Menu
2020-12-18T19:57:27-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
fechamento dos mercados

Ibovespa tem 7ª semana de alta consecutiva e fica a 1.600 pontos de máxima histórica

Ações de Vale, Petrobras e bancos sobem e sustentam ganhos de 2,5% no período, embora índice tenha terminado abaixo dos 118 mil pontos com realização de lucros e desconforto político

18 de dezembro de 2020
19:23 - atualizado às 19:57
Foguete voando na frente do Ibovespa
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa anotou mais uma alta semanal e isso está ficando corriqueiro até demais.

Neste período, após oficialmente completar a sua recuperação em 2020, o índice passou a registrar alta acumulada no ano pela primeira vez desde fevereiro. O Ibovespa, se bem nos lembramos, zerou a sua queda anual na terça-feira (15).

Desde então, adicionou ganhos de 2,1% às suas contas no ano.

Tudo isto para dizer que esta semana também foi a (nada mais, nada menos) 7ª consecutiva de alta do principal índice acionário da B3. A última vez que se viu uma sequência como essa foi entre as semanas compreendidas entre 24 de julho e 15 de setembro de 2017.

Ou seja, havia mais de três anos que o índice não registrava uma sequência tão longa de altas semanais, um dado que salta aos olhos em uma trajetória de franca retomada que flerta com o topo histórico.

Nesta semana, ações ligadas a commodities, como siderúrgicas e produtoras de celulose, apresentaram ganhos importantes.

No período, o Ibovespa avançou 2,5%, apesar da queda da última sessão da semana, em que se viu novo desconforto político entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, além de um movimento de correção após fortes altas.

Bolsonaro acusou Maia de não votar a 13ª parcela do Bolsa Família em live na quinta (17) à noite, deixando uma medida provisória (MP) sobre o tema caducar.

O deputado, em resposta, disse que o presidente é "mentiroso" e pautou para hoje MP que prorrogou o auxílio emergencial até dezembro deste ano, com o 13º do programa social incluso.

Com isso, o índice terminou a sexta (18) em leve queda de 0,3%, aos 118.023 pontos.

O cenário externo também permitiu ao índice continuar a alçar voos maiores. A perspectiva de novos estímulos fiscais nos Estados Unidos contribuiu com a tomada de risco em um ambiente de liquidez abundante, fazendo inclusive com que os índices acionários à vista dos Estados Unidos renovassem máximas históricas.

Quem sobe, quem desce

Ações de commodities, significativas para a carteira do Ibovespa, tiveram desempenhos importantes para sustentar o índice.

Siderúrgicas tiveram uma semana muito positiva — Gerdau PN avançou 8%; CSN ON, 7,6%, e Usiminas PNA, 5,3%.

Ações ligadas à celulose e ao papel, como Suzano ON e as units da Klabin, também se apreciaram ao menos 6,5% no período.

Em ambos os casos — de siderúrgicas e produtoras de celulose —, as altas dos preços tanto do minério de ferro quanto da celulose, ligados à demanda da economia da China, explicam os bons desempenhos das ações.

Acompanhando o minério de ferro, ações da Vale subiram 3,5% na semana. Hoje, após o fim da sessão do Ibovespa e relatos da imprensa, a mineradora confirmou que houve um deslizamento de terra na Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG).

O local é perto da barragem de mesmo nome que se rompeu em janeiro de 2019. Equipes do Corpo de Bombeiros procuram por um homem que operava a máquina.

Bancos também se apreciaram, em meio à continuidade de ingresso de fluxo de investidores estrangeiros na bolsa brasileira e a visão de que os preços desses papéis ainda estão atrativos.

As ações da Petrobras também avançaram em meio à alta do petróleo no mercado internacional — hoje, os contratos futuros do petróleo Brent para fevereiro fecharam no maior nível em 9 meses.

Veja as maiores altas da semana:

CÓDIGOEMPRESAPREÇO (R$)VARIAÇÃO SEMANAL
TOTS3Totvs ON           28,22 11,41%
BPAC11BTG Pactual units           90,07 10,38%
BRKM5Braskem PNA           23,74 10,37%
SUZB3Suzano ON           56,43 9,74%
GOAU4Metalúrgica Gerdau PN           11,38 8,48%

Enquanto isso, ações punidas pela pandemia, Gol PN, Azul PN e CVC ON voltaram a sofrer nesta semana, após a recuperação recente dos papéis com as perspectivas de vacina. Confira as principais baixas:

CÓDIGOEMPRESAPREÇO (R$)VARIAÇÃO SEMANAL
COGN3Cogna ON             4,78 -9,81%
GOLL4Gol PN           25,15 -7,02%
SBSP3Sabesp ON           43,94 -6,89%
AZUL4Azul PN           37,95 -6,80%
YDUQ3Yduqs ON           33,20 -5,68%

Dólar e juros têm sessão de marasmo

O dólar terminou a sessão em alta de 0,1%, aos R$ 5,0829, seguindo a apreciação global da divisa indicada pelo Dollar Index (DXY), que compara a moeda a rivais fortes como euro, libra e iene.

A divisa americana também teve comportamento similar diante de outras moedas emergentes, pares do real brasileiro, como peso mexicano e rublo russo, indicando um comportamento em linha do mercado de câmbio local.

A perspectiva de estímulos nos EUA mantém o dólar sob pressão globalmente. Por aqui, a moeda tem se mantido em trajetória de queda firme ao menos desde novembro. No acumulado de dezembro, recua 5%.

Os juros futuros também terminaram a sessão regular próximos da estabilidade.

As taxas mais longas chegaram a apontar forte alta cedo na sessão, com a MP do 13º do Bolsa Família incluída na pauta da Câmara. No entanto, Maia retirou, no início da tarde, a proposta da pauta, com crescentes temores fiscais à vista.

"O próprio ministro Paulo Guedes hoje confirmou que o presidente é mentiroso quando disse que de fato não há recursos para o décimo-terceiro do Bolsa Família", disse o congressista, segundo a Agência Câmara Notícias.

"Ontem, fiquei muito irritado porque nunca imaginei que em um País como o Brasil um presidente da República pudesse, de forma mentirosa, tentar comprometer a imagem do presidente da Câmara ou de qualquer cidadão brasileiro."

Com isso, as taxas futuras terminaram próximas da estabilidade, com até mesmo as taxas mais longas, que precificam mais o risco fiscal, terminando a sessão com viés de queda.

Veja as taxas dos principais vencimentos:

  • Janeiro/2021: de 1,900% para 1,910%
  • Janeiro/2022: de 2,96% para 2,97%
  • Janeiro/2023: de 4,39% para 4,41%
  • Janeiro/2025: de 5,93% para 5,92%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

EM ALTA

Com petróleo em alta, Credit Suisse reitera recomendação de compra da Petrobras

Banco eleva preço-alvo de ADRs após revisar para cima projeção para Ebitda da indústria do petróleo em 2021 e 2022

Exile on Wall Street

Private equity para pessoas físicas

Há uma frase de que gosto muito no livro “Princípios do Estrategista”: as ideias do Taleb são tão boas que se dessem dinheiro seria sacanagem.

Panorama das fintechs

Goldman Sachs recomenda compra de ação da Stone, XP e PagSeguro e venda de Banco Inter

Embora o Inter seja o grande destaque de crescimento de clientes, os analistas do banco norte-americano apontam a ação da da Stone como a favorita entre as fintechs

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Mercados hoje

Queda do setor de commodities pesa e Ibovespa opera em queda, destoando do otimismo em NY

O início da vacinação no Brasil segue entusiasmando, mas uma série de incertezas limitam o alcance desse otimismo. No exterior, a proximidade da posse de Joe Biden faz com que os olhos se voltem para Washington

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies