Menu
2019-05-10T15:22:25-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Este governo gosta de lucro

Estado é absolutamente improdutivo, diz Salim Mattar, ao anunciar venda de ações do IRB e debêntures da Vale

Operações devem render cerca de R$ 6 bilhões e, de acordo com secretário, venda de outros ativos, que montam R$ 150 bilhões, acontecerão mais rápido que as privatizações

10 de maio de 2019
12:38 - atualizado às 15:22
Salim Matar privatizações
Secretário especial de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, Salim Mattar - Imagem: Reprodução TVBrasil

O secretário especial de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, Salim Mattar, anunciou que o governo vai se desfazer de sua participação acionária no Instituto de Resseguros do Brasil (IRB) e de debêntures da mineradora Vale. Operações que podem somar R$ 6,26 bilhões.

O anúncio foi feito na quarta-feira, quando o Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (CPPI), vinculado à Secretaria de Governo da Presidência da República (Segov), aprovou a inclusão de 59 projetos no programa, com com a expectativa de obter R$ 1,6 trilhão.  Mas agora conseguimos mais algumas informações sobre o assunto (veja abaixo).

Na sua fala, Mattar disse que 2019 terá poucas privatizações, mas muitos desinvestimentos. A venda de estatais, segundo ele, deve deslanchar em 2020 e 2021.

Segundo Mattar, a socialdemocracia “se perdeu”, tentando montar um Estado empresário, algo incongruente, pois ou se é Estado ou se é empresário. Ele reforçou, ainda, que todas as estatais são “absolutamente ineficientes”.

“Este governo tem uma direção diferente. Este governo gosta de capital, gosta de empresário, gosta de lucro. Porque acredita que somente a iniciática privada é geradora de riqueza e criadora de empregos. O Estado é um ente absolutamente improdutivo”, afirmou.

O secretário ainda pediu para que fosse feita uma reflexão. Em um país onde a educação, saúde e segurança são péssimas, o governo tem mais de R$ 150 bilhões em participações de empresas.

“Pergunto: será que esse dinheiro não poderia ser investido em merenda escolar, creches, hospitais? Deve o governo ser um capitalista com participação em empresas ou deveria reverter isso para o bem-estar da população?”

Ainda de acordo com Mattar, desses R$ 150 bilhões, cerca de R$ 110 bilhões estão com o BNDESPar, braço de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o restante está com Caixa Econômica Federal e a União.

“Esses desinvestimentos acontecerão mais rápido que as privatizações, pois o tempo de um desinvestimento é de 60 a 90 dias, enquanto uma privatização, para atender a toda a regulação e órgãos de controle, pode ser de seis meses a um ano e meio”, explicou.

Mattar reforçou que as privatizações vão ocorrer e disse que gosta de comparar o processo a uma orquestra sinfônica. “Quando uma orquestra sinfônica vai dar um show e ficamos boquiaberto com aquela maravilha, aquele momento de êxtase, não sabemos quantos ensaios a orquestra fez. Então, nesses quatro meses de governo, nós estamos ensaiando, ensaiando uns com os outros para fazer essa orquestra funcionar e vai funcionar”, afirmou.

Ações e debêntures

A União é detentora de 36.458.237 ações do IRB, ou 11,7% do capital em circulação. Considerando o valor das ações do IRB negociadas na B3, na linha dos R$ 99,90 o montante perfaz cerca de R$ 3,6 bilhões.

A ação preferência de classe especial, conhecida como “golden share”, e que garante o controle da empresa, não faz parte do programa de venda.

Com relação às debêntures da Vale, a União tem 141.727.613. Esses ativos são negociados em mercado, com cotação na faixa de R$ 18,77 (CVRDA6). Assim, a vendas desses papéis pode somar algo como R$ 2,66 bilhões.

Como o volume de debêntures é significativo não se pode descartar oscilações de preço quando as vendas começarem a acontecer. O volume negociado é baixo, no dia 3 de maio, por exemplo, foram 5 transações. O total de debêntures em circulação, segundo o site da Vale, é de 388.559.056. A venda desses papéis pode ocorrer junto com a alienação da participação do governo na mineradora.

Esses papéis são da época da privatização da empresa, em 1997, quando foram emitidas essas debêntures participativas não conversíveis em ações. Cada debênture correspondia a uma ação, ordinária ou preferencial, detida pelo acionista na época da emissão desses títulos.

Desde 28 de outubro de 2002, essas debêntures passaram a ser negociadas no mercado secundário da Cetip.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

coronavírus no interior de sp

Aliansce Sonae fecha temporariamente 4 shoppings por aumento de casos de covid

A Aliansce Sonae teve que fechar temporariamente quatro shopping centers que administra por conta do aumento na ocupação de leitos nas redes de saúde das cidades onde estão localizados

crédito na crise

BTG abre linha de microcrédito para empreendedores, a partir de R$ 500

Mesmo que bilhões de reais tenham sido injetados na economia brasileira para mitigar os efeitos da crise, micro e pequenas empresas acabaram ficando sem crédito em meio à pandemia

o coronavírus por aqui

Brasil atinge platô nas mortes por covid, diz Ministério da Saúde

Mas contágio de covid-19 continua aumentando no país

seu dinheiro na sua noite

Começando o semestre com o pé direito

Passado um semestre marcado pela desvalorização dos ativos de risco e a disparada do dólar, um outro se inicia, ainda com muita incerteza pela frente. Mas ao menos começou com o pé direito: bolsa para cima e uma boa dose de alívio no câmbio. Os mercados continuam sustentados pela injeção de liquidez do Federal Reserve, […]

queda nas importações

Previsão de superávit da balança em 2020 sobe para US$ 55,4 bilhões, diz Lucas Ferraz

Com expectativa de queda nas importações maior do que o inicialmente previsto, o governo revisou a previsão para o saldo comercial deste ano e espera agora um resultado positivo de US$ 55,4 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements