Menu
2019-05-31T17:45:30-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Novidades em breve?

Alô, Correios! Bolsonaro deu sinal verde para privatizar empresa

As informações são da revista Veja. Nas palavras de Bolsonaro, o PT destruiu a empresa e é preciso “mostrar à opinião pública que não tem outro caminho a não ser privatizá-la”

31 de maio de 2019
15:45 - atualizado às 17:45
, Jair Bolsonaro
Imagem: Marcos Corrêa/Presidência da República

Depois de o secretário especial de desestatização e desinvestimentos, Salim Mattar, ter dado a primeira deixa que poderia privatizar os Correios, o presidente Jair Bolsonaro disse, em entrevista publicada hoje (31) à revista Veja, que já deu o sinal verde para que isso ocorra.

Nas palavras de Bolsonaro, o PT destruiu a empresa e é preciso "mostrar à opinião pública que não tem outro caminho a não ser privatizar os Correios. Será assim com outras estatais. Há muitos cabides de emprego dentro do governo".

O presidente ainda fez menção aos problemas de corrupção encontrados nos fundos de previdência da empresa e falou que "a bandalheira era tão grande que o fundo de pensão dos funcionários, que hoje está quebrado, fez investimentos em papéis da Venezuela".

Prioridades

Ainda que as privatizações estejam no radar de Bolsonaro, o presidente deixou bem claro que o foco agora é de fato a Previdência. Durante a entrevista, Bolsonaro disse que a reforma da Previdência é uma das missões mais difíceis que já teve e ressaltou que era contra a medida até assumir a presidência.

"Na Câmara, muitas vezes você tem uma informação de orelhada. Por isso, eu sempre fui contra a reforma da Previdência. O que faz a gente mudar? A realidade. O Brasil será ingovernável daqui a um, dois, três anos. Se a reforma da Previdência não passar, o dólar pode disparar, a inflação vai bater à nossa porta novamente e, do caos, vão florescer a demagogia, o populismo, quem sabe o PT, como está acontecendo na Argentina, com a volta de Cristina Kirchner. O Brasil não aguentaria outro ciclo assim", destacou o presidente.

Desemprego

E ao ser questionado sobre aspectos econômicos e sobre a sua expectativa para diminuir o atual nível de desemprego, Bolsonaro se esquivou e preferiu não trabalhar com prazos.

No lugar, o presidente respondeu que aqui no Brasil há muita burocracia para a criação de empregos. Ele ainda fez referências ao processo de construção de usina hidrelétrica na China para falar sobre o tema.

"O general Mourão acabou de chegar da China. Lá também tem desemprego. Mas há uma diferença. Quando os chineses quiseram fazer a usina hidrelétrica de Três Gargantas, só avisaram: Olha, daqui a dois anos a água vai subir, se vira. No Brasil você não faz isso. Aqui, Belo Monte está sendo construída há quase dez anos", afirmou o presidente.

Bolsonaro também ressaltou que o alto desemprego no Brasil está ligado ao fato de que "uma parte dos nossos milhões de desempregados não se encaixa mais no mercado de trabalho, por falta de qualificação. Há também os universitários que só têm diploma".

O presidente finalizou dizendo que "alguns acham que gastar mais dinheiro é sinal de que está melhorando a educação. Tem país que gasta per capital menos que nós e tem uma educação muito melhor. A situação não está nada bacana. Essa é a realidade".

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

OBSTÁCULO VENCIDO

‘A batalha foi vencida, mas a luta continua’: MP da Eletrobras passa no Senado, mas obstáculos até a privatização não acabaram

O texto volta agora para a Câmara e deve ser votado na segunda-feira. Embora os analistas não vejm obstáculos nessa etapa, os próximos meses podem trazer novos atritos

comissão no senado

Relator da CPI da Pandemia divulga lista de investigados; confira

Na condição de investigados, a CPI poderá também aprovar quebra de sigilos e operações de busca e apreensão em endereços ligados a eles

Maquininhas internacionais

De malas prontas: presidente da Getnet revela planos para o início das operações na Europa em 2022

A empresa se tornou peça-chave nos planos do espanhol Santander de criar uma plataforma global de pagamentos

Renda variável

Na batalha das corretoras, Rico vai zerar taxa em operações com opções

A medida busca tornar a corretora mais competitiva e reforçar a atuação do grupo no ramo da renda variável

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies