sustentado por mais quatro anos", afirmou o economista-chefe do Itaú. "É uma preocupação de médio prazo. No caso das empresas, a preocupação é menor".

Para a instituição, é natural que a retomada da geração de emprego formal aconteça de maneira lenta — o momento de saída de uma recessão é quando o trabalho informal avança para depois recuar, conforme novos postos formais são criados.

Em 2019, o Brasil gerou 644 mil postos de trabalho, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) — a projeção do Itaú para este ano é de 914 mil. No trimestre encerrado em dezembro, o país ficou com uma taxa de desemprego de 11%: 11,6 milhões de pessoas, conforme o IBGE.

No âmbito fiscal, o Itaú vê a PEC Emergencial como prioridade na agenda econômica do primeiro semestre. A medida estabelece gatilhos, como a redução de salários e jornada de trabalho de servidores em 25% quando a União descumprir a regra de ouro. Para o segundo semestre, o banco prevê uma reforma tributária "pontual" — com simplificação de impostos federais, como PIS/Cofins.

Compartilhe

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: semana das big techs divide espaço com inflação e PIB dos EUA e congelamento de despesas; fique por dentro

22 de julho de 2024 - 7:01

Ganha destaque a próxima divulgação do Boletim Focus, com expectativas em relação a mudanças após o anúncio de R$ 15 bi em contingenciamento de despesas do governo

ENTREVISTA EXCLUSIVA

Bradesco Asset revela cinco apostas em ações para lucrar na bolsa brasileira — e um setor para manter distância

22 de julho de 2024 - 6:04

Ao Seu Dinheiro, Rodrigo Santoro Geraldes conta que a gestora também possui quatro apostas na carteira de ações fora do Ibovespa

FRIGORÍFICOS

Problemas para a BRF (BRFS3) e a JBS (JBSS3)? Brasil suspende exportações de carne de aves para 44 países — e a China é um deles

20 de julho de 2024 - 12:19

O Ministério da Agricultura decidiu voluntariamente paralisar as exportações de carnes de aves e seus produtos, com restrições que variam de acordo com os mercados

DÁ O PLAY!

Agora vai? Por que a bolsa brasileira despertou em julho e o que esperar das ações agora

20 de julho de 2024 - 11:00

Ibovespa já acumula alta de 3% em julho, depois de quase perder os 120 mil pontos no último mês; mas as ações finalmente vão decolar, ou será mais um voo de galinha?

BOLSA NA SEMANA

Por que as ações do Pão de Açúcar (PCAR3) desabaram 13% e lideraram as perdas do Ibovespa na semana — enquanto Usiminas (USIM5) subiu 5%?

20 de julho de 2024 - 9:22

As ações do Pão de Açúcar atraíram os holofotes dos investidores na semana após uma sangria na bolsa brasileira. Veja o que está por trás da queda dos papéis

PERSPECTIVAS PARA OS PROVENTOS

Com R$ 2 bilhões entrando no caixa, a Eletrobras (ELET3) vai distribuir mais dividendos? Veja o que diz o Goldman Sachs

19 de julho de 2024 - 19:46

O banco acredita que a oferta irá aumentar a liquidez da companhia e potencialmente abrir espaço para proventos mais elevados no futuro

RANKING DA QUANTUM

Os reis das ‘penny stocks’: Americanas (AMER3), Oi (OIBR3) e outras ações com a maior sequência de pregões no patamar de centavos

19 de julho de 2024 - 16:41

Um estudo da Quantum mostra que companhias que enfrentaram processos de recuperação judicial dominam o ranking de penny stocks

GESTÃO EXPLICA

Fundo imobiliário com mais de 150 mil cotistas anuncia os menores dividendos em mais de dois anos; por que os proventos do ALZR11 estão em queda?

19 de julho de 2024 - 13:07

O histórico de distribuições de 2024 mostra que os valores depositados pelo FII recuaram cerca de 11,2% desde janeiro

REAÇÃO DAS BOLSAS

Apagão cibernético: ação da CrowdStrike, empresa que causou a pane nos sistemas da Microsoft e derrubou serviços no mundo todo, despenca em NY

19 de julho de 2024 - 12:08

Vale relembrar que, mais cedo, uma atualização nos sistemas da CrowdStrike causou uma pane generalizada nos sistemas da Microsoft

MERCADO FINANCEIRO

Renda fixa brilha no 1º semestre e impulsiona captação de fundos. Veja as 10 gestoras que mais levantaram dinheiro no período

18 de julho de 2024 - 18:38

No “Top 10” das empresas que mais levantaram dinheiro no período, a cifra chega a R$ 202,2 bilhões, de acordo com a Quantum Finance

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar