🔴 NOVA META: RENDA EXTRA DE ATÉ R$ 2 MIL POR DIA – SAIBA COMO

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
26 de junho de 2022
16:31
Varejo adota 'loja-contêiner' para fugir dos custos de shoppings e aluguéis
Varejo adota 'loja-contêiner' para fugir dos custos de shoppings e aluguéis.Imagem: Shutterstock

Dois anos de pandemia marcados pelo abre-e-fecha de lojas para conter a disseminação do vírus não só aceleraram a digitalização do varejo, mas também levaram um número crescente de empresários do comércio a apostar em um novo modelo de loja física.

Mais compactos, baratos e, sobretudo, flexíveis, os pontos de venda modulados, inspirados no contêiner usado no transporte marítimo, viraram febre no varejo.

As lojas modulares ganham espaços ao longo do período de isolamento. Você deve ter reparado elas em postos de gasolina, estacionamentos, condomínios, praças e boulevards, por exemplo. Elas escapam do aluguel pesado das lojas de rua e de shoppings e também das taxas de condomínio.

Varejo on-contêiner: os novos moderninhos

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. "Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia", afirma o CEO e fundador da varejista, Caito Maia.

Depois do que ele considera ter sido um "chacoalhão" provocado pela covid-19, diz que os empresários tiveram de criar outros canais de venda, além do online. "Não sei o que pode acontecer no futuro e preciso ter acesso ao consumidor", diz.

Na ponta do lápis

Hoje, a rede tem cinco lojas modulares, de 15 metros quadrados, feitas com plástico reciclado e que usam energia solar. Essas unidades estão sendo testadas em vários locais: dentro de um posto de gasolina na Zona Oeste da capital paulista, em Boituva (SP), em Porto Alegre e em duas cidades mineiras, Itajubá e Piumhi.

Se passarem no teste, a meta é abrir mais 70 lojas nesse formato até o fim do ano. O alvo são municípios com 40 mil a 50 mil habitantes, onde não há shoppings e o investimento em uma loja de rua tradicional não se paga com volume de vendas. "Há no Brasil 600 municípios com esse perfil, é um mercado gigantesco", diz Maia.

Em três anos, o plano da varejista é abrir 400 Eco Chilli, que devem consumir R$ 52 milhões de investimento de franqueados.

A cifra aplicada numa loja desse tipo é de R$ 130 mil, a metade do que seria gasto em uma loja tradicional, de tijolo e cimento. Em quatro anos, quando estiverem em pleno funcionamento, devem responder por 20% das vendas. A varejista projeta fechar o ano com um total de mil lojas franqueadas e faturamento de R$ 1 bilhão.

Novo modelo de varejo? Nem tanto

A ótica estreia no segmento muito tempo depois do restaurante Madero, um dos pioneiros, do supermercado Hirota, do Carrefour e da chocolateria Cacau Show, por exemplo.

Cinco meses após o início da pandemia, em julho de 2020, o Hirota abriu as duas primeiras lojas automatizadas, dentro de contêiner adaptado em condomínios residenciais. Hoje, são 83 na Grande São Paulo, no ABC Paulista e em Guarulhos (SP). A perspectiva é de chegar a 100 até o fim deste ano. "É o modelo de loja que mais cresce e no qual a empresa mais aposta", diz Hélio Freddi, diretor da rede.

Os espaços "vazios" que as loja-contêiner'

O projeto nasceu como loja em contêiner, mas migrou para salas disponíveis em condomínios, muito em função da arquitetura do local. Hoje, das 83 lojas, oito estão em contêiner. Freddi diz que esse ponto de venda caiu no gosto do consumidor. "Primeiro, tivemos a pandemia e, agora, é o aperto financeiro: as pessoas não estão fazendo compra do mês, mas pequenas compras."

O Carrefour, maior varejista de alimentos e bebidas do País, abriu as duas primeiras lojas autônomas em contêiner em dezembro de 2020. Já são 18 em operação, das quais três em contêineres. O plano para este ano é acelerar a inauguração de lojas nesse formato em condomínios residenciais.

Segundo Daniel Roque, diretor de Canais e Expansão da Cacau Show, metade das 220 lojas abertas este ano e um terço das 280 em fase de implantação estão em contêineres. A chocolateria adotou esse formato em janeiro. Hoje, são 302 lojas em contêineres, de um total de 3 mil pontos de venda.

Varejo-tech: direamente de um modelo digital de negócios

Fora dos endereços tradicionais de compras, as lojas modulares são herança da pandemia não só por "ir" aos locais frequentados pelo consumidor no seu dia a dia, mas também por retratar a agilidade que o varejo ganhou com a transformação digital forçada.

"O varejo ficou mais ágil, e a loja dentro do contêiner é um modelo que tem a ver com essa agilidade", diz Eduardo Terra, presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC).

Nova dinâmica do varejo

No varejo digital, se o negócio não vai bem, rapidamente é alterado. Já na loja física tradicional, essa mudança é mais custosa e trabalhosa: envolve grandes investimentos, contratos de locação por períodos longos, por exemplo. Se algo der errado na loja modular, como o mercado não ser promissor como se imaginava, é só mudar rapidamente de lugar e colocála em outra praça.

O investimento na estrutura física não fica comprometido. "A flexibilidade da loja-contêiner de testar, trocar, fechar, aumentar é típica do mundo digital", diz.

Terra observa que a tendência foi acelerada nos últimos dois anos também por outro fator: o aumento exponencial do custo da construção. "Construir uma loja tradicional está assustando muita gente; em alguns setores, o custo chegou a dobrar, e o varejo sempre busca alternativas".

*Com informações do Estadão Conteúdo

Compartilhe

ATACAREJO BRASILEIRO

Carrefour (CRFB3) inicia conversão das lojas Maxxi em Atacadão após aquisição do grupo BIG

5 de setembro de 2022 - 14:19

Anúncio marca o início do plano de transformação da empresa, que inclui a conversão de outras 120 unidades do Grupo Big em outras bandeiras nos próximos dois anos

VAGAS AFIRMATIVAS

Carrefour anuncia bolsas de estudo exclusivas para pessoas negras; saiba como participar

4 de agosto de 2022 - 12:48

O programa de capacitação é voltado para brasileiros entre 18 e 30 anos de idade, com ensino fundamental completo; as inscrições vão até 28 de agosto

Emissão de dívida

Atacadão, do Grupo Carrefour (CRFB3), anuncia emissão de R$ 1,5 bilhão em debêntures e CRAs para comprar direto do produtor

30 de julho de 2022 - 18:11

Emissão privada de debêntures será seguida de uma oferta pública de CRAs, uma das maiores do ano

RESILIÊNCIA NA CRISE

Carrefour (CRFB3) entra no carrinho do mercado e sobe mais de 7% após balanço forte no 2º trimestre

27 de julho de 2022 - 12:42

Analistas afirmam que os resultados do Carrefour (CRFB3) superaram as expectativas, com destaque para o desempenho das operações do Atacadão

FUSÃO NO ATACAREJO

De olho na fusão: Cade aprova aquisição do grupo BIG pelo Carrefour (CRFB3), com restrições

25 de maio de 2022 - 16:31

Em janeiro, a Superintendência do Cade deu sinal verde para a aquisição do Grupo Big pelo Carrefour; a movimentação envolve R$ 7,5 bilhões

VAI UM CÓDIGO AÍ?

Tecnologia: Carrefour oferece 7.500 bolsas de estudo para desenvolvedores web; Itaú abre programa de estágio

31 de março de 2022 - 17:33

O setor de tecnologia busca por novos talentos. As inscrições para os programas do Carrefour e Itaú vão até o dia 22 de abril

OPERAÇÃO COMPLEXA

Superintendência do Cade dá sinal verde para compra do Big pelo Carrefour, mas prescreve remédios para evitar concentração; entenda

25 de janeiro de 2022 - 11:44

O órgão prevê medidas estruturais e comportamentais para mitigar os problemas concorrenciais identificados durante a análise da operação

INTERESSE FRANCÊS

Carrefour (CRFB3) pode receber nova proposta de compra por rival francesa Auchan, e ações sobem na B3

6 de janeiro de 2022 - 13:19

Trata-se da segunda tentativa da Auchan de comprar a rede de supermercados. Em 2021, a rival fez uma proposta em torno de 16,6 bilhões de euros

SINAL AMARELO

Compra do BIG pelo Carrefour é ‘complexa’, diz Cade; órgão decide aprofundar análise e adia decisão sobre o negócio

16 de novembro de 2021 - 13:10

A transação, anunciada em março, envolve a aquisição de 386 unidades de varejo de autosserviço, 15 postos de combustíveis e 11 centros de distribuição

Estimativas

Carrefour (CRFB3) divulga projeção para Atacadão e estima R$ 100 bi em vendas em 2024

25 de setembro de 2021 - 11:02

A projeção de vendas brutas da rede no exercício social que se encerrará em 31 de dezembro de 2021 é de R$ 60 bilhões

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar