Menu
2020-05-04T16:34:15-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Pressão nos mercados

Cautela generalizada nos mercados faz o Ibovespa cair 3% e leva o dólar a R$ 5,54

O Ibovespa volta aos 78 mil pontos e o dólar se aproxima dos R$ 5,60, ajustando-se à maior aversão ao risco nos mercados nesta segunda

4 de maio de 2020
10:42 - atualizado às 16:34
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Passado o feriado do Dia do Trabalho, os mercados brasileiros voltam a operar normalmente nesta segunda-feira (4). E, na reabertura das negociações, tanto o Ibovespa quanto o dólar à vista assumem um tom bastante pessimista.

Por volta de 16h25, o principal índice da bolsa local recuava 2,71%, aos 78.321,52 pontos, ficando em linha com o desempenho das bolsas da Europa, que fecharam em baixa de mais de 2%. Nos Estados Unidos, contudo, o dia é de estabilidade nos mercados acionários.

No câmbio, o dólar à vista devolve boa parte do alívio visto na semana passada: no mesmo horário, a moeda americana subia 1,93%, a R$ 5,5437 — o real, assim, destoa das demais divisas de países emergentes, que apresentam um comportamento relativamente neutro nesta segunda.

  • Eu gravei um vídeo para explicar a dinâmica dos mercados brasileiros nesta segunda. Veja abaixo:

Essa forte onda de aversão ao risco vista por aqui se deve aos inúmeros fatores de estresse no radar dos investidores. Em termos globais, declarações do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, inspiram cuidado e reacendem os temores de novas turbulências políticas, mesmo em meio à pandemia de coronavírus.

Ao longo do fim de semana, Trump voltou a culpar a China pela disseminação da doença e afirmou que os EUA não vão mais cortar as tarifas comerciais impostas ao país, descumprindo os acordos feitos antes do surto global.

A fala do presidente americano mantém o viés negativo nos mercados acionários americanos — Wall Street funcionou normalmente na última sexta-feira (1) e teve baixas firmes na ocasião.

Aliás, a queda vista nas bolsas americanas durante o feriado também contribui para aumentar a pressão sobre o Ibovespa e os demais ativos domésticos nesta segunda: quase todos os recibos de ações (ADRs) de empresas brasileiras negociados em Nova York tiveram perdas firmes na sexta-feira, desencadeando movimentos de correção por aqui.

Tensão doméstca

Além de toda a cautela externa, também há uma forte prudência vinda do cenário local: o noticiário político contribui para manter os investidores em estado de alerta, altamente sensíveis a qualquer novidade vinda de Brasília.

Há dois pontos de turbulência: em primeiro plano, aparece a deterioração cada vez mais nítida nas relações entre o presidente Jair Bolsonaro e os demais poderes — nos últimos dias, ele tem centrado fogo no Supremo Tribunal Federal (STF).

No domingo (3), Boslonaro participou novamente de atos anti democracia e que pediam o fechamento do Congresso — uma postura que rendeu mais uma enxurrada de notas de repúdio de outras lideranças políticas e aumentou a percepção de crise em Brasília.

Ainda na capital federal, destaque para a aprovação, pelo Senado, do pacote de auxílio financeiro emergencial para Estados e municípios, no montante de R$ 125 bilhões — uma pauta que vem sendo chamada de 'bomba fiscal', dada a cifra elevada e a falta de contrapartidas para governadores e prefeitos.

Como o texto foi alterado pelos senadores, ele deve ser analisado novamente pela Câmara — o presidete da Casa, Rodrigo Maia, já sinalizou que pretende votar a pauta nesta segunda-feira. E, considerando o estado das relações entre governo e Congresso, deve-se esperar pouca disposição para aliviar o tom do projeto.

Essa combinação de fatores domésticos e externos provoca uma forte alta do dólar à vista e desencadeia um movimento de correção positiva nas curvas de juros futuros. Essa abertura dos DIs, no entanto, não diminui a percepção de que a Selic continuará sendo cortada no curto prazo:

  • Janeiro/2021: de 2,79% para 2,80%;
  • Janeiro/2022: de 3,62% para 3,67%;
  • Janeiro/2023: de 4,81% para 4,91%;
  • Janeiro/2025: de 6,55% para 6,63%.

Balanços em foco

No front corporativo, diversas empresas que compõem o Ibovespa reportaram nesta manhã seus resultados trimestrais, com destaque para a Gol — a companhia aérea viu seu prejuízo disparar a R$ 2,28 bilhões no período, pressionada pelo dólar em alta e pelo coronavírus.

Como resultado, as ações PN da empresa (GOLL4) despencam 10,40% nesta segunda e aparecem entre as maiores quedas do índice — veja abaixo a lista com os cinco papéis de pior desempenho no momento:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
AZUL4Azul PN15,06 -13,45%
GOLL4Gol PN11,11 -10,40%
EMBR3Embraer ON7,80 -9,83%
CSNA3CSN ON8,16 -8,93%
CVCB3CVC ON12,74 -7,68%

No lado oposto, poucas ações do índice conseguem sustentar desempenho positivo neste início de semana:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
VIVT4Telefônica Brasil PN47,62 +4,32%
TIMP3Tim ON13,16 +3,13%
ABEV3Ambev ON11,43 +0,79%
SUZB3Suzano ON39,65 +0,61%
MGLU3Magazine Luiza ON49,98 +0,56%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

o pior já passou?

Depois do fundo do poço, Venda de veículos novos sobe 11,6% em maio

Na comparação com maio do ano passado as vendas ainda despencam, com retração de 74,6%

em meio à pandemia

Governo busca destravar crédito a pequenas e médias empresas

Além de ampliar o escopo do financiamento de salários, cuja oferta de recursos ficou bem abaixo do esperado, avança na regulamentação da linha que terá garantia do fundo de aval do BNDES

EM MEIO À PANDEMIA

Bolsonaro paga recorde de emendas parlamentares

O montante efetivamente pago também foi o maior para um único mês ao longo dos últimos anos, R$ 4 bilhões.

EFEITO CORONAVÍRUS

Alta do dólar pressiona dívida e derruba lucro das empresas em 70% no trimestre

A disparada do dólar, que ganhou força a partir do fim do carnaval, foi suficiente para azedar o resultado das operações.

ENERGIA

Aneel autoriza postergação de entrega de obras de transmissão por 4 meses

O órgão regulador também suspendeu processos de autorização de obras não urgentes.

exile on wall strett

A festa junina que podemos ter

O que você observa do mercado hoje? Querendo ou não, gostando ou não, é um mercado leve, comprador, sem vendedor marginal, migrando para ativos de risco.

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Alívio intenso

Ibovespa sobe aos 90 mil pontos e dólar cai a R$ 5,23 com menor aversão ao risco

O Ibovespa continua recuperando o terreno perdido, impulsionado pelo clima de menor aversão ao risco no mundo. No câmbio, o dólar à vista cai forte e chega às mínimas desde 17 de abril

no twitter

Grupo divulga dados pessoais que seriam de Bolsonaro, família e aliados

Um perfil publicou imagens que alega retratarem a lista de bens declarados pelo presidente, com valor idêntico à declaração apresentada ao TSE

INVESTIGAÇÃO POLÍTICA

‘Presidente esqueceu de combinar comigo’, diz Aras sobre suposto arquivamento

Cabe a Aras decidir se denuncia ou não Bolsonaro, o que poderia resultar no afastamento do presidente do cargo.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements