Menu
2020-12-15T17:07:22-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
mercados hoje

Ibovespa sobe forte com exterior impulsionado por Vale e Petrobras, e dólar volta a cair

Juros futuros recuam, após Banco Central sinalizar que não deve elevar Selic no curto prazo

15 de dezembro de 2020
10:58 - atualizado às 17:07
Selo Mercados Touro e Urso Alta
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa iniciou a sessão desta terça-feira (15) em alta, seguindo os índices à vista das bolsas americanas e as bolsas europeias, que sobem em sua maioria.

Por volta das 17h10, o principal índice acionário da B3 avançava 1,3%, para 116.100 pontos, puxado pelo desempenho de blue chips como Vale (refletindo nova alta do minério de ferro), Petrobras (reagindo à alta do petróleo), Itaú e Bradesco. Ações de siderúrgicas como CSN e Usiminas disparam e lideram as altas percentuais do índice.

Com essa alta, o Ibovespa não apenas apagou as perdas em 2020 como passou a marcar ganhos no ano.

Lá fora, todos os índices acionários à vista de Nova York marcam alta, enquanto no Velho Mundo apenas o FTSE 100, da bolsa de Londres, fechou em queda, em meio a persistentes incertezas sobre um acordo comercial entre Reino Unido e União Europeia que suceda o Brexit.

Nos Estados Unidos, os investidores reagem com otimismo ao cenário político.

Um grupo bipartidário de congressistas divulgou detalhes de sua proposta de US$ 908 bilhões na segunda (14), dividindo o pacote em dois projetos separados. O maior deles, de US$ 750 bilhões aproximadamente, abrange medidas que tanto republicanos quanto democratas concordaram em apoiar.

Enquanto isso, o projeto menor inclui itens mais polêmicos, como ajuda ao governo estadual e local, que têm dificultado o andamento da pauta. Os legisladores procuram incluir o pacote de estímulos ao projeto de lei de gastos do governo para o ano fiscal, que deve ser aprovado até sexta (18).

No front da vacina, após o início da vacinação ontem com a vacina da Pfizer, o órgão regulador de medicamentos e alimentos nos Estados Unidos apontou hoje que o imunizante da Moderna é "altamente eficaz", abrindo caminho para que o seu uso emergencial possa ser autorizado ainda nesta semana.

O dólar, por sua vez, recua 0,6%, para R$ 5,0922, em meio ao seu enfraquecimento diante de moedas emergentes pares do real brasileiro, como o peso mexicano, o rublo russo e a lira turca, refletindo o risk-on global de hoje nos mercados financeiros e a continuidade de entrada de fluxo de estrangeiros na bolsa brasileira. (Se isso vai continuar ou não, isso é outra história, como mostra o Ivan Ryngelblum nesta matéria.)

Mais cedo, o Copom ressaltou, em ata, que poderá deixar de usar o "forward guidance", a prescrição futura para a taxa básica de juros, conforme 2022 ganha importância no cenário básico do Banco Central (BC) e as expectativas de inflação para o ano situam-se, hoje, no centro da meta (3,5%).

As expectativas do mercado para o futuro sinalizam que a inflação ficará em “torno da meta”, mas é importante se ater a uma condição imposta pelo BC para a manutenção do guidance: a de que as projeções para inflação fiquem “abaixo da meta no horizonte relevante”, não “em torno” dela.

No entanto, a queda do guidance não implica necessariamente em alta de juros, diz o comitê, na ata. Além disso, o BC diagnostica que os choques atuais são temporários” e que a projeção para a inflação permanece abaixo da meta de 4%.

Além disso, “as expectativas de inflação de longo prazo permanecem ancoradas”, afirma o documento.

Os juros recuam com o ambiente favorável à tomada ao risco no exterior. Além disso, o leilão do Tesouro Nacional que ofertou — e vendeu integralmente — 1,25 milhão de NTN-Bs (Notas do Tesouro Nacional série B), títulos públicos com rentabilidade atrelada ao IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), também pesa sobre as taxas.

A leitura do mercado é que houve uma queda na oferta desses papéis após sucessivas ofertas de NTN-Bs, como a de 8 milhões no dia 3 de dezembro, que tinham muita procura em um contexto de aceleração da inflação no curto prazo.

A perspectiva de que o BC não vai subir juros no curto prazo também contribui com o alívio da taxas.

A fixação da meta fiscal para 2021 em R$ 247,1 bilhões — o texto enviado em abril previa uma "meta flexível", mas o Tribunal de Contas da União vedou o Ministério da Economia de adotar esse parâmetro.

O mercado também monitora a apreciação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), marcada para amanhã.

Confira os juros dos principais vencimentos:

  • Janeiro/2021: de 1,908% para 1,906%
  • Janeiro/2022: de 3,03% para 2,94%
  • Janeiro/2023: de 4,37% para 4,28%
  • Janeiro/2025: de 5,95% para 5,86%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

prévias

Eztec tem queda de 48% nas vendas no quarto trimestre

Lançamentos da empresa atingiram R$ 380,8 milhões, chegando a R$ 1,150 bilhão no ano – 85% a mais do que no terceiro trimestre

seu dinheiro na sua noite

2 milhões de mortos, 2 trilhões em estímulos e uma queda de mais de 2%

Se a primeira semana de 2021 nos mercados refletiu o otimismo geral com o novo ano que se iniciava, com perspectivas de vacinação contra o coronavírus e recuperação econômica, na segunda semana do ano, os investidores optaram pela cautela. Por ora, 2020, o ano do qual todos queríamos nos livrar, ainda não ficou para trás. […]

FECHAMENTO

Atritos políticos e covid-19 voltam para assombrar o mercado e Ibovespa recua mais de 2%; dólar sobe forte

Existe uma certa desconfiança de que o plano de US$ 1,9 trilhão apresentado por Biden encontre dificuldades de ser aprovado pelo Congresso, ainda que o democrata tenha conquistado a maioria das duas casas. No Brasil, situação do coronavírus reacende a pressão sobre o cenário fiscal

match com o mercado?

Concorrente do Tinder, Bumble pode levantar US$ 100 milhões em IPO

Ações da empresa estreiam em fevereiro na Nasdaq; companhia, que é dona do Badoo, não deu lucro no ano passado

pandemia

Itamaraty confirma que Índia atrasará entrega de vacinas

Chanceler indiano atribuiu o atraso na liberação a “problemas logísticos” decorrentes das dificuldades de conciliar o início da campanha de vacinação no país de mais de 1,3 bilhão de habitantes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies