Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
Dados da Bolsa por TradingView
2019-09-23T19:29:35-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Dólar ladra, mas (ainda) não morde

23 de setembro de 2019
19:29
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Como todos sabemos, o câmbio no Brasil é flutuante. Mas toda vez que o dólar sobe com consistência, uma certa apreensão surge no mercado. O temor não é só pela alta da moeda, mas pelo que ela pode representar.

No limite, uma desvalorização muito acentuada do real pode despertar pressões inflacionárias e ameaçar o processo de queda da taxa básica de juros (Selic).

Mas como gostam de dizer os diretores do Banco Central, o câmbio flutuante é a primeira linha de defesa contra choques externos. Isso quer dizer que a alta do dólar ajuda a amortecer os efeitos de uma piora nas condições do mercado internacional.

E não é de hoje que os investidores estão com um pé atrás em relação ao desempenho da economia global. O grande receio é o de que as autoridades não tenham bala na agulha para evitar uma recessão.

Além do cenário nebuloso lá de fora, o dólar ganhou força depois da sinalização do BC brasileiro de que os juros vão continuar em queda firme. Ou seja, aquele ganho que muitos investidores internacionais tinham com a diferença entre os juros praticados aqui e lá fora vai ficar cada vez menor.

Dito tudo isso, a verdade é que o dólar no patamar atual é como aquele velho cão do ditado popular: ladra mas não morde. Com a alta de hoje para R$ 4,171, a moeda do país de Donald Trump acumula um ganho de 7,64% em 2019.

Embora não seja algo de se desprezar, trata-se de uma variação bem menor se compararmos, por exemplo, com o período de tensão pré-eleitoral do ano passado, quando o câmbio chegou a ter uma desvalorização de mais de 25%.

Os temores com indicadores fracos da economia lá fora também mexeram com a bolsa, mas no fim do dia o Ibovespa fechou perto do zero a zero. Saiba com o Victor Aguiar tudo o que mexeu com o dólar e com as ações nesta segunda-feira.

Na prateleira da renda fixa

Uma novidade surgiu na prateleira da renda fixa para quem está em busca de diversificar os investimentos. Ou melhor, duas. O Itaú Unibanco lançou hoje dois novos fundos de índice negociados em bolsa – mais conhecidos pela sigla em inglês ETF – que têm como referência uma cesta de títulos públicos. Saiba mais como funcionam os dois fundos e quais as vantagens em relação a outras aplicações nesta matéria do Kaype Abreu.

Agro é pop

As ações da Fertilizantes Heringer, que são negociadas na bolsa de 2007, caíram no limbo no começo deste ano com o pedido de recuperação judicial da empresa. Pois hoje elas foram resgatadas depois que a companhia recebeu uma oferta de compra de dois grupos russos. A notícia fez com que os papéis da empresa fechassem em alta de mais de 33%. Saiba mais sobre a proposta e quanto os russos estão dispostos a colocar na Heringer.

Guerra pelo seu celular

Os efeitos das disputas comerciais entre Estados Unidos e China respingam para todos os lados, inclusive no Brasil. A bomba da vez explodiu no campo da tecnologia, mais especificamente no leilão de cobertura 5G. O lobby feito pelo presidente norte-americano Donald Trump contra a empresa chinesa Huawei vem colocando em xeque a participação dela no processo brasileiro. Confira nesta nesta matéria tudo o que está em jogo nessa corrida tecnológica que vale bilhões.

Compre e mantenha!

Lenda é lenda, não tem jeito. Outro dia eu citei aqui na newsletter a famosa estratégia do bilionário Warren Buffett de encontrar e comprar ações na bolsa por um preço menor do que elas realmente valem. Agora chegou a hora de contar o que ele faz depois de comprar essas ações. Será que ele vende logo que elas começam a subir ou em caso de queda para limitar o prejuízo? Nada disso. Saiba mais sobre a conhecida estratégia “buy and hold” , que aliás nem foi criada pelo investidor norte-americano.

No pain, no gain

A máxima das academias de musculação em muitos casos pode se aplicar ao mercado financeiro. E também vale para você que decidiu colocar uma parte dos seus investimentos na bolsa, como bem destaca o nosso colunista Felipe Miranda. No texto de hoje, ele explica por que os percalços são inevitáveis no caminho de todo o investidor. Enfrentar períodos de instabilidade, que inclusive podem ser prolongados, é praticamente inevitável se você quiser avançar para a etapa de bonança. Vale a pena a leitura!

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

*Colaboração Fernando Pivetti.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies