Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-05-20T19:14:22-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Siga o gringo

20 de maio de 2019
19:14
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Eu costumo medir o interesse dos estrangeiros em colocar dinheiro no Brasil de uma forma bastante particular: a quantidade de entrevistas que leio ou faço com investidores de fora do país.

É claro que se trata de uma medida bastante imprecisa, mas olhando para trás posso afirmar que ela guarda uma boa correlação com o que aconteceu na economia nos últimos anos.

Nos tempos em que o Brasil estava na moda e o Cristo decolava do Corcovado nas capas das revistas, eram frequentes as visitas de investidores de fora, seguidas de entrevistas recheadas de elogios ao país.

O primeiro sinal de alerta do meu “Ibovespa interno” ocorreu em 2013, quando uma gestora britânica anunciou a saída do país pouco mais de seis meses depois de uma entrevista que eu fiz com o principal executivo.

O Brasil acabou sendo riscado de boa parte dos mapas financeiros dois anos depois, com a perda do grau de investimento pelas agências de risco. Nessa época, as entrevistas com gringos minguaram.

Até que no ano passado as visitas e entrevistas voltaram a se tornar frequentes, um sinal (pelo menos para mim) de que os estrangeiros estão prontos para voltar. Eles acabaram perdendo a valorização da bolsa do começo do ano, mas também se livraram do tsunami que varreu os mercados na última semana.

A boa notícia é que a onda de pessimismo local não contaminou os gringos, pelo menos por enquanto. Eu estive hoje de manhã com o presidente da B3, Gilson Finkelsztain, que participou de uma conferência no exterior na semana passada, justamente durante o olho do furacão político.

Embora o interesse dos estrangeiros em voltar para a bolsa brasileira continue, eles mandaram um recado bem claro, como você pode conferir na matéria que eu escrevi.

Com a faca no ar

Se por um lado os investidores seguem aflitos com o clima político ruim em Brasília, por outro sinais de que a reforma respira melhoram o humor na bolsa. Por isso muitos deles se arriscaram a pegar a faca caindo e comprar mais barato o que havia caído de preço nos últimos dias. Esse movimento ajudou o Ibovespa a subir mais de 2% nesta segunda-feira. Com tantas notícias influenciando as ações, vale a pena dar uma olhada na cobertura dos mercados hoje com o Victor Aguiar.

Foco no trilhão que ele vem

Quem se animou a pegar a faca no ar com certeza buscou coragem na fala do relator da reforma da Previdência na Comissão Especial da Câmara. Samuel Moreira tentou abafar todas as especulações sobre o relacionamento ruim entre o governo e o Congresso e foi enfático ao dizer que tem como meta buscar o “trilhão do Guedes”. O Edu Campos acompanhou ao vivo a fala do deputado e trouxe para você todos os detalhes da entrevista.

De volta para o passado

Se o lema de Juscelino Kubitschek era “50 anos em 5”, quantos anos regredimos nesses cinco anos de crise econômica? Que o ritmo de recuperação é bem mais lento que o esperado não há dúvida. Mas os dados mostram que até hoje nenhum setor da economia conseguiu voltar aos níveis de atividade observados antes de 2014. Confira nesta matéria o diagnóstico dos especialistas e os setores que mais “voltaram no tempo”.

Hello

Você compraria ações de uma empresa em recuperação judicial? Quem decidiu não só investir como aumentar a aposta na encrencada operadora de telefonia Oi foi a Soros Fund Management. A firma de investimentos do bilionário George Soros mais que dobrou sua participação em recibos de ações (ADRs) da empresa brasileira negociados em Nova York. O número total de ações que a Soros detém está em 4.173,192 — num valor total de US$ 7,8 milhões.

Raia Onofre Drogasil?

Não sei se a fusão dos nomes vai pegar, mas o fato é que a Raia Drogasil conseguiu hoje a aprovação do Cade para a compra de 100% dos negócios da rede de farmácias. Vale lembrar que, muito além das 50 lojas que a Onofre tem espalhadas pelo Brasil, principalmente em São Paulo, a Raia Drogasil conseguiu tirar do país o grupo americano CVS, que controlava a empresa. Saiba mais sobre a decisão do órgão de defesa da concorrência.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

JURO BAIXO E PANDEMIA

O alinhamento dos astros está favorável para os investimentos em imóveis

Pandemia aumentou desejo por imóveis maiores e com escritório; juro baixo estimula segmento.

foco no nordeste

Desenvolvimento Regional autoriza R$ 30,7 milhões para saneamento em 17 Estados

Segundo a pasta, a maior fatia dos recursos foi destinada ao Nordeste (R$ 15,8 milhões), seguida pela região Norte (R$ 6,5 milhões)

caso das rachadinhas

Presidente do STJ decide colocar Queiroz em prisão domiciliar

O caso tramita sob segredo de Justiça. Preso desde 18 de junho, Queiroz é apontado como operador de um suposto esquema de “rachadinhas” – apropriação de salários de funcionários – no antigo gabinete do senador Flávio Bolsonaro

O dia dos mercados

Com cautela em NY, bolsa fecha em queda de 0,6% após voltar aos 100 mil pontos; dólar recua

Em sessão de volatilidade, bolsa retorna ao patamar de 100 mil, mas não consegue manter fôlego com cautela em bolsas americanas. Dólar tem leve queda e se aproxima de R$ 5,30

ALÉM DE MORTOS E FERIDOS...

Os ‘falidos’ do coronavírus: veja as empresas que quebraram na pandemia

Companhias aéreas foram as primeiras a sentir o baque, seguidas por empresas que dependem também do turismo ou de viagens corporativas. Varejistas com fraca presença no e-commerce também sofreram com a ausência de clientes.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu