Menu
2020-08-13T18:12:47-03:00
Mercados hoje

Reação de Bolsonaro a truco de Guedes deixa mercado com o pé atrás e bolsa volta a cair

Apesar do mau humor externo, dólar fechou em queda com investidores ajustando posições depois da forte alta de ontem

13 de agosto de 2020
18:01 - atualizado às 18:12
Baralho ases
Par de ases - Imagem: Shutterstock

O ministro da Economia, Paulo Guedes, apostou alto ao acusar a ocorrência de uma “debandada” em sua equipe na tentativa de puxar a brasa para sua sardinha e fazer com que o presidente Jair Bolsonaro apoiasse com mais vigor e explicitude sua agenda liberal de Estado mínimo, obediência ao teto de gastos e privatizações.

Mas Bolsonaro reagiu com um apoio considerado protocolar e agentes do mercado financeiro seguem em dúvida se o presidente vai ou não dobrar a aposta em uma agenda mais popular depois do truco do ministro.

O mau humor externo em nada ajudou. Os índices Dow Jones e S&P-500 fecharam em queda, assim como as bolsas europeias e o petróleo. Sem força para remar contra a corrente, o Ibovespa acabou amplificando a queda após uma tentativa de recuperação pela manhã e recuou 1,62%, fechando a 100.460,60 pontos. O dólar, por sua vez, fechou em queda em um movimento de correção à forte alta de ontem.

Defesa protocolar

Em um pronunciamento breve e sem muitos detalhes proferido na noite de ontem, o presidente Jair Bolsonaro declarou-se “comprometido” com o teto de gastos e o ajuste fiscal.

Ele estava acompanhado dos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM/AP).

Tanto Maia quanto Alcolumbre fizeram declarações no mesmo tom daquele de Bolsonaro. E a sugestão de que Legislativo e Executivo estariam na mesma sintonia com relação aos temas intensificou a sensação de alívio entre os investidores nas primeiras horas de sessão.

Entretanto, a tímida defesa de Bolsonaro àquele que é considerado seu mais poderoso ministro foi vista como "curta e protocolar", conforme resumiu o economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, em comentário sobre a fala presidencial.

Cartas na mesa

Comparando a declaração feita anteontem por Guedes a uma jogada de pôquer, o analista Jefferson Lima, da CM Capital Markets, observou mais cedo que o ministro "ganhou fichas, ou melhor, raspou a mesa e voltou" ao jogo.

“Porém, a mesa continua cheia e os participantes com o intuito de furar o teto seguem no jogo, mas com menos fichas”, prosseguiu.

A partir do meio da tarde, a percepção de que a "debandada" enfraqueceu a agenda ultraliberal de Paulo Guedes ganhou corpo entre os investidores.

Na véspera, os temores com a fala do próprio ministro sobre uma "debandada" em sua equipe já haviam pesado sobre os ativos brasileiros ao longo de quase toda a sessão.

Responsabilidade fiscal ou popularidade?

O entendimento entre alguns analistas é de que Bolsonaro, ao ser desafiado por Guedes, terá que fazer em breve uma escolha entre a agenda do ministro e sua popularidade com vistas à reeleição.

Mas nem tudo era vermelho na telinha do Ibovespa. No lado positivo, a bolsa contou com os bons resultados trimestrais de empresas como a Via Varejo, o que contribuiu para colocar ações do segmento varejista em alta.

No campo dos indicadores, sinais de recuperação no mercado de trabalho norte-americano e no setor de serviços brasileiro em junho deram alguma sustentação à B3 pela manhã.

Entretanto, em um dia pouco favorável ao risco no exterior, com o petróleo em baixa, desempenho sem direção única nos índices de ações em Nova York e negativo nos fechamentos da Europa, o Ibovespa firmou-se em queda no meio da tarde.

Confira quais foram as maiores altas e quedas do dia entre os componentes do Ibovespa.

MAIORES ALTAS

  • Via Varejo ON (VVAR3) +3,41%
  • Klabin Unit (KLBN11) +2,98%
  • Hapvida ON (HAPV3) +2,12%
  • Natura ON (NTCO3) +1,97%
  • B2W ON (BTOW3) +1,45%

MAIORES QUEDAS

  • BRF ON (BRFS3) -7,80%
  • BR Malls ON (BRML3) -7,74%
  • Eletrobras ON (ELET3) -6,94%
  • Multiplan ON (MULT3) -5,94%
  • Eletrobras PN (ELET6) -5,38%

Dólar e juro

O dólar, por sua vez, manteve-se em queda desde o início da sessão. A moeda norte-americana passou por um ajuste depois da forte alta da véspera, quando o estresse nos mercado de câmbio levou o Banco Central a intervir duas vezes com o objetivo de frear a desvalorização do real.

A queda do dólar chegou a perder um pouco de força no meio da tarde desta quinta-feira com o aumento da aversão ao risco no exterior, mas não houve reversão no cenário. A moeda norte-americana fechou em queda de 1,53%, cotada a R$ 5,3677.

Apesar da queda do dólar, os contratos de juros futuros, que costumam acompanhar a taxa de câmbio, desgarraram-se para fechar em alta com base nos temores de que o alívio fiscal tenha curta duração em meio à falta de gatilhos de curto prazo para uma queda nas taxas.

Confira as taxas negociadas de alguns dos principais contratos negociados na B3:

  • Janeiro/2021: de 1,880% para 1,890%;
  • Janeiro/2022: de 2,770% para 2,810%;
  • Janeiro/2023: de 3,950% para 4,000%;
  • Janeiro/2025: de 5,710% para 5,840%.
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

entrevista

‘Não se pode esperar para cortar privilégio’, diz ex-secretário do Ministério da Economia

Paulo Uebel defende que o Congresso aprove uma regra de transição na proposta da reforma administrativa para incluir o fim dos privilégios que grupo de servidores atuais ainda goza

Aposente-se aos 40 (ou o quanto antes)

100 dias entre o fundo e topo do mercado

Até aqui, 2020 foi o ano de Amyr Klink, em que aqueles que souberam capotar (entre janeiro e o final de março), passaram pela tempestade sem afundar de vez em mar aberto

inflação de alimentos

Após ouvir cobrança, Bolsonaro reforça que preço do arroz não será tabelado

Ministra da Agricultura avisou que atual patamar de preços só deve baixar mesmo a partir de 15 de janeiro, quando entrar a safra brasileira.

ranking da forbes

Varejo invade lista de mais ricos do Brasil; saiba mais sobre os bilionários

Luiza Trajano, Ilson Mateus e Luciano Hang chegam entre os 10 mais ricos do país, em um ano marcado por mudanças no setor varejista, alta das ações e IPOs

Seu Mentor de Investimentos

Como proteger seus investimentos diante do risco de sanções comerciais por causa das queimadas

País tornou-se um pária no mundo por conta do que acontece no Pantanal e na Amazônia, diz colunista Ivan Sant’Anna; ele aponta uma série de tipos de ativos que podem estar imunes a uma eventual protesto da comunidade internacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements