Menu
2020-12-15T17:07:22-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
mercados hoje

Ibovespa sobe forte com exterior impulsionado por Vale e Petrobras, e dólar volta a cair

Juros futuros recuam, após Banco Central sinalizar que não deve elevar Selic no curto prazo

15 de dezembro de 2020
10:58 - atualizado às 17:07
Selo Mercados Touro e Urso Alta
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa iniciou a sessão desta terça-feira (15) em alta, seguindo os índices à vista das bolsas americanas e as bolsas europeias, que sobem em sua maioria.

Por volta das 17h10, o principal índice acionário da B3 avançava 1,3%, para 116.100 pontos, puxado pelo desempenho de blue chips como Vale (refletindo nova alta do minério de ferro), Petrobras (reagindo à alta do petróleo), Itaú e Bradesco. Ações de siderúrgicas como CSN e Usiminas disparam e lideram as altas percentuais do índice.

Com essa alta, o Ibovespa não apenas apagou as perdas em 2020 como passou a marcar ganhos no ano.

Lá fora, todos os índices acionários à vista de Nova York marcam alta, enquanto no Velho Mundo apenas o FTSE 100, da bolsa de Londres, fechou em queda, em meio a persistentes incertezas sobre um acordo comercial entre Reino Unido e União Europeia que suceda o Brexit.

Nos Estados Unidos, os investidores reagem com otimismo ao cenário político.

Um grupo bipartidário de congressistas divulgou detalhes de sua proposta de US$ 908 bilhões na segunda (14), dividindo o pacote em dois projetos separados. O maior deles, de US$ 750 bilhões aproximadamente, abrange medidas que tanto republicanos quanto democratas concordaram em apoiar.

Enquanto isso, o projeto menor inclui itens mais polêmicos, como ajuda ao governo estadual e local, que têm dificultado o andamento da pauta. Os legisladores procuram incluir o pacote de estímulos ao projeto de lei de gastos do governo para o ano fiscal, que deve ser aprovado até sexta (18).

No front da vacina, após o início da vacinação ontem com a vacina da Pfizer, o órgão regulador de medicamentos e alimentos nos Estados Unidos apontou hoje que o imunizante da Moderna é "altamente eficaz", abrindo caminho para que o seu uso emergencial possa ser autorizado ainda nesta semana.

O dólar, por sua vez, recua 0,6%, para R$ 5,0922, em meio ao seu enfraquecimento diante de moedas emergentes pares do real brasileiro, como o peso mexicano, o rublo russo e a lira turca, refletindo o risk-on global de hoje nos mercados financeiros e a continuidade de entrada de fluxo de estrangeiros na bolsa brasileira. (Se isso vai continuar ou não, isso é outra história, como mostra o Ivan Ryngelblum nesta matéria.)

Mais cedo, o Copom ressaltou, em ata, que poderá deixar de usar o "forward guidance", a prescrição futura para a taxa básica de juros, conforme 2022 ganha importância no cenário básico do Banco Central (BC) e as expectativas de inflação para o ano situam-se, hoje, no centro da meta (3,5%).

As expectativas do mercado para o futuro sinalizam que a inflação ficará em “torno da meta”, mas é importante se ater a uma condição imposta pelo BC para a manutenção do guidance: a de que as projeções para inflação fiquem “abaixo da meta no horizonte relevante”, não “em torno” dela.

No entanto, a queda do guidance não implica necessariamente em alta de juros, diz o comitê, na ata. Além disso, o BC diagnostica que os choques atuais são temporários” e que a projeção para a inflação permanece abaixo da meta de 4%.

Além disso, “as expectativas de inflação de longo prazo permanecem ancoradas”, afirma o documento.

Os juros recuam com o ambiente favorável à tomada ao risco no exterior. Além disso, o leilão do Tesouro Nacional que ofertou — e vendeu integralmente — 1,25 milhão de NTN-Bs (Notas do Tesouro Nacional série B), títulos públicos com rentabilidade atrelada ao IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), também pesa sobre as taxas.

A leitura do mercado é que houve uma queda na oferta desses papéis após sucessivas ofertas de NTN-Bs, como a de 8 milhões no dia 3 de dezembro, que tinham muita procura em um contexto de aceleração da inflação no curto prazo.

A perspectiva de que o BC não vai subir juros no curto prazo também contribui com o alívio da taxas.

A fixação da meta fiscal para 2021 em R$ 247,1 bilhões — o texto enviado em abril previa uma "meta flexível", mas o Tribunal de Contas da União vedou o Ministério da Economia de adotar esse parâmetro.

O mercado também monitora a apreciação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), marcada para amanhã.

Confira os juros dos principais vencimentos:

  • Janeiro/2021: de 1,908% para 1,906%
  • Janeiro/2022: de 3,03% para 2,94%
  • Janeiro/2023: de 4,37% para 4,28%
  • Janeiro/2025: de 5,95% para 5,86%
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Fechamento da semana

Real ganha do dólar na semana e bolsa sobe mais de 2% com economia americana nem tão aquecida e Copom incisivo

Os problemas domésticos foram para baixo do tapete e os fatores externos ajudaram o Real a se valorizar e a bolsa a romper resistências importantes. Confira um resumo da semana.

Mudou de ideia?

Elon Musk passa a recomendar cautela com o dogecoin às vésperas de sua participação no SNL

O bilionário, que já fez a moeda-meme disparar 60% com apenas um tweet, exibiu um alerta para as limitações do mercado de criptoativos

pandemia

Estudo aponta relação entre negacionismo de Bolsonaro e evolução da pandemia no Brasil

Segundo o levantamento, em cidades onde o presidente obteve mais de 50% dos votos no segundo turno das eleições de 2018, número de mortes foi 415% maior do que nos municípios onde ele perdeu o pleito

Insistência incomoda

Ex-presidente do BC Affonso Pastore acredita que ajuste parcial da Selic é insustentável

O economista defende o reconhecimento explícito de que a instituição perseguirá o ajuste integral da taxa básica de juros

Turbulência

Latam reduz prejuízo em 79% e anota perda de US$ 430,8 milhões no 1º trimestre

A receita operacional total da aérea foi de US$ 913,1 milhões no primeiro trimestre, queda de 61,2% sobre o mesmo período de 2020

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies