Menu
2019-04-05T10:44:21-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Previdência

Paulo Guedes: jovens são prisioneiros de uma legislação do trabalho fascista

Ministro afirma que reforma terá duas etapas, ajuste do regime atual, que vai por PEC, e nova Previdência para os jovens, fora da Constituição, a ser regulamentada posteriormente

7 de fevereiro de 2019
12:51 - atualizado às 10:44
O ministro da Economia, Paulo Guedes
Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, não poupa adjetivos depreciativos para falar do atual regime de Previdência, tido por ele como uma “fábrica de desigualdades que perpetua privilégios e transfere renda do pobre para favorecidos”. Agora, Guedes sobe (corretamente) o tom também, para atacar o regime trabalhista.

“Os jovens são prisioneiros de uma legislação do trabalho fascista”, afirmou Guedes em breve entrevista na portaria do Ministério da Economia, nesta quinta-feira.

Guedes deixou claro que a PEC que vai tratar da reforma do atual sistema de Previdência não vai trazer alterações trabalhistas. A proposta da “nova Previdência”, para os jovens e que inclui mudança nos encargos trabalhista, será lançada para regulamentação posterior.

“Vocês que falam tanto em fascismo, a legislação trabalhista brasileira é do Mussolini, da Carta del Lavoro. Um pacto fascista de cooptação de sindicatos. Estamos vivendo, ainda, esses tempos, estamos atrasados 80 anos”, afirmou.

Segundo Guedes, o que se pretende é dar uma opção aos jovens, para as futuras gerações de se libertarem “desse regime obsoleto, quebrado, atrasado, injusto e criado em regime fascista, onde meia dúzia de sindicatos patronais e de trabalhadores recolhem recursos e se alinham ao governo ao invés de defender os reais interesses da classe trabalhadora”.

Guedes explicava as linhas mestras do que o governo pretende fazer para mudar o regime previdenciário. Primeiro será encaminhada uma proposta de emenda à constituição (PEC) para reformar o sistema atual. Os detalhes ainda estão sendo definidos e precisam passar pelo crivo do presidente Jair Bolsonaro.

Junto disso há a previsão de um modelo de transição para criação de um novo regime ou “nova Previdência”, que prevê um sistema de capitalização, na qual os segurados têm contas individuais.

“Estamos encaminhando o passo inicial. Reformando o antigo regime e lançando as diretrizes do novo. Daí para frente, desconstitucionalizado o problema do regime novo, vamos então lançar o sistema de capitalização”, explicou.

O ponto mais relevante aqui é o "desconstitucionalizando", que deve encontrar grande resistência, pois se pretende que o novo sistema não seja algo escrito na Constituição. Tendo outra figura jurídica,como lei ordinária, o governo consegue fazer alterações e eventuais correções de rumo sem precisar enfrentar todo o rito exigido por uma PEC, como votação em dois turnos na Câmara e Senado com maioria absoluta de votos.

Aqui o novo regime vai ter de conversar com mudanças nas atuais regras trabalhistas. É a proposta da carteira de trabalho verde e amarela, que já constava do programa de governo de Bolsonaro.

No avião sem paraquedas

Segundo Guedes, essa nova legislação contempla escolha dos jovens a respeito da legislação trabalhista. Para Guedes, o sistema atual carrega uma “bomba relógio”, que é a demografia, pois os jovens pagam a aposentadoria dos mais velhos.

Além disso, esse sistema também cobra “encargos perversos”, pois cada emprego formal tem o custo de dois funcionários. “Por isso da capitalização. Não podemos condenar as gerações futuras a viver o mesmo pesadelo que estamos vivendo”, disse.

“O jovem entra no avião [sistema previdenciário] levando um paraquedas para o pai dele. Só que quem vai cair com o avião é o jovem! Não achamos isso correto. Isso é moralmente injusto e economicamente ineficiente”, afirmou.

Na avaliação do ministro, o sistema de capitalização vai acelerar o crescimento, estimular o acumulo de capital e democratizar a acumulação de poupança. Segundo o ministro ainda está em estudo como será financiada essa transição com menores encargos sobre o mercado de trabalho.

Tramitação

Guedes afirmou que se a proposta atual fosse parecida com a de Michel Temer, poderia ser feita uma emenda aglutinativa no texto que já está em tramitação, o que pouparia tempo. Como estão sendo propostas alterações maiores no sistema antigo e um regime novo, tudo será enviado ao Congresso como uma nova proposta.

Segundo Guedes, essa tramitação deve levar de três a quatro meses. Do ponto de vista fiscal, disse o ministro, “isso nos prejudica, mas é o rito correto”.

Guedes também reafirmou total confiança no presidente da Câmara, Rodrigo Maia, para a condução da reforma na Câmara. Perguntado, novamente, sobre um prazo, Guedes disse que ele gostaria para anteontem, mas é a classe política que sabe como vai conduzir. Ainda assim, ele disse: “estamos confiantes que será aprovado”.

Batalha da comunicação

Guedes voltou a dizer que os jornalistas têm papel importante em esclarecer a opinião pública, pois já “tem interesses corporativos muito grandes” contra a mudança do atual regime. Segundo o ministro, temos 5, 6 ou 7 milhões de pessoas “que vivem com aposentadorias nababescas, que não contribuem e que têm esses privilégios perpetuados”.

“Toda a vez que se fala em fazer uma reforma eles começam a sacudir, começam a vazar, fazer qualquer coisa que possa impedir a reforma”, disse.

Antes, Guedes tinha repetido a fala de Maia, feita após reunião na terça-feira, de que “se o brasileiro soubesse que são os pobres que estão financiando a aposentadoria privilegiada dos mais ricos haveria uma insatisfação muito grande”. Além disso, o ministro afirmou que "um político vai se aposentar igualzinho um de vocês".

Segundo Guedes, a classe política, prefeitos e governadores estão entendendo que o “Estado brasileiro virou uma máquina de transferir renda de forma perversa”.

Militares

Segundo Guedes, os militares “são patriotas” e alegam, com razão, que foram deixados para traz com defasagens salariais, mas que “eles vão junto conosco para a reforma”. No entanto, explicou o ministro, como o regime dos militares não está na Constituição, ele será encaminhado de outra forma e que essa forma será uma decisão do presidente.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

entrevista

‘Orçamento está falido e não deveria ser sancionado’, diz Rodrigo Maia

Para ex-presidente da Câmara, governo e Congresso tem responsabilidade por esse Orçamento em que as emendas parlamentares são maiores do que os gastos discricionários

ESTRADA DO FUTURO

O que o mercado está tentando te dizer sobre as ações do Banco Inter (BIDI11)

Como analistas, gastamos cada vez mais tempo avaliando histórias. E se você quer investir bem o seu dinheiro, também deveria fazê-lo

termômetro

Tesla, Robinhood e GM: as apostas do bilionário Jorge Paulo Lemann

Empresário brasileiro respondeu quais seriam os investimentos de curto e longo prazo, em uma espécie de termômetro sobre a confiança em torno do negócio

escolha da CEO

Criptomeme bilionário, $moda$ de Hering e Arezzo, aposta contra o BC… veja o que bombou na semana no Seu Dinheiro

Você apostaria contra o Banco Central do Brasil?  Não falo de apostas mequetrefes com a turma do escritório, do tipo “quem perder paga uma rodada”.  Estou falando de colocar o seu patrimônio em investimentos que podem dar retornos altos se o BC estiver errado. Pois é justamente o que defende Rogério Xavier, da SPX Capital, um […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies