O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-05-03T18:35:51-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

A síndrome de Barrichello e os seus investimentos

3 de maio de 2019
18:35
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A maior crise da história da economia brasileira insiste em não sair do nosso retrovisor. A retomada, que começou a passos lentos ainda em 2017, deveria ganhar velocidade no ano seguinte.

Não sei se você se recorda, mas nesta mesma época no ano passado os primeiros dados já mostravam certa frustração. De todo modo, ainda havia certa esperança para os meses seguintes. Até que a greve dos caminhoneiros, seguida do estresse do período pré-eleitoral, sepultaram qualquer tentativa de recuperação.

As fichas, então, foram todas depositadas para este ano. Com um novo governo e uma agenda ambiciosa de reformas, a perspectiva para a economia voltou a inspirar a confiança de empresários e consumidores.

Mas eis que chegamos novamente em maio e… nada. A mais nova ducha de água fria veio da produção industrial, que caiu além das expectativas dos analistas, que já não eram boas. Agora corremos o sério risco de voltar a registrar um PIB negativo no primeiro trimestre deste ano.

Poderia gastar alguns parágrafos para tentar explicar essa “síndrome de Rubinho Barrichello” da economia. Mas para ficar no meu quadrado aqui, prefiro questionar: como o desempenho mais fraco que o esperado do PIB pode afetar os seus investimentos?

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

A resposta mais fácil (ou menos difícil) é o impacto sobre os juros. Dificilmente veremos uma alta nas taxas, o que deve manter os ganhos das aplicações de renda fixa magrinhos. Mas provavelmente também não veremos novas quedas da Selic no curto prazo.

E quanto à bolsa? Será que a frustração com a economia pode afetar o desempenho do Ibovespa, que apesar dos percalços acumula ganho de 9,5% neste ano? Confira a resposta nesta matéria do Eduardo Campos.

Boas vibrações

A expressão “otimismo cauteloso” foi uma das que mais ouvi nesses últimos anos em que a economia só prometeu, mas não cumpriu. Ela também resume bem o espírito do mercado nesta sexta-feira. A aparente tranquilidade com dados mais animadores dos EUA ajudou a bolsa a se manter em alta moderada durante todo o pregão. O dólar também seguiu as boas vibrações e voltou a ficar mais perto dos R$ 3,90 do que dos R$ 4,00. O Victor Aguiar traz para você todos os detalhes por trás do pregão de hoje.

Capitão eleitoral

Outubro é mês de eleições… na Argentina. E quem acompanha de perto a corrida pela Casa Rosada é o presidente Jair Bolsonaro. Todos sabemos que o país comandado por Mauricio Macri não anda nada bem das pernas, e o capitão resolveu fazer um alerta público para que, segundo ele, não surja “uma nova Venezuela mais ao sul”. Foi uma referência clara à possibilidade de Cristina Kirchner voltar à presidência. Saiba mais o que o cabo eleitoral, quer dizer, capitão falou sobre os nossos hermanos.

Foi ruim, mas foi bom

A guerra no mercado de maquininhas de cartão deixou marcas até mesmo no Itaú Unibanco. Tanto é que o lucro de quase R$ 6,9 bilhões no primeiro trimestre veio “apenas” dentro do esperado pelo mercado. Mas eis que do limão o banco soube espremer uma boa limonada. Ao revisar para baixo as receitas para o ano, o Itaú decidiu cortar também as estimativas para as despesas. Esse movimento deve mais do que compensar esse efeito negativo da guerra das maquininhas no balanço. Adivinha qual o resultado dessa conta? Eu trago para você o resultado nesta matéria.

Não resistiu, Buffett?

Esta é de bilionário para bilionário. Depois de um longo namoro, a holding Berkshire Hathaway, do megainvestidor Warren Buffett, finalmente decidiu colocar na carteira ações da Amazon. Buffett não poupa de elogios a gigante do comércio eletrônico, comandada pelo também magnata Jeff Bezos, e já disse que se arrependeu de não ter investido na companhia antes. Mesmo assim ele não foi o responsável pela compra recente das ações, como conta a Bruna Furlani.

Vem pro happy hour!

A semana de investimentos vai chegando ao fim e aqui no Seu Dinheiro sexta-feira é sinônimo de happy-hour. E no meio de tanta celebração, claro, não poderia faltar informação boa e dicas para os seus próximos passos. No encontro de hoje, a Marina Gazzoni recebe a Julia Wiltgen e o Edu Campos para falar sobre os principais assuntos que movimentaram o seu dinheiro nesses dias, e nessa mistura vai ter de tudo: do ranking mensal de investimentos a uma análise se vale a pena ou não botar dinheiro na NuConta. Prepare a sua bebida, o fone de ouvido e embarque em mais um Podcast Touros e Ursos!

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele