Menu
2020-12-17T19:26:30-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
mercados hoje

Ibovespa se mantém em alta, mas perde fôlego após ficar perto de máxima histórica com expectativa de estímulos nos EUA

Possibilidade de acordo iminente por ajuda à combalida economia americana no valor de US$ 900 bilhões anima tomada de risco, com bolsas no exterior apontando alta, e pesa no dólar, que se enfraquece globalmente; juros curtos e longos recuam após RTI

17 de dezembro de 2020
10:51 - atualizado às 19:26
Selo Mercados Touro e Urso Alta
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa opera em alta na sessão desta quinta-feira (17), em meio ao bom humor no exterior, onde os mercados acionários nos Estados Unidos sobem em meio à perspectiva de um acordo iminente por estímulos fiscais à combalida economia americana.

Por volta das 17h30, o principal índice acionário da B3, no entanto, já registrava ganhos mais moderados, avançando 0,25%, cotado aos 118.150 pontos. Ontem, o índice terminou o dia próximo dos 118 mil, no que foi o maior patamar de fechamento desde 24 de janeiro.

Com a operação de momento, o Ibovespa está a cerca de 1.400 pontos da sua máxima histórica intradiária — 119.593 pontos.

A sessão tem nova alta forte de papéis de siderúrgicas (Usiminas PN, CSN ON, Gerdau PN), que avançam refletindo o avanço de 1,3% do minério de ferro negociado no porto de Qingdao, na China.

Ações da Vale, por sua vez, ajudam a sustentar o índice por volta do mesmo horário, bem como as da Petrobras, refletindo o movimento do petróleo no mercado internacional.

Lá fora, o ambiente favorável à tomada de risco é sustentado pelas perspectivas de que um pacote de estímulos nos Estados Unidos será fechado dentro em pouco, após meses de vaivéns. Com isso, os índices acionários à vista em Nova York sobem ao menos 0,4%.

Entre os principais índices à vista europeus, apenas o FTSE 100 fechou em recuo.

Os líderes do Congresso americano ficaram mais perto de firmar, na quarta (16), um acordo de cerca de US$ 900 bilhões. A proposta, há muito esperada pelo mercado para inundar de ainda mais liquidez a praça, inclui outra rodada de pagamentos às famílias.

Com isso, a perspectiva positiva de resolução de acordo se sobrepõe ao impasse recente, representando aos olhos dos investidores um avanço em um momento crítico da pandemia, já que o nível de hospitalizações no país atingiu níveis recordes.

Dólar cai com busca por risco

Se a figura é ótima para as bolsas de valores globais, é ruim para o dólar, ativo de segurança em situações de aumento de risco, que hoje continuou a se enfraquecer diante de rivais fortes, como o euro, a libra e o iene.

O Dollar Index (DXY), que compara a divisa a essas moedas, recua 0,7%, para abaixo do patamar de 90, nas mínimas desde abril de 2018.

O dólar também reage à sinalização de ontem do Federal Reserve, o banco central americano, de que os juros continuarão parados até 2023 e de que as compras de títulos do Tesouro do país e também os hipotecários continuarão ao mesmo ritmo até haver progresso na recuperação econômica.

Além disso, o número de pedidos de seguro-desemprego do país subiu 23 mil para 885 mil na semana passada, conforme indicado pelo Departamento do Trabalho do país. O dado veio acima da expectativa, que era de 808 mil solicitações — reforçando a perspectiva de retomada lenta do mercado de trabalho e da economia do país.

Frente a moedas emergentes, a toada é a mesma: dólar fraco. No fim da sessão, a moeda marcava queda de 0,5%, para R$ 5,0788.

Os juros futuros dos depósitos interbancários curtos predominantemente operaram em viés de baixa, por sua vez, com ajuste baixista de 2 pontos-base (0,02 ponto percentual). Enquanto isso, taxas intermediárias, como as para janeiro/2023, avançaram 0,04 ponto.

Juros longos, como os para janeiro/2025, fecharam estáveis.

Esses movimentos ocorrem também em dia de divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI) do Banco Central, que apontou novamente conforto da autoridade monetária com a inflação para 2021.

Divulgado no começo desta manhã, o RTI mostrou que o BC manteve a sua estimativa para a inflação em 2020 em 4,3%.

Para o ano que vem, a projeção é de que o IPCA fique em 3,4%, uma "folga" em relação ao centro da meta de inflação definida para o ano, de 3,75% — o que volta a indicar a manutenção do juro básico no atual patamar de 2% ao ano ao longo dos próximos meses. As projeções foram feitas utilizando o cenário do Relatório de Mercado Focus e o câmbio atualizado.

Hoje, o Tesouro Nacional realizou leilão de até 22 milhões de LTNs (Letras do Tesouro Nacional), títulos prefixados curtos, 2,8 milhões de NTN-Fs (Notas do Tesouro Nacional série F), títulos prefixados longos, e até 1 milhão de LFTs (Letras Financeiras do Tesouro), posfixados atrelados à variação da taxa Selic.

Foram vendidos 15 milhões de LTNs para janeiro de 2024, 6 milhões para outubro de 2022 e 1 milhão para abril de 2021; 2,5 milhões NTN-Fs para janeiro de 2027 e 200 mil para janeiro de 2031; além de 579,25 mil de LFTs para março de 2027 e 365 mil para março de 2022.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Confiança em alta

Casa Branca não vê fator gerador de inflação que Fed não possa controlar

A presidente do Conselho de Consultores Econômicos do governo ressaltou que é importante focar nas tendências para os índices ao invés de oscilações semanais ou mensais

Política monetária em detalhes

Diretor do BC afirma que Selic em 2% não era mais necessária e defende centro da meta inflacionária

Bruno Serra explicou que a retomada da atividade econômica foi mais rápida do que se imaginava e justificou a elevação da taxa básica de juros

ESTRADA DO FUTURO

O que rola nos bastidores de uma startup de sucesso: uma conversa com Paulo Veras, ex-CEO e fundador da 99Taxi

Na edição desta semana do Tela Azul, recebemos o Paulo Veras, ex-CEO e fundador da 99Taxi.

Receita Federal dos EUA

Binance é investigada por manter contas suspeitas de lavagem de dinheiro nos EUA

Desde 2019, a Binance não oferece mais serviços de trading de criptomoedas para quem mora nos Estados Unidos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies