Menu

Projetos Especiais

2020-07-31T12:52:31-03:00
Leticia Camargo
oportunidade na crise

Este fundo imobiliário pode pagar 9,65% ao ano em dividendos e ainda se valorizar 10%, na visão de Alexandre Mastrocinque; entenda

Alexandre Mastrocinque abriu em sua coluna um fundo imobiliário que tem boas chances de retorno positivo mesmo com o cenário incerto; confira aqui

31 de julho de 2020
13:00 - atualizado às 12:52
fundo imobiliário
Imagem: Shutterstok

O atual momento dos fundos imobiliários, para falar a verdade nua e crua, não anda nada bem. Como você deve estar acompanhando, neste mês o Santander arrumou uma confusão ao entrar com ação judicial para baixar o valor dos aluguéis dos imóveis de suas agências.

Só a ameaça de um bancão foi suficiente para assustar o mercado. As cotas de fundos imobiliários sofreram uma queda no mês de julho de -2,59%, considerando os dados do Ifix (índice de fundos imobiliários da bolsa brasileira) até o dia 30. Os papéis de fundos que têm imóveis alugados para bancos caíram até mais, podendo chegar a -16% em um exemplo que vou detalhar abaixo. Isso em um mês em que a bolsa brasileira subiu mais de 10%.

No entanto, no ponto de vista de Alexandre Mastrocinque, não há motivo para tanto desespero. Na coluna para o SD Premium de ontem (30/07), ele falou sobre o que os fundos imobiliários reservam para o próximo trimestre de 2020.

Para ele, a queda nas cotas dos fundos em julho foi exagerada. Elas ficaram baratas demais, e esse pode ser um bom ponto de entrada para o investidor.

Ele enxerga potencial, mais especificamente, em um fundo imobiliário com imóveis alugados para outro grande banco. Mastrocinque fez as contas e, considerando o fechamento do papel no dia 29/07, ele vê potencial de rendimentos anuais de 9,65% só com proventos.  

Isso sem falar na possibilidade de recomposição dos preços da cota do fundo. Na sua visão, há potencial de alta de cerca de 10% no médio prazo.

QUERO SER ASSINANTE DO SD E RECEBER OS MELHORES FUNDOS DE INVESTIMENTOS

Isso até já começou a acontecer. No mesmo dia em que o Alexandre deu a sua recomendação, as cotas desse fundo imobiliário subiram 3% na bolsa brasileira.

Sim, como todo investimento em renda variável, há um risco envolvido. Mas vou te explicar nas linhas abaixo o porquê Alexandre acha que esse investimento vale o risco.

O que está em jogo

Para ilustrar a sua certeza em apostar nos fundos imobiliários, o Alexandre trouxe dois casos de bancos muito conhecidos para a sua coluna. E em ambos, tudo girou em torno do rendimento com aluguéis.

O caso é o seguinte: com a pandemia da Covid-19, apesar dos bancos seguirem trabalhando, o fluxo de clientes dentro das agências diminuiu e houve limitação do horário de expediente dos funcionários.

Com isso em mente, o Santander solicitou a revisão dos valores cobrados nos contratos de aluguéis. No entanto, estes contratos são firmados com natureza atípica, o que significa que, basicamente, pouco importam as circunstâncias e não há correção de preços caso não se trate da inflação.

Dessa forma, ele ficou sem muitas alternativas a não ser entrar com ação judicial reivindicando o reajuste. E isso gerou um grande pânico para o mercado de fundos, que já imaginou outros bancos tendo a mesma atitude.

Mas, para Alexandre, é pouco provável que isso se concretize.

O motivo disso é bastante simples: as gestoras dos fundos imobiliários farão de tudo para defender os interesses dos cotistas, e também do próprio fundo.

Assim, apesar do risco de o Santander conseguir baixar o seu aluguel pela Justiça, o economista acredita que a redução tem pouca chance de acontecer e, caso realmente aconteça, não terá tantos impactos como o previsto.

Então vale a pena investir?

De acordo com o Alexandre, vale. Mas também é preciso lembrar que, ao mesmo tempo em que pode haver retorno, não se pode ignorar o risco. Assim a sua principal recomendação é: investir estando ciente do que pode acontecer.

Como eu disse lá no começo, a sua coluna de ontem fez uma recomendação de um fundo que pode gerar um yield (dividendos) de até 9,65% ao ano. O que é bastante atraente para a realidade atual do mercado.

Lembre-se: a taxa básica de juros da economia brasileira está na mínima histórica, de 2,25% ao ano. E há grandes chances de cair ainda mais.

Por isso, eu aconselho você que está lendo a acessar a coluna do Alexandre para descobrir o fundo do qual estou falando aqui. Todo mês o Alexandre dá uma indicação do que comprar na bolsa exclusiva para os assinantes do Seu Dinheiro.

Essa é a área VIP do Seu Dinheiro, com conteúdos exclusivos. Veja aqui tudo que você vai encontrar no Premium. A assinatura custa R$ 5 por mês, menos do que uma corrida de Uber pertinho de casa.

Você tem 30 dias para acessar todos os nossos conteúdos Premium sem compromisso. Entra lá, experimenta, e se não gostar é só solicitar 100% do reembolso.

QUERO SER ASSINANTE DO SD E RECEBER OS MELHORES FUNDOS DE INVESTIMENTOS

 Com essa assinatura você terá acesso a:

  • Os segredos da Bolsa: um panorama semanal do que vai mexer com os mercados;
  • A lista das três melhores ações e fundos imobiliários das carteiras recomendadas das corretoras;
  • Um papel para comprar todo mês na bolsa, indicado pelo Alexandre Mastrocinque;
  • Descontos em todos os cursos do Seu Dinheiro;
  • Grupo exclusivo no Telegram com novidades e comentários exclusivos da equipe do Seu Dinheiro;
  • Uma crônica mensal exclusiva do Ivan Sant’Anna.

Esse é sem dúvidas o menor (e melhor) investimento que você pode fazer em sua vida financeira hoje.

QUERO SER ASSINANTE DO SD E RECEBER OS MELHORES FUNDOS DE INVESTIMENTOS

Não fique aí parado esperando as coisas acontecerem. Você pode estar deixando uma oportunidade, como a que contei aqui hoje, passar diante dos seus olhos.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

efeito coronavírus

PIB do Reino Unido tem queda recorde de 20,4% no 2º trimestre

Resultado ficou acima da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam queda de 21,4% do PIB no período

efeitos da pandemia

Produção industrial da zona do euro sobe 9,1% em junho

O resultado, no entanto, ficou abaixo da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam aumento de 9,5% no período

Esquenta do Mercado

Investidor local deve pesar baixas na equipe de Guedes e defesa do teto de gastos

Os investidores mundo afora monitoram a possibilidade de acordo para um pacote de estímulo econômico nos Estados Unidos, ora com mais, ora com menos pessimismo, os dados de avanço da covid-19, que traz preocupação novamente a países como Espanha e o desenvolvimento de vacinas. Com isso, os índices na Ásia fecharam sem direção nesta quarta-feira, […]

atualização oficial

Covid-19: Brasil registra mais 1.274 mortes e 52.160 casos

Nas últimas 24 horas, passou a fazer parte dessa estatística 52.160 novos casos confirmados e 1.274 mortes

de olho nos balanços

Raia Drogasil e BR Distribuidora: os balanços que mexem com o mercado nesta quarta-feira

Mercado financeiro tem mais um dia movimentado por conta dos balanços das empresas relativos ao segundo trimestre

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements