Menu
2019-12-09T18:36:12-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Sorriso amarelo

Veneno numa mão, antídoto na outra: a estratégia da Gol para incorporar o Smiles

A nova proposta da Gol para a incorporação do Smiles é atrativa para os atuais acionistas da companhia de fidelidade, mas deixa clara a turbulência na relação entre as empresas

9 de dezembro de 2019
15:44 - atualizado às 18:36
Avião com pintura do Smiles
Avião com pintura do Smiles - Imagem: Smiles

O Smiles, administrador do programa de fidelidade da Gol, chegou à bolsa em 26 de abril de 2013, ao preço de R$ 21,70 por ação. Era uma história de sucesso no mercado brasileiro: em quatro anos e meio, os papéis acumularam ganhos de 280%, chegando à máxima de R$ 82,49 em outubro de 2017.

Repare que eu usei o verbo no passado. O Smiles era, e não é uma história de sucesso, já que a empresa entrou numa espiral descendente a partir de 2018 — na última sexta-feira (6), as ações valiam apenas R$ 31,02, uma baixa de mais de 60% em relação ao topo. E muito dessa derrocada se deve à Gol, que não hesitou em destruir o valor do filho prodígio para garantir sua própria sobrevivência.

O conto da ascensão e queda do Smiles tem um novo capítulo nesta segunda-feira (9): a Gol fez uma nova proposta para incorporar sua controlada, oferecendo ações e dinheiro aos acionistas da companhia de fidelidade — uma oferta que foi bem recebida pelo mercado, já que as ações ON da empresa (SMLS3) dispararam 19,72%, a R$ 38,00.

Há duas propostas na mesa, ambas considerando um cenário-base de R$ 39,25 por ação da Gol. Os termos foram direcionados aos minoritários do Smiles, sem que a oferta precise do aval da administração ou de um comitê independente da companhia de fidelidade:

  • Opção 1: cada ação do Smiles fará jus a 0,6319 papel da Gol e R$ 16,54
  • Opção 2: cada ação do Smiles fará jus a 0,4213 papel da Gol e R$ 24,80

Fazendo as contas, chegamos ao mesmo valor em ambos os cenários: o acionista do Smiles receberá uma quantia equivalente a R$ 41,34 por papel que detém. Uma oferta tentadora, considerando a cotação de R$ 31,02 da última sexta-feira — e as perspectivas pouco animadoras para a companhia de fidelidade para o futuro.

A proposta é inegavelmente vantajosa para os acionistas atuais da empresa, uma vez que o próprio Smiles já admitiu que 2020 será um ano mais fraco — assim, há pouca perspectiva para valorização das ações. Mas a oferta da Gol só é atrativa por causa do intenso processo de destruição de valor do Smiles nos últimos meses.

Para quem viu o Smiles no auge, é impossível não sentir uma certa melancolia ao ver o possível desfecho dessa história. De promessa na bolsa à saída pela porta dos fundos da B3: um arco dramático que poucos poderiam prever lá em 2017.

Veneno

O ponto de virada na trajetória do Smiles ocorreu no dia 15 de outubro de 2018: naquela data, a Gol anunciou uma proposta de reorganização societária que tinha como objetivo "assegurar a competitividade de longo prazo do grupo".

Entre outros pontos, o plano envolvia a não-renovação do contrato com o Smiles para além de 2032, a data-limite atual. Além disso, a Gol pretendia incorporar a companhia de fidelidade, através de uma operação de troca de ações — a relação de substituição seria definida no futuro.

O fato de a Gol ter decidido essa reestruturação de forma "unilateral" — e de não ter optado por uma oferta pública de aquisição de ações (OPA) do Smiles, caminho mais transparente para um processo de fechamento de capital — provocou um colapso nas ações do Smiles nesse dia: os papéis desabaram 38,83% apenas naquela sessão, chegando a R$ 29,55.

E qual o interesse da Gol em fazer isso? Bem, em primeiro lugar, a companhia aérea teria uma liberdade muito maior para decidir como funcionará a conversão de milhas por passagens. Além disso, a troca de ações custaria menos que uma OPA.

Além disso, o Smiles representava uma valiosa fonte de caixa, capaz de trazer maior segurança à Gol em períodos de crise — de tempos em tempos, empresas aéreas são pressionadas pelas oscilações no dólar e no petróleo, duas componentes importantes em suas linha de custos.

Por fim, os termos apresentados pela Gol traziam uma pressão enorme à Smiles. Ao anunciar que não prorrogaria o contrato operacional, a aérea lançou uma sombra de dúvida sobre o futuro de sua controlada.

Ao longo dos anos, o Smiles foi se diferenciando de seus rivais por ser altamente voltado ao setor de viagens. Assim, por mais que a empresa oferecesse a possibilidade de resgate de milhas em serviços e produtos de varejo — como eletrodomésticos ou celulares —, seu carro-chefe eram as passagens aéreas da Gol.

Sendo assim, que valor teria o Smiles caso não aceitasse a proposta, por mais que ela fosse desvantajosa? Afinal, as demais companhias aéreas já possuíam seus próprios programas de fidelidade — o futuro da empresa, assim, estava atrelado à Gol.

Comportamento das ações ON do Smiles e PN da Gol desde 2018

Frustração

O gosto na boca dos acionistas do Smiles foi ainda mais amargo porque, dias antes da primeira proposta da Gol, a Latam protocolou um registro de OPA para o fechamento de capital da Multiplus, administradora do programa de fidelidade da companhia aérea no Brasil.

Os planos da Latam já eram conhecidos desde setembro — a empresa anunciou que não renovaria o contrato com a Multiplus para além de 2024 e propunha o preço de R$ 27,22 por ação da companhia de fidelidade, pagando um prêmio em relação à cotação de época dos papéis.

É claro que os meses de especulação envolvendo o fechamento de capital da Multiplus provocaram uma quena nos preços das ações. Dito isso, a OPA correu sem maiores transtornos e turbulências, com os papéis deixando a bolsa em abril deste ano.

Enquanto isso, Gol e Smiles seguiam num cabo de guerra — e os papéis da companhia de fidelidade continuavam se desvalorizando.

Derrocada

As ações do Smiles sofreram um segundo golpe em 19 de junho deste ano, quando se tornou público que a companhia não chegou a um acordo com a Gol. Naquela data, os papéis caíram mais 4,14%.

Por um lado, foram rejeitados os termos desfavoráveis da operação, mas, por outro, restou a dúvida quanto ao que seria do Smiles sem a perspectiva de renovação com a Gol — e sem uma base relevante para resgates de milhas fora do setor de viagens.

A terceira pancada veio na semana passada, quando o Smiles concretizou os temores do mercado e anunciou projeções bastante fracas para 2020, com desaceleração no faturamento e margens de resgate de milhas em queda. Na última terça-feira (3), as ações recuaram 8,85%, voltando ao nível de R$ 30,00.

Projeções do Smiles

Antídoto

Com as ações do Smiles em patamares tão baixos, a Gol fez a segunda investida nesta segunda-feira, oferecendo as duas opções que equivaleriam à R$ 41,34 por papel da companhia de fidelidade — um prêmio de mais de 30% em relação à cotação de R$ 31,74 dos papéis do Smiles na última sexta-feira.

Em relatório, os analistas Renato Mimica e Lucas Marquiori, do BTG Pactual, destacam que a proposta da Gol deve por um fim às dúvidas que pairavam sobre o Smiles, uma vez que a falta de acordo entre as partes criava um desalinhamento na governança corporativa que representava "um grande fator negativo" à companhia de fidelidade.

A Gol estima que fará um desembolso de US$ 250 milhões a US$ 350 milhões com a operação, o que representa entre 20% a 30% da posição atual de liquidez da companhia aérea. Se os minoritários do Smiles aceitarem os termos, a transação deve ser concluída em abril de 2020.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Expectativa

Ibovespa abre em alta e dólar fica estável; mercados aguardam a decisão de juros nos EUA

Sem tirar o coronavírus do radar, o Ibovespa acompanha o exterior e opera em leve alta, aguardando o parecer do Federal Reserve em relação à taxa de juros nos EUA

no balanço

Santander Brasil tem lucro de R$ 14,5 bilhões em 2019, e aumenta a participação nos ganhos do grupo

Filial brasileira divulgou resultados do quarto trimestre; lucro chegou a R$ 3,7 bilhões, avançando 9,49%; retorno sobre patrimônio bate 21,3%

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

12 notícias para você começar o dia bem informado

A elite financeira do país se reúne em um evento do banco Credit Suisse para discutir a economia. Um dos sócios de uma das gestoras mais renomadas do país disse que a maioria das ações do Ibovespa está cara. Nos mercados, as atenções se dividem entre o avanço do coronavírus e a decisão de hoje do Federal […]

auditoria da auditoria?

Bolsonaro vê ‘coisa esquisita’ no BNDES e Montezano deve se explicar nesta quarta

Banco gastou R$ 48 milhões em auditoria; atual presidente autorizou aditivo do contrato inicial

Esquenta dos mercados

Em compasso de espera por decisão do Federal Reserve, bolsas ensaiam mais um dia de recuperação

Coronavírus continua trazendo cautela aos mercados, mas as bolsas tentam engatar mais um dia de recuperação

pode não acontecer

Auditoria em contrato com a Odebrecht pode ser abortada

Após a auditoria do BNDES nas operações da JBS apontar inexistência de indícios de irregularidade e gastar R$ 48 milhões, avaliação é que “não faz mais sentido” gastar recursos

conflito internacional

Trump revela ‘plano de paz’ para Oriente Médio; palestinos são contrários ao projeto

Israel teria controle sobre a totalidade de Jerusalém como sua capital. O plano também propõe a criação de uma capital da Palestina na periferia a leste de Jerusalém

Vendas de iPhones aumentam e Apple supera estimativas no 4º trimestre

Vendas do produto somaram US$ 55,96 bilhões, ao passo que as estimativas eram de US$ 51,6 bilhões e o desempenho do quarto trimestre de 2018 havia sido de US$ 52 bilhões.

Bolsa

Sem Petrobras, Vale, bancos e frigoríficos, Ibovespa é índice mais caro do mundo, diz SPX

Small caps também são vistas com ressalvas por gestores de fundos, que falaram sobre as oportunidades que (ainda) veem na bolsa após a forte alta dos últimos anos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements