Menu
2020-08-13T18:12:47-03:00
Ricardo Gozzi
Mercados hoje

Reação de Bolsonaro a truco de Guedes deixa mercado com o pé atrás e bolsa volta a cair

Apesar do mau humor externo, dólar fechou em queda com investidores ajustando posições depois da forte alta de ontem

13 de agosto de 2020
18:01 - atualizado às 18:12
Baralho ases
Par de ases - Imagem: Shutterstock

O ministro da Economia, Paulo Guedes, apostou alto ao acusar a ocorrência de uma “debandada” em sua equipe na tentativa de puxar a brasa para sua sardinha e fazer com que o presidente Jair Bolsonaro apoiasse com mais vigor e explicitude sua agenda liberal de Estado mínimo, obediência ao teto de gastos e privatizações.

Mas Bolsonaro reagiu com um apoio considerado protocolar e agentes do mercado financeiro seguem em dúvida se o presidente vai ou não dobrar a aposta em uma agenda mais popular depois do truco do ministro.

O mau humor externo em nada ajudou. Os índices Dow Jones e S&P-500 fecharam em queda, assim como as bolsas europeias e o petróleo. Sem força para remar contra a corrente, o Ibovespa acabou amplificando a queda após uma tentativa de recuperação pela manhã e recuou 1,62%, fechando a 100.460,60 pontos. O dólar, por sua vez, fechou em queda em um movimento de correção à forte alta de ontem.

Defesa protocolar

Em um pronunciamento breve e sem muitos detalhes proferido na noite de ontem, o presidente Jair Bolsonaro declarou-se “comprometido” com o teto de gastos e o ajuste fiscal.

Ele estava acompanhado dos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM/AP).

Tanto Maia quanto Alcolumbre fizeram declarações no mesmo tom daquele de Bolsonaro. E a sugestão de que Legislativo e Executivo estariam na mesma sintonia com relação aos temas intensificou a sensação de alívio entre os investidores nas primeiras horas de sessão.

Entretanto, a tímida defesa de Bolsonaro àquele que é considerado seu mais poderoso ministro foi vista como "curta e protocolar", conforme resumiu o economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, em comentário sobre a fala presidencial.

Cartas na mesa

Comparando a declaração feita anteontem por Guedes a uma jogada de pôquer, o analista Jefferson Lima, da CM Capital Markets, observou mais cedo que o ministro "ganhou fichas, ou melhor, raspou a mesa e voltou" ao jogo.

“Porém, a mesa continua cheia e os participantes com o intuito de furar o teto seguem no jogo, mas com menos fichas”, prosseguiu.

A partir do meio da tarde, a percepção de que a "debandada" enfraqueceu a agenda ultraliberal de Paulo Guedes ganhou corpo entre os investidores.

Na véspera, os temores com a fala do próprio ministro sobre uma "debandada" em sua equipe já haviam pesado sobre os ativos brasileiros ao longo de quase toda a sessão.

Responsabilidade fiscal ou popularidade?

O entendimento entre alguns analistas é de que Bolsonaro, ao ser desafiado por Guedes, terá que fazer em breve uma escolha entre a agenda do ministro e sua popularidade com vistas à reeleição.

Mas nem tudo era vermelho na telinha do Ibovespa. No lado positivo, a bolsa contou com os bons resultados trimestrais de empresas como a Via Varejo, o que contribuiu para colocar ações do segmento varejista em alta.

No campo dos indicadores, sinais de recuperação no mercado de trabalho norte-americano e no setor de serviços brasileiro em junho deram alguma sustentação à B3 pela manhã.

Entretanto, em um dia pouco favorável ao risco no exterior, com o petróleo em baixa, desempenho sem direção única nos índices de ações em Nova York e negativo nos fechamentos da Europa, o Ibovespa firmou-se em queda no meio da tarde.

Confira quais foram as maiores altas e quedas do dia entre os componentes do Ibovespa.

MAIORES ALTAS

  • Via Varejo ON (VVAR3) +3,41%
  • Klabin Unit (KLBN11) +2,98%
  • Hapvida ON (HAPV3) +2,12%
  • Natura ON (NTCO3) +1,97%
  • B2W ON (BTOW3) +1,45%

MAIORES QUEDAS

  • BRF ON (BRFS3) -7,80%
  • BR Malls ON (BRML3) -7,74%
  • Eletrobras ON (ELET3) -6,94%
  • Multiplan ON (MULT3) -5,94%
  • Eletrobras PN (ELET6) -5,38%

Dólar e juro

O dólar, por sua vez, manteve-se em queda desde o início da sessão. A moeda norte-americana passou por um ajuste depois da forte alta da véspera, quando o estresse nos mercado de câmbio levou o Banco Central a intervir duas vezes com o objetivo de frear a desvalorização do real.

A queda do dólar chegou a perder um pouco de força no meio da tarde desta quinta-feira com o aumento da aversão ao risco no exterior, mas não houve reversão no cenário. A moeda norte-americana fechou em queda de 1,53%, cotada a R$ 5,3677.

Apesar da queda do dólar, os contratos de juros futuros, que costumam acompanhar a taxa de câmbio, desgarraram-se para fechar em alta com base nos temores de que o alívio fiscal tenha curta duração em meio à falta de gatilhos de curto prazo para uma queda nas taxas.

Confira as taxas negociadas de alguns dos principais contratos negociados na B3:

  • Janeiro/2021: de 1,880% para 1,890%;
  • Janeiro/2022: de 2,770% para 2,810%;
  • Janeiro/2023: de 3,950% para 4,000%;
  • Janeiro/2025: de 5,710% para 5,840%.
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Triste marca

Brasil registra mais de 500 mil mortos por covid-19

Em 24 horas foram 2.301 óbitos e 82.288 novos casos. Em nota, Conass ressalta que o Brasil tem 2,7% da população mundial, e é responsável por 12,8% das mortes

Here comes the sun

Energia solar ruma para liderança no País até 2050

O sol será responsável por 32% da geração, ao mesmo tempo em que a participação das hidrelétricas deve cair para cerca de 30%

ESTRADA DO FUTURO

Os três setores mais lucrativos em tecnologia, e por que você deve investir neles

Integração entre softwares e Inteligência Artificial são dois dos segmentos que devem fazer parte de qualquer portfólio de investimentos vencedor

Ano de eleição

Promessas de Bolsonaro estouram “folga” do Orçamento em 2022

A ampliação do Bolsa Família e um eventual aumento de 5% nos salários do funcionalismo público já superam o espaço adicional de R$ 25 bilhões para o próximo ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies