🔴 NOVA META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM DUAS OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Estadão Conteúdo
Investimento em startups

Fundo japonês deve escolher Creditas e Grow

Aporte na Creditas deve ser anunciado nas próximas semanas e levantar US$ 200 milhões. Já o valor investido na Grow deve girar em torno de US$ 150 milhões

Estadão Conteúdo
4 de abril de 2019
8:40 - atualizado às 8:42
Bicicleta e patinete - Imagem: Leo Martins/Estadão Conteúdo

A fintech de crédito Creditas e a startup de mobilidade urbana Grow devem receber os dois primeiros aportes do fundo de US$ 5 bilhões montado pelo grupo japonês SoftBank para investir em empresas iniciantes da América Latina, de acordo com fontes próximas ao assunto.

Segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, o aporte na Creditas já foi assinado e deve ser anunciado nas próximas semanas: a empresa, que oferece empréstimos pessoais a partir de imóveis e automóveis como garantia, deve levantar US$ 200 milhões. Com a rodada, a empresa deve ser avaliada em US$ 500 milhões.

Já o aporte na Grow deve girar em torno de US$ 150 milhões e avaliar a empresa em US$ 700 milhões. Inicialmente, os investimentos devem ser feitos por uma linha de crédito, avaliada em US$ 2 bilhões, até que o fundo receba autorização para operar. Assim que isso acontecer, os recursos serão transferidos.

Procurado pelo jornal O Estado de S. Paulo, o presidente executivo da Creditas, Sergio Furio, disse que a empresa "conversa com muitos investidores, mas não comenta conversas sobre potenciais parceiros." Em entrevista recente ao jornal, Furio disse que a startup estava prospectando uma rodada de investimentos para 2019. "Receber uma avaliação polpuda em uma rodada de investimentos é como ter dinheiro de 'papel'", disse na ocasião. "Uma empresa só é valiosa se resolver problemas relevantes."

Acelerador

A operação na Grow ainda está sendo fechada e deve demorar algumas semanas. Caso se concretize, o aporte deixa a startup de bicicletas e patinetes elétricos, uma fusão da mexicana Grin com a brasileira Yellow, perto da marca de ser avaliada em US$ 1 bilhão - um unicórnio, no jargão do mercado. Por meio de nota, a Grow disse que "o quadro de investidores permanece inalterado e os dados apresentados não correspondem à realidade da empresa". Já o SoftBank não respondeu às solicitações de entrevista até o fechamento da reportagem.

As duas empresas que fundaram da Grow começaram a operar no mercado em 2018. Segundo as fontes, o aporte deve servir para expandir a operação da empresa pela América Latina e reforçar a divisão de patinetes elétricos, que têm rentabilidade maior do que a operação de bicicletas, considerada muito custosa.

Além disso, é bom lembrar que o primeiro investimento feito no Brasil pela SoftBank, em 2017, foi na 99, startup de mobilidade urbana criada por dois dos cofundadores da Yellow, Ariel Lambrecht e Renato Freitas.

Para Felipe Matos, autor do livro 10 Mil Startups e fundador da aceleradora Startup Farm, uma das mais tradicionais do mercado brasileiro, os dois aportes são uma amostra do poder de fogo do SoftBank. O fundo da empresa é cerca de quatro vezes maior que todo o investimento de capital de risco em startups (venture capital) feito no mercado latino americano em 2017, segundo dados da Associação Latino Americana de Venture Capital (Lavca, na sigla em inglês).

"O SoftBank costuma investir em empresas com avaliação superior a US$ 100 milhões: Creditas e Grow são candidatos que fazem bastante sentido, nesse caso", diz Matos. "Na América Latina, a atuação deles deve se concentrar em empresas 'pré-unicórnio', em rodadas antes das empresas atingirem tal avaliação."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhe

NOVO NEGÓCIO

Braskem (BRKM5) vende controle da Cetrel para GRI de olho no setor de resíduos industriais

13 de junho de 2024 - 19:47

Petroquímica passa a deter 49,9% da empresa de gestão de resíduos

Socorro governamental

Com medida provisória, governo tenta salvar a combalida Amazonas Energia

13 de junho de 2024 - 18:53

Ministério de Minas e Energia avalia que a saúde econômico-financeira da companhia está deteriorada

RECOMENDAÇÃO

Goldman Sachs: Após 1º trimestre fraco, desafio da Arezzo&Co (ARZZ3) é crescer em meio à fusão com o Grupo Soma; é hora de comprar a ação?

13 de junho de 2024 - 15:00

Queda de 22% nas ações da varejista de calçados no ano levantou preocupações dos investidores sobre a criação da nova holding

VÃO DIZER SIM?

Elon Musk afirma que conselho aprovou bônus de US$ 56 bilhões e ações da Tesla saltam na bolsa

13 de junho de 2024 - 12:24

O bônus multibilionário já havia sido aprovado em 2018, mas foi barrado pela Justiça de Delaware. A votação para a reavaliação do pacote salarial de Elon Musk ocorre nesta quinta-feira (13)

Aquisições

Allos desiste de comprar parte do Shopping Rio Sul; mas avisa que ainda está de olho no negócio

13 de junho de 2024 - 10:33

Companhia informou que a Combrascan tem intenção de exercer seu direito de preferência na operação

MUDANÇAS EM FOCO

Americanas contrata ex-Casas Bahia e outros dois executivos; veja quem é o trio que vai compor a equipe da varejista — AMER3 dispara 22% na B3

13 de junho de 2024 - 10:06

Ex-diretor de soluções financeiras da Casas Bahia, Tiago Abate entrará como vice-presidente de clientes e parceiros da companhia

MEIOS DE PAGAMENTO

Cielo se prepara para sair da bolsa e uma dupla de empresas de maquininhas pode surfar essa onda, mas o Santander tem uma favorita

12 de junho de 2024 - 17:33

Os analistas avaliam que existe uma boa janela de curto prazo para a Stone e a PagSeguro em meio à queda das ações e à OPA da Cielo; veja quem é a preferida

Rali das “meme stocks”

‘Efeito Roaring Kitty’ faz GameStop levantar mais de US$ 2 bilhões com venda de ações

12 de junho de 2024 - 16:04

Varejista de videogames vendeu 75 milhões de ações após volta de trader que inspirou o épico ‘short squeeze’ em 2021

Mercado acionário

Bank of America corta preço-alvo para ações de bancões brasileiros, mas mantém recomendação

12 de junho de 2024 - 15:10

Combinação de receitas diversificadas, funding, controle de custos e balanços fortes são os fatores positivos apontados pelos analistas

DINHEIRO NO BOLSO

Dividendos milionários: Grupo Mateus (GMAT3) vai pagar mais de R$ 134 milhões para acionistas; confira os prazos e como receber

12 de junho de 2024 - 12:50

O anúncio da distribuição do JCP ocorre em um momento positivo para a companhia, que vem contrariando a crise no varejo

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar