Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-05-10T18:28:58-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Recalculando a rota

10 de maio de 2019
18:28
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

De vez em quando sou chamado para dar palestras em faculdades de jornalismo para falar sobre os meus livros e os dilemas da profissão.

E não há uma única oportunidade nessas ocasiões em que não ouça queixa dos alunos sobre a falta de oportunidades de emprego na área.

A minha resposta, com pequenas variações, costuma ser a mesma. O momento de fato está ruim para quem quer emprego, mas a oferta de trabalho para jornalistas nunca foi tão ampla.

A concorrência também. Afinal, qualquer pessoa com um telefone celular e uma conta em qualquer rede social hoje é um jornalista em potencial. E pensar que, não faz muito tempo, o diploma era obrigatório para quem desejasse exercer a profissão.

A forma como a tecnologia move a economia e as nossas decisões é um dos temas que mais me fascinam. Em especial, as empresas que criam negócios tão inovadores que chegam a desafiar as fronteiras da regulação.

Poucas companhias foram tão polêmicas na época da sua criação como a Uber. Tanto que me habituei a sentar no banco da frente quando chamo um motorista pelo aplicativo para evitar os constantes embates que ocorriam com os taxistas aqui em São Paulo.

Até chegar ao tradicional toque do sino na Bolsa de Nova York (Nyse) em uma badalada oferta de ações que movimentou US$ 8,1 bilhões (quase R$ 32 bilhões), a Uber precisou enfrentar não só taxistas como os governos de cidades em várias partes do mundo.

Quem entrou no IPO e se tornou sócio espera agora que a revolução da Uber no transporte urbano se traduza em retorno financeiro. Só que na estreia das negociações, as ações deram uma derrapada e caíram feio. Saiba com a Bruna Furlani como foi o primeiro dia da rota do aplicativo na bolsa.

É hora de repensar o negócio

Desde que a barragem de Mariana se rompeu, ficou claro para muita gente que a Vale precisava revisitar suas principais diretrizes de negócios. Mas precisou acontecer um novo desastre, anos depois, para que a companhia enfim assumisse isso de forma enfática. O atual presidente da empresa, Eduardo Bartolomeo, fez sua primeira apresentação como líder da mineradora e prometeu reforçar três pilares básicos para o futuro da Vale. Confira o que ele disse e também como o mercado reagiu ao prejuízo bilionário da mineradora.

Azia e má digestão

Sabe aquela sensação de estufamento depois de comer a ceia de Natal? Foi mais ou menos como o mercado ficou nesta sexta-feira após a maratona de balanços de ontem. Com tanto número para digerir, a bolsa ganhou movimento no último pregão da semana. Mas quem definiu o sinal (negativo) para o mercado de ações hoje foi mais uma vez Donald Trump. O Victor Aguiar conta para você como o aumento da temperatura na guerra comercial mexeu com o humor dos investidores.

A educação que sobe

No meio do rebuliço provocado pela decisão do governo de cortar recursos das universidades federais, as ações do setor de educação foram o grande destaque positivo na bolsa hoje. O alarme de teoria da conspiração de muita gente deve ter disparado, mas a verdade é que a valorização de Estácio, Kroton e Ser Educacional hoje na B3 não tem nenhuma relação com a polêmica no orçamento das faculdades públicas. Então qual seria o motivo por trás da alta das ações? Confira a resposta nesta matéria.

Estado ou empresário?

Salim Mattar, o homem responsável pelas privatizações no governo Bolsonaro, não perde uma oportunidade para espalhar suas ideias liberais. Hoje não foi diferente. Ele afirmou que a chamada social-democracia se perdeu ao criar um “Estado-empresário” e reiterou que todas as estatais são “absolutamente ineficientes”. Além do discurso, Mattar anunciou que a União vai vender a participação acionária que ainda detém na resseguradora IRB, além de debêntures da Vale. O Edu Campos acompanhou a fala do secretário e conta o quanto as operações podem render para os cofres públicos.

Das telas para a articulação

Teria Alexandre Frota tomado aulas de política com os grandes estrategistas de Brasília? Com discursos bem feitos e buscando a tradução de termos técnicos para a linguagem popular, o ex-ator e deputado do PSL vem chamando a atenção nos corredores da Câmara quando o assunto é a reforma da Previdência. Você pode até achar estranho que a figura de Frota, rodeada de preconceitos e estigmas, possa despontar como um coelho tirado da cartola do governo, mas esta matéria vai mostrar que a primeira impressão pode até ser verdadeira, mas nem sempre é a que fica.

#Partiu happy hour

Mais uma semana de investimentos vai chegando ao fim e, para coroar nossos encontros aqui na newsletter Seu Dinheiro, trago para você mais uma edição do podcast “Touros e Ursos”. No happy hour de hoje, a Marina Gazzoni convidou o Victor Aguiar e o Eduardo Campos para bater um papo sobre tudo o que movimentou os mercados nos últimos dias. Da audiência de Guedes na Câmara à enxurrada de balanços, você participa de um bate-papo com os nossos repórteres sobre as principais notícias da semana! Prepara o fone de ouvido e aperta o play!

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Reverteu prejuízo

Vale lucra US$ 739 milhões no 4º tri e termina 2020 com lucro de US$ 4,9 bilhões

Mineradora conseguiu reverter prejuízo do ano anterior, mas lucro trimestral veio abaixo do esperado pelo mercado

Risco fiscal

Efeito de fatiamento da PEC emergencial seria extremamente perverso, diz secretário do Tesouro

“Se for fatiado será pior para todos. Queremos dar o auxílio aos vulneráveis, mas também precisamos de um ambiente fiscalmente organizado para que a economia melhore”, disse Bruno Funchal

Nível pré-pandemia

Governo Central tem superávit de R$ 43,219 bilhões em janeiro

Após 11 meses consecutivos de rombos causados pelos gastos de enfrentamento à pandemia, contas do Governo Central voltam a ter superávit

Pagamentos e maquininhas

Lucro do PagSeguro soma R$ 430 mi no trimestre, maior da história da companhia

Entretanto, companhia com ações negociadas na Nasdaq teve queda no lucro em 2020

o melhor do seu dinheiro

Lá vem o Leão de novo…

Estamos naquela época do ano de novo: temporada de prestação de contas ao Leão! A Receita Federal acaba de divulgar as regras de preenchimento da declaração de imposto de renda 2021, que neste ano deverá ser entregue entre 1º de março e 30 de abril. Parece que foi ontem que estávamos fazendo o exercício cívico […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies