Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-01T16:58:39-03:00
Estadão Conteúdo
Varejo

‘Racha’ entre lojas de shopping cria grupo dissidente

Divisão foi formalizada com a criação da Ablos, entidade que reúne lojas menores, com cerca de 180 metros quadrados de área de vendas

1 de abril de 2019
16:50 - atualizado às 16:58
Varejo: imagem desfocada de pessoas caminhando em um shopping center
Fraca recuperação das vendas, entre outras coisas, trouxe à tona antiga divisão entre varejistas de shoppingImagem: Shutterstock

A fraca recuperação das vendas do varejo e os custos crescentes de ocupação das lojas trouxeram à tona uma antiga divisão entre pequenos e grandes varejistas de shopping centers, na negociação com os donos dos empreendimentos. O racha foi formalizado 20 dias atrás, com a criação da Associação Brasileira de Lojas Satélites (Ablos). A entidade reúne lojas menores, com cerca de 180 metros quadrados de área de vendas.

Elas são conhecidas como lojas satélites, em contraposição aos grandes magazines, ou âncoras. Por terem potencial para atrair grande quantidade de pessoas aos shoppings, as âncoras sempre desembolsaram proporcionalmente menos pela locação dos espaços, em relação às lojas menores.

"Até então existia uma associação que se chama Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping) que diz representar os lojistas. Mas, na verdade, mais representa os shoppings", afirma Tito Bessa Júnior, presidente da Ablos e da rede TNG, de vestuário.

A nova associação nasce reunindo 70 marcas, como Jogê Meias (moda íntima), Side Walk (calçados), Gregory. MOB, Khelf (moda), Óticas Carol e Vivara (joias). A expectativa é que a adesão dos lojista à nova entidade cresça e atinja cerca de 300 marcas, o equivalente a 20 mil pontos de venda espalhados pelo País.

Nabil Sahyoun, presidente da Alshop, nega a falta de representatividade. Ele diz ter interlocução com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e que esteve três vezes como presidente da República, Jair Bolsonaro.

Sua principal credencial, segundo ele, são os 40 mil pontos de vendas filiados à entidade, que existe há 24 anos. Quanto às negociações com os empreendedores de shoppings, Sahyoun diz que a postura é de parceria. Na crise, ele afirma que os shoppings foram flexíveis, prorrogaram prazos e deram descontos na locação.

Diferenças
A nova associação pensa diferente. Uma das demandas da Ablos é buscar uma relação mais equilibrada nas negociações entre as satélites e os donos de shoppings, normalmente grandes companhias. Pelo fato de serem empresas menores, elas não têm o mesmo poder de fogo das âncoras.

Hoje, diz Bessa, enquanto as âncoras pagam de 3% e 5% sobre o faturamento aos shoppings, as satélites desembolsam o equivalente entre 10% e 12%, podendo chegar a 20%. Ele afirma que o custo de ocupação das lojas satélites envolve aluguel, condomínio e fundo de promoção. Mas, no caso das âncoras, elas pagam apenas o aluguel.

Para o consultor especializado em shoppings, Luiz Alberto Marinho, sócio-diretor da GS&Malls, se o custo de ocupação de uma loja for maior do que 10% do que a sua receita de vendas, a operação tende a não ser lucrativa. "Se passar de 15% é proibitiva. Nenhum lojista satélite deveria pagar mais do que 15% do que vende com custo total de ocupação."

Bessa compara a relação desigual entre as lojas âncoras e satélites nos shoppings a um prédio de apartamentos no qual quem mora na cobertura (loja âncora) não paga condomínio e o restante do prédio (satélites) arca com essa despesa. "Essa fórmula penaliza o pequeno varejista para subsidiar o grande", diz. "É concorrência desleal."

Procurada a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), que reúne os empreendedores de shoppings, informou, por meio de nota, que "as condições de locações são definidas por cada empreendimento e não pelo setor, como previsto no artigo 54 da Lei de Locações (Lei nº 8.245, de 1991)". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Balanço do mês

Bitcoin, ouro e dólar se recuperam em julho, enquanto bolsa é um dos piores investimentos do mês

Fundos imobiliários também se saíram bem, depois que tributação dos seus rendimentos foi retirada da reforma do imposto de renda

próximos anos

Eletrobras aprova em conselho plano de negócios com desinvestimentos de R$ 41 milhões

Entre as medidas previstas está a avaliação de oportunidades para efetuar a gestão dos passivos provenientes de dívidas do Sistema Eletrobras

temporada de resultados

Lucro da Alpargatas, dona da marca Havaianas, cresce 228,7%, R$ 111 milhões

Receita líquida da companhia saltou 71,4% sobre igual intervalo de 2020, para R$ 1,095 bilhão, ao mesmo tempo em que os volumes registraram crescimento de 57%

seu dinheiro na sua noite

As corridas da bolsa e do dólar — e a frustração dos investidores na linha de chegada de julho

Nove em cada dez operadores do mercado financeiro juram, de pés juntos, que o último pregão do mês costuma ser positivo. Ora essas, é a data limite para o fechamento das lâminas de desempenho mensal dos fundos e das carteiras de investimento — e é claro que todo mundo quer estampar o melhor resultado possível. […]

decisão temporária

CVM suspende oferta de recebíveis que financiaria cooperativas do MST

Decisão da autarquia vale por 30 dias; CVM diz que a oferta não apresenta informações consideradas essenciais para os investidores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies