A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-04-18T19:17:15-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Quando a música para de tocar

18 de abril de 2019
19:17
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Está com saudades dos tempos em que a renda fixa garantia retornos de 1% ao mês? E se eu lhe dissesse que havia uma aplicação no mercado que dava uma rentabilidade mensal de 5%, e com risco praticamente zero?

Eu sei, está com cara daquelas pirâmides financeiras, mas os ganhos eram bem reais. Essa era a taxa que as empresas de maquininhas de cartão chegaram a cobrar dos lojistas para antecipar o dinheiro das vendas realizadas no cartão de crédito, que normalmente demoram 30 dias para cair na conta.

A taxa da antecipação de recebíveis era alta porque os comerciantes em geral estavam com a corda no pescoço e não tinham outra opção a não ser aceitar o desconto. E o risco para a maquininha era mínimo porque o devedor na outra ponta é o banco emissor do cartão que aprovou a venda.

Quem quisesse participar dessa festa podia comprar as ações das empresas de maquininhas na bolsa e ganhar com os dividendos. Escrevo isso no pretérito imperfeito porque a mina de ouro do negócio da antecipação de recebíveis sofreu um baque com a decisão da Rede, empresa da maquininhas do Itaú Unibanco, de zerar a taxa para antecipar nas vendas realizadas nas compras com cartão de crédito à vista.

O banco não fez isso porque é bonzinho, mas porque foi forçado a isso diante do aumento da competição no setor. Ou seja, a música da festa já vinha diminuindo de volume, e agora parou de tocar.

O movimento da Rede foi um duro golpe na guerra das maquininhas e fez estrago nas ações da Cielo, Stone e PagSeguro hoje aqui e em Nova York, como eu mostro nesta matéria.

Meu nome é Petrobras

Mesmo com toda a cautela dos investidores em meio à demora na tramitação da reforma da Previdência, a bolsa subiu mais de 1% no pregão pré-Páscoa. Para resumir a história, o Ibovespa foi puxado pela forte alta nas ações da Petrobras, que voltou às boas com o mercado após anunciar que sua política de preços está viva. O Victor Aguiar também acompanhou outros movimentos da bolsa e conta tudo para você.

O capitão vestiu a camisa?

Nada como uma semana após a outra. Depois de ser acusado de “Dilmar” ao barrar o reajuste no preço do diesel pela Petrobras, Bolsonaro parece que não só mudou de ideia como pode ter ido além na sua compreensão sobre o papel da estatal. Em uma entrevista hoje mais cedo à GloboNews, o ministro Paulo Guedes deixou escapar uma informação que, no mínimo, vai aguçar os instintos dos investidores. Confira o que disse o posto Ipiranga e tire suas próprias conclusões sobre o “levantar de sobrancelha” do presidente.

Caiu, mas subiu

A Usiminas abriu hoje pela manhã o calendário de balanços do primeiro trimestre. Segundo a siderúrgica, os indicadores recentes da atividade econômica apontaram um ritmo abaixo do esperado, com a indústria operando com alto nível de ociosidade e baixa utilização de capacidade. Apesar da queda no lucro diante do cenário desfavorável, as ações da Usiminas fecharam em alta de mais de 2%. Saiba mais sobre os números da siderúrgica nesta matéria.

Bancões na mira

A situação pode ficar complicada no Cade para alguns dos principais bancos do Brasil. O conselho deve julgar uma série de processos contra seis instituições financeiras. Elas são acusadas de cometer infrações dentro do mercado de crédito consignado. Os bancos teriam exigido exclusividade para ofertar e fechar contratos de crédito a servidores de entes públicos. Entenda a história lá no Seu Dinheiro.

O que fazer com R$ 1,5 trilhão?

O dinheiro anda curto pra você? Pois saiba que hoje os bancos e empresas possuem algo como R$ 1,5 trilhão parados em operações compromissadas em títulos do governo. Essa montanha de recursos que poderia estar movimentando a economia deve seguir “empoçada” enquanto não houver uma definição sobre o futuro da economia (leia-se reforma da Previdência). Afinal, como bem lembra a nossa colunista Angela Bittencourt, banqueiro sabe como ganhar e, principalmente, como não perder dinheiro.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

IMPASSE CONTINUA

Vitória do governo ameaçada? FUP vai à Justiça para anular resultado de assembleia que elegeu novo conselho da Petrobras (PETR4)

19 de agosto de 2022 - 20:20

A FUP vai centrar argumentação contra a eleição a conselheiros de dois nomes barrados pelo Comitê de Elegibilidade da estatal

1ª troca em 20 anos

Americanas (AMER3) anuncia Sergio Rial, ex-CEO do Santander, para o comando da companhia no lugar de Miguel Gutierrez

19 de agosto de 2022 - 19:17

Trata-se da primeira troca no cargo de diretor presidente da varejista em 20 anos; Rial assumirá cargo no início do ano que vem

Acionistas felizes

Dividendos: Telefônica (VIVT3) e Marfrig (MRFG3) pagam nova rodada de proventos. Veja as condições para receber

19 de agosto de 2022 - 19:14

A Telefônica não fixou data para o pagamento dos dividendos, mas segundo a companhia, os créditos serão realizados até 31 de julho de 2023

VAI DISPARAR?

Polo Capital aumenta participação na Tenda (TEND3) e se aproxima do gatilho para “poison pill”; construtora discutirá fim do mecanismo em assembleia

19 de agosto de 2022 - 18:36

O movimento ocorre poucos dias após a companhia anunciar que, atendendo a um pedido da gestora, vai convocar uma Assembleia Geral Extraordinária para discutir a exclusão da “poison pill” de seu estatuto social

FECHAMENTO DO DIA

Frente fria chega ao Ibovespa e índice recua 1,12% na semana; dólar vai a R$ 5,16

19 de agosto de 2022 - 18:33

Apesar da semana calma, o Ibovespa refletiu a cautela com os juros americanos e a queda das commodities

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies